A religião que arrebata fiéis da cabeça aos pés
Adriana Castelo Branco

Publicado no Jornal O Globo em 28/04/2003

Em São João de Meriti, onde vivem, eles nem chamam mais a atenção. Mas, quando passam por outros bairros da cidade, os evangélicos da igreja Assembléia de Deus dos Últimos Dias são sempre cercados por curiosos. O motivo é simples: para garantir o acesso ao reino de Deus, as mulheres usam vestes longuíssimas, que só deixam de fora as mãos e a cabeça. Os homens, por sua vez, devem vestir terno e gravata. A recomendação vale também para as crianças, que costumam freqüentar escolas, shoppings e parques com o corpo totalmente coberto.

- As moças devem andar assim para valorizar a presença de Jesus em suas vidas. Esconder o corpo é uma forma de afastar a cobiça - justifica o pastor e fundador da igreja, Marcos Pereira da Silva.

Nas mulheres, os cabelos longos servem como véu

A Assembléia de Deus dos Últimos Dias foi criada no início da década de 90. Na época, as pregações eram feitas para pouco mais de 40 pessoas. Hoje, um único culto na sede, no bairro do Éden, chega a reunir dez mil fiéis. Mas apenas 900 membros fixos seguem à risca a doutrina da igreja, que inclui, entre seus "mandamentos", a exigência de não se cortar os cabelos.

- Está na Bíblia, no livro dos Coríntios, que não é bom tosquiar o cabelo. Cabelos longos funcionam como um véu - argumenta o pastor.

Ele se orgulha de manter um centro de recuperação para 150 pessoas, a maioria ex-criminosos convertidos que passam a pregar em boates, presídios, delegacias e favelas.

- Já acabamos com rebeliões em Bangu 3. Nosso trabalho nas casas de detenção é diário - garante.

Um trabalho, aliás, reconhecido por policiais e elogiado até pela ministra da Assistência e Promoção Social, Benedita da Silva. Há duas semanas, ela convidou o pastor Marcos para um encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Brasília. A idéia era discutir a participação da igreja no programa Fome Zero.

- O trabalho do pastor é espetacular, ele acalma a cadeia - elogia o subsecretário estadual de Segurança, Paulo Souto.

A rigorosa doutrina não espanta nem mesmo os adolescentes. As meninas mais velhas seguem regras até na hora de namorar, enquanto os rapazes não têm permissão sequer para pegar na mão das namoradas. Beijar na boca, então, só depois do casamento.

Numa região quente como a Baixada Fluminense, seria de se esperar que as vestes femininas, que lembram a burca usada pelas afegãs, fossem consideradas desconfortáveis pelos fiéis. Ledo engano. Nicia Silva, de 21 anos, dá o exemplo: ela usa a veste desde os 13, sem reclamar. E garante que leva uma vida bem parecida com a de outras meninas de sua geração.

- Faço tudo como qualquer garota da minha idade. A diferença é que sempre uso este tipo de roupa em público. Afinal, acreditamos que o corpo é o templo do Espírito Santo e temos de preservá-lo - explica.

Pode até ser. Certo mesmo é que, apesar das restrições que incluem a proibição de pintar as unhas ou usar roupas pretas e vermelhas, a Assembléia de Deus dos Últimos Dias, segundo o pastor, já tem postos avançados até no exterior.

O que não faz um fiel
Não toma bebida alcoólica
Não fuma
Nao beija na boca
Não freqüenta boates
Não corta o cabelo
Não usa maquiagem
Não veste preto ou vermelho
Não pinta as unhas
Não usa barba
Não faz sexo antes de casar


Fonte: http%3A%2F%2Foglobo.globo.com%2Foglobo%2Frio%2F107599652.htm

Preso pastor assaltante de residências

O pastor da Igreja Assembléia de Deus e assaltante de residências Enilton Marcos Lepaus, de 31 anos, foi preso por policiais da Delegacia de Capturas (DC-Oeste), nesta tarde de quinta-feira (18/09), na sua residência, na Rua Portão Vermelho, 140, em Bento Ribeiro. No momento da prisão, ele não estava armado.

De acordo com os policiais, Enilton está foragido da Justiça do Estado do Espírito Santo, desde o ano de 1998, por ter cometido o crime de homicídio. No Rio de Janeiro, Enilton também é acusado de assaltos. Contra ele, havia um mandado de prisão expedido pela 2ª Vara Criminal de São Gonçalo pelo crime de roubo qualificado.

O acusado contou ao delegado-titular da especializada, Ronaldo de Oliveira da Silva, que em 1995, roubou a arma de um parente, e com intuito de garantir o roubo e não ser punido, atirou no próprio cunhado. "Sendo pastor de uma igreja em Bento Ribeiro, ele pensou que nunca seria encontrado", disse o delegado, acrescentando que Enilton é suspeito também de ter cometido vários assaltos à residências em Niterói.

Os agentes da polícia vinham investigando as ações do acusado há meses e hoje receberam um telefonema anônimo indicando o paradeiro exato do fugitivo.

Fonte: http://www.policiacivil.rj.gov.br/noticia.asp?id=670

Golpe de pastor empresário pode ultrapassar R$ 2 milhões em Rolim

Rolim de Moura - O golpe praticado pelo empresário Nelson Gonçalves de Souza, pastor da Igreja Assembléia de Deus, e seus familiares, proprietários do Supermercado Lider, na cidade de Rolim de Moura, pode ultrapassar a cifra de R$ 2 milhões de reais, pelo que se levantou junto a alguns escritórios de advocacia que estão ajuizando ações contra o mesmo, além de informações colhidas junto a pessoas que eram mais próximas do empresário. A Delegacia de Polícia Civil local já instaurou o Inquérito Policial de nº 006/2004, para apuração, por determinação do Delegado Acyr Ferreira de Morais.

Na Justiça do Trabalho, os empregados ajuizaram ação trabalhista com pedido de antecipação de tutela, que já foi deferido pelo juiz Ricardo Turesso, determinando o lacre do Supermercado Lider e penhora de todos os equipamentos que se encontram em seu interior, como frizzeres, geladeiras, balcões frigoríficos, câmara fria, computadores, condicionadores de ar, mercadorias, bem como créditos existentes junto a clientes que se encontram cadastrados no supermercado e o valor de R$ 40 mil reais devidos pelo senhor Paulo Ferreira de Andrade, que comprou um lote na RO 010 de Nelson Gonçalves de Souza, proprietário do mercado.

Nelson Gonçalves de Souza, que continua em local ignorado, diversificou na prática de seus golpes. Aliciou funcionários para abrir contas bancárias e empresas que ele as utilizasse com procurações, vendeu imóveis a mais de um comprador, pegou milhares de reais de agiotas na cidade e até de irmãos de sua igreja. Não escapou nem mesmo os sitiantes da região, que forneciam porcos, melancias, verduras, frutas e outros produtos.

http://www.guiaro.com/noticias/ler.asp?ID=9631&PgNo=&GID=9631

Voltar
1