BDSM - Um Estilo de Vida - DOMéstico - A Dominação Feminina pela História
 

A Dominação Feminina pela História

A Pré-história: o Matriarcado

Na pré-história, onde as tribos de nossos antepassados sempre eram organizadas tendo como líder uma mulher, e onde os homens eram normalmente subordinados às mulheres, o sexo feminino era agraciado como dominantes naqueles tempos. A supremacia feminina reside na adoração e idolatria da capacidade feminina de fertilidade e de assegurar a procriação das espécies por meio de bem sucedidas pregnacies, razão pela qual as mulheres em geral receberiam comidas, atenções e cuidados por parte de todos os homens das tribos. Diferente hoje em que se esconde a menstruação por meio de tampões, absorventes ou toalhas higiênicas, as mulheres menstruadas mostravam com orgulho aos homens da tribo o lugar onde elas depositaram o sangue menstrual como forma de que eles verificassem sua fertilidade e para manter eles na posição de subordinados mostrando que eles dependiam daquela espécie.
Os homens quando sabiam que sua "esposa" estava durante ciclo menstrual e sabiam tolerar com submissão qualquer flutuação de humor, sofrendo por causa das alternantes rejeições e atrações, elas eram respeitadas pelos homens como se fossem comandados por uma deusa.

Duas lendas ?

As Amazonas

Desde o início da nossa história existe a discussão sobre a verdadeira existência, em algum tempo ou lugar, destas famosas tribos de guerreiras que usavam os homens capturados das tribos vizinhas somente para procriar e executar trabalhos forçados . Eles eram eliminados uma vez que terminavam de cumprir suas obrigações impostas. Eles devam e ou matavam as crianças do sexo masculino, pois só era permitido como membros de seus clãs mulheres concebidas por membros da tribo.
Esculturas, murais gregos e do oriente mostram estas mulheres em lutas contra legiões de homens montadas em magníficos cavalos enquanto atiravam com arco e flecha ou lutavam corpo a corpo com seus inimigos com espadas e lanças. O grande dilema que resta saber é até que ponto se divide a mitologia e a realidade nessas representações artísticas notáveis.

Ela deve ser obedecida

Em torno do famoso livro, que mais tarde foi levado várias vezes para o cinema, "Ela deve ser obedecida" é aberta outra fonte de polêmica que apenas recentemente pareceu ser somente um mito. Recentes investigações parecem indicar o lugar onde verdadeiramente reinou a tirana Ayesha, interpretado por Ursula Andress no cinema, faz mais de dois mil anos, e que seria localizado na atual República do Iêmen.Esta mulher de beleza sem par e pele muito branca, cercada inicialmente de pouco mais de umas dúzias de homens deslumbrados por sua atratividade e magnetismo. Em pouco tempo ela teve vários em seu clã, milhares de “escravos” que construíram algumas instalações magníficas de pedra no meio do deserto onde reinou em um modo dominante até a sua morte.
Para ser transportada, era usado um beliche com cem escravos, crucificava seus amantes quando ficava chateada com eles e olhava excitada para eles das janelas de seus quartos enquanto eles morriam no meio de súplicas de piedade. Segura que o medo era a única coisa que assegurava seu reinado fazia execuções diariamente, sendo jogados no fundo de um fosso em chamas todos aqueles que caprichosamente eram escolhidos por ela.  

Aristóteles e Phyllis


Figura 1

Aristóteles que era um defensor feroz da superioridade masculina, quando ele falava em público e como está imortalizado em seus tratados filosóficos, onde assegurou que a mulher era semelhante a um símbolo da passividade, debilidade e de não inteligência. Mas na vida privada e até em seu jardim, exposto a olhares dos curiosos, submeteu-se a sua Mistress que o transformou em um cavalo-homem, colocando rédeas e montando até que o filósofo ficava exausto pelas cavalgadas que sua amante o sujeitava. De fato ele foi o primeiro cavalo-homem (inveja que muitos de nós submissos sentimos), domesticado e usado por uma mulher, Phyllis (inveja que muita dominadoras sentem), que registra a história. Isto foi era ilustrado por um famoso e brilhante retrato pintado por Hans Baldung Grien (1484/85-1545) no ano 1513. Esse retrato é mostrado no inicio desse texto.


Figura 2

A interpretação dada por críticos de arte da Escola de Arte de Paris, diz que esta pintura simboliza o poder da mulher, que aqui humilha em seu grau supremo, com "desumanização" e sujeitando o filósofo no maior nível de submissão e servilidade quando o monta em suas costas e dirigindo com que rédeas, da mesma maneira que uma Amazona hábil faria isto com um cavalo (outro símbolo da masculinidade).
De acordo com o livro "A Arte da Dominação" onde o retrato aparece como segundo gráfico (coloridos entre os anos de 1475-90) aquele espetáculo é mostrado em sua famosa série de pinturas do "Poder das Mulheres", o filósofo explicaria para seus vizinhos que permitia ser selado e montado até a exaustão por sua amante para proteger, alertar e ensinar Alexandre, proteger sobre os perigos do amor que levou ele a cair como presa da linda amazonas Phyllis". Essas pinturas mostram o poder de sedução e as armadilhas que uma mulher podia colocar para transformar o homem em seu escravo de acordo com as novas formas de relacionamentos homem-mulher durante o renascimento e o flerte no início naquele tempo.

Salomé, Dalila e Judite

Ser três exemplos bíblico muito conhecidos, nós nos limitamos a quase não mencionar eles. Salomé pela rejeição de João, usa seu poder da sedução feminina para deslumbrar Herodes e conseguir com que a cabeça de João fosse servida em uma bandeja de prata. Dalila corta o cabelo de Sansão (muitos estudiosos perguntaram-se se de fato Dalila não cortou outra coisa de Sansão, eles dizem que a Bíblia recorre bastante a múltiplas metáforas e isto é usado neste texto) para que este perde-se sua força e se rendesse a seus inimigos. Outro exemplo ilustrativo do poder feminino de sedução sobre o tipo "dono da razão e do temperamento".
Para Judite é notável a quantidade de pinturas fetichistas de pés que pintaram a cabeça cortada de Holofernes debaixo do pé delicado e muito feminino de Judith que também parece levantando sua espada e a faz para brilhar como uma caçadora em postura vitoriosa próximo a sua presa inerte.
Recomendação para se ler : Salomé, de Oscar Wilde.

Cleópatra

Muito bem conhecidos por toda nós a história de Cleópatra, talvez a mulher que melhor encarnou o poder da sedução usada para manter e acumular poder.
Não vou descrever toda a história aqui, só uma pequena história que é mencionado por poucos mas confiáveis estudiosos que a rainha expulsava os escravos e eunucos de seus banheiros para permitir a Julio César que pudesse cumprir as tarefas que normalmente eram deles : dar banho, secar, fazer massagem, depilar, pentear e a vestir, servindo como pajem e até o que eles mencionam como prática do "equus eroticus" como uma das favoritas diversões deste amantes históricos. Então, além do caso já visto de Aristóteles nós temos o segundo de caso na história do erótico jogo que nós chamamos ponyboy ou homem-cavalo, mas que de fato é denominado "equus eroticus".

As Mulheres Guerreiras Tchecas

A Guerra das Mulheres aconteceu onde hoje é a República Tcheca aproximadamente no ano 1200 D.C. A rebelião das mulheres foi organizada por Vlasta no castelo de Devin.

Os homens fortificaram-se por sua vez no castelo de Vysehrad e entre zombarias e risadas eles observavam as preparações daquelas mulheres para a batalha.

O batalha não durou muito. Trezentos homens mortos e duzentos tomados como prisioneiros. O resto escapou. Vlasta estendeu suas conquistas para várias terras da vizinhança do que hoje é conhecido como região de Bohemian (boêmio ???? será que o nome vem daqui ?).

Elas promulgaram leis que proibiram que aqueles homens montassem cavalos e levassem armas. Todos eram considerados escravos e estavam sujeitos às mais variadas formas de açoites e torturas se recusassem a trabalhar como escravos a serviço do exército de mulheres.

Mas o que definitivamente fez com que os homens ainda resistissem a sujeição foi a tortura pública que Sarka e Vlasta impuseram a Ctirad que ainda estava como um correspondente dos homens rebeldes para um diálogo e acordo. Os rebeldes tinham permissão de observar (de onde hoje é a igreja St.Matej) cada detalhe do castigo a uma distância sábia permitido pelas guerreiras.

Elas o amarraram e jogaram para ser castigado pelas mulheres infiéis. Elas bateram com varas e paus até transformar ele em uma grande pedaço de carne amontoado. Então Sarka amarrou a ponta de uma corda em seu cavalo e a outra ponta nos testículos do prisioneiro. Foi levado e exposto dessa forma para o delírio das mulheres que batiam e se divertiam com isso. Quando retornaram a entrada do castelo elas o sujeitaram a todo tipo de torturas e Sarka o castrou com sua faca, mas com cuidando para que ele não sangrasse. Elas retiraram seus olhos e cortaram seus mamilos. Então o chicotearam novamente enquanto seus gritos eram escutados por todo castelo. Então, um grupo de rebeldes foi convidado para entrar no castelo em que foi dado garantia toda a sua segurança.

O homem agonizante foi colocado em um buraco, onde o mulheres urinaram e defecaram até que o homem morreu. Os rebeldes convidados eram remanescente livres e quando encontraram com o resto de seu parceiros sentiram todo o terror. Eles aceitaram se render e sofrer a escravidão para o serviço das mulheres.

Vários anos se passaram sob este domínio feminino absoluto até que finalmente outros países e terras vizinha deste Reino de mulheres invadiram e conquistaram, depois de que a ordem patriarcal foi restabelecida.

Da Idade Média até o Renascimento

A falta da liberdade intelectual para apreciar fantasias e praticar livremente o sexo foi executado pela igreja não só reprimindo os prazeres físicos da carne mas também do pensamento do pecador. Aparece a figura do "sucubus" que é uma versão primitiva da vamp ou da femme fatale que se acasalava com aqueles homens enquanto estes dormiam, capturando suas almas para o diabo (não dou essa sorte).

Várias mulheres eram ostentadas e eles fizeram aparecer a história que elas teriam a capacidade de se transformarem, durante a noite, num destes seres ou mesmo em bruxas. O que era somente uma engenhosa variante que explorava o medo do poder de sedução feminina que sempre perturbou o homem, sendo mostrado em diferentes reações. Uma das reações mais fortes foi a da criação das instituições "mysoginist" como a Inquisição para queimar até os desejos mais extremos de muitos homens que caíram nas armadilhas daquelas mulheres que os usavam, escravizavam, e exploravam. enquanto eles permaneciam adoradores hipnotizados o que era temeroso mas ao mesmo tempo ficavam extremamente excitados com os poderes destas mulheres. Eles recebiam muitos casos onde o medo e o desejo de transferirem até suas propriedades e se colocarem como servos sob o controle de bruxas e sucubus deslumbrantes, que não era outra coisa se não algumas caloteira jovens sedutoras que freqüentemente eram dirigidas por uma mulher mas velha que aprendeu com perfeição como funciona a mente masculina, os seus medos e seus desejos, o que elas usaram para seu próprio lucro.

A igreja teve um extremo cuidado que não caçar sucubus e bruxas entre as senhoras da nobreza e o realeza. No ano 1030 a rainha Constanza convenceu a igreja que seus pecados devido a sua luxúria e promiscuidade podiam ser pagos se fosse pessoalmente castigada com rigor pelos "maniqueos de Orleans". A esse respeito O Chatre escreveu, "...aquela luxuriante jovem sádica de tão linda, não satisfeita em ter sido mostrada como juíza implacável, também quis executar pessoalmente o papel do executor, ela obrigou os padres a assegurar para o resto de seu tribunal que os mais excessivos castigos que ela se aplicou seriam compensados em sua maioria na frente de Deus, seus próprios pecados e seus crimes acalmam sua luxúria insaciável. Com suas próprias mãos explodiu os olhos de várias jovens italianas convertidas nas doutrinas de Manés. Com pinças em chamas torturou seus tóraxes, estômagos e sexos até mutilando-os. Tomando o cuidado de não matar suas vítimas por causa de tanta tortura, ordenava que fossem levados dali, aqueles corpos em chamas. Enquanto ela olhava as contorções e gritos das suas vítimas ela entrou em transe de erótico que a levou ao êxtase".

Uma jovem, filha de uma nobre e rica família, chateada e cansada das aulas de música de seu professor jovem e bonito, convenceu sua mãe de apresentar um processo judicial contra ele por violação que aparece nos registros judiciais do século de XVI, de Sebastien Rouillard. Depois de ganhar o processo, a mãe e filha usaram de seu poder e influências para conseguir com que o juiz desse para elas a possibilidade de escolher o tipo castigo que o músico sofreria. As sádicas senhoras ávidas por emoções decidiram a seguinte sentença : "O demandante solicita que o acusado para seja declarado culpado e admita o crime de seqüestro e violação mencionada no processo ...e que para corrigir isto, seja condenado a fazer uma confissão pública em frente da porta principal da catedral de Nantes, com a cabeça descoberta, e a camisa aberta. Com uma corda no pescoço e uma marca de duas libras de peso em cada mão. Uma vez lá, ele dirá que abusou da filha da demandante com deslealdade e falsas promessas matrimoniais tentando contra sua honra. De que sente muito, implorando para elas o perdão, sente muito e declara que como mulher de bem e de honra beija-lhe os pés por sua benevolência".

Depois do humilhante e divertido show que era um elogio, da mesma maneira que elas demandaram em sua sentença, elas decidiram que o método de execução seria a morte na roda. Durante os dias em que o pobre homem estava em agonia de morte, estas senhoras passavam horas com seus amigos escutando e se divertindo, excitadas com os gritos de dor do infeliz, quando seu corpo partiu rasgado, os ossos das pernas e dos braços foram quebrados a pedido da divertida e excitada jovem. Naquele tempo era freqüente que as senhoras, reunidas em execuções, torturas e humilhações públicas, alcançavam tal grau de excitação sexual que muitas vezes ordenavam que seus empregados se ajoelhassem por debaixo de suas longas saias e que eles a estimulassem até que chegassem ao orgasmo" (Histoire de Chew).

Na maior parte dos bordéis de luxo dessa época existia disciplinas com pele de porco, chicotes, varas de equitação, toalhas molhadas e galhos de urtiga dedicados em sua maior parte para a clientela nobre e burguesa onde eles eram empregados e escravos das mulheres pelo menos por um momento. Elas não eram rejeitadas pelas senhoras de sociedade por serem prostitutas, mas por suas origens plebéias. Muitas prostitutas conseguiam "capturar" seus clientes que além de escravos sexuais eles também eram seus amantes e protetores comprando propriedades e jóias para suas, agora reais, donas e senhoras" (Prostituée).

Uma prostituta apresenta uma panóplia de instrumentos encantadores para o pobre cliente que não ousaria demandar prazeres que considera perverso e proibido. Ela abre um armário onde estão alinhados dúzias de chicotes de couro e chicotes de montaria. Você já esta mais tranqüilo -continua a menina -. Como você pode ver, você não é o único que quer se tornar meu empregado. O dono do banco, rico e poderoso ...muito... é porém um de meus escravos mais fiel e dócil" (a miséria do homem).

Nos tempos do marquês (de Sade), tanto a corte como a cidade praticava o chicotear.

Um fato curioso : na corte quem praticava o uso do chicote eram os homens. Existiam escolas de açoitamentos onde as nobres senhoras se encontravam para treinar no uso do chicote e do chicote de montaria. Não existia nem um bordel que não tivesse chicotes. Madame Dodo especializou-se no ensino em casa das técnicas do uso do chicote para as divertidas e perversas, mas esposas de nobres" (Tableaux dá a Moeurs du Temporários).

O cavalo de Berkley deve seu nome a uma famosa "Madame" que inventou isto como uma forma para que suas meninas pudessem torturar de um modo mais realista e mais sofisticado seus clientes.

Em "Nana", Emile Zola é inspirado pela história verdadeira contada por Muffat e de uma sádica e linda prostituta que o escravizou de por toda sua vida. ... mais subjugado todo dia, suportava com devoção absoluta os piores desejos da rameira. Os inocentes jogos iniciais logo ela transformou em jogos de grande luxúria em que ele era ordenando a ficar de quatro e grunhir e latir como um cachorro. Um dia enquanto estava "montando", ela levantou e deu nele um empurrão tão forte que bateu forte com uma peça da mobília. Ela ria antes de cada nova humilhação que ele era sujeitado. Costumava jogar um lenço perfumado num canto do quarto e ele devia correr pegar com os dentes, rastejando nas mãos e joelhos. Ele adorava o prazer e a liberação de ser um animal sujeito todos os caprichos da sua Mistress".

Michelet escreve : "o pobre Eduardo II que teve o infortúnio de se casar com uma mulher dominante, ambiciosa e sádica, que não parou de freqüentar a companhia de lindos rapazes, que eram empalados vivos a pedido de sua esposa que dirigia pessoalmente todos os passos da tortura enquanto era estimulada por vários amantes que a beijavam e a adoravam na frente de seu suplicante marido. Como ele se recusou a cometer suicídio, ela ordenou que seus amantes o perfurasse com um chifre incandescente, eles o barbearam com a água fria e então o coroaram com feno. Resistente a morrer, o prazer dela aumentou e então ela ordenou que eles o lançasse pesadamente contra a porta, então ela parou e se rendeu a licenciosidade de seus amantes. Finalmente quando ela estava cansada de ter orgasmos, ordenou que o empalasse outra vez com um ferro para apreciar seus últimos uivos até finalmente ele morreu."

Catarina de Medicis

O sadismo de Catarina de Medicis era mostrado como um grande prazer de erótico, principalmente quando organizava e convidava para festas de açoitando nas prisões onde mantinha seus prisioneiros, empregados e amantes caídos em infortúnio, em companhia de senhoras da poderosa burguesia e outras da nobreza. Elas ficavam excitada chegam até a fazer grande orgias lésbicas depois de esfolar e chicotear os cativos.

Outro prazer que esta linda senhora costumava se dar era para fazer com que os mais valorosos e belos jovens formassem batalhões, que eram depois de inspeções intimidadoras e chicoteados com um chicote de equitação até que eles derramassem lágrimas e súplicas. Então ela adotava uma postura materna e de uma forma irônico e escolhia aqueles com que ela seria satisfeita.

Pesa sobre esta rainha a acusação de ter ordenado o massacre dos "Huguenot" no que é chamado "Noite de San Bartolome" e de ter ordenado, testemunhado e executado pessoalmente as torturas e mortes mais cruéis contra este grupo protestante.

Hoodlum de Varenne, escreve : " ...bêbedos de vinho e sensualidade, as namoradas de Catarina e seus executores dançaram nos corpos mutilados e até vivos, marcando o compasso nas partes cuja nudez era mais aparente, pênis e testículos cortados daqueles infelizes."

Jean-Jacques Rousseau

Este personagem principal e famoso da Revolução francesa, em seu livro chamado "Confissões" fala em alto e bom som dos prazeres que homens perfeitamente constituído em caráter e mente, e os amantes ferventes das mulheres que experimentavam ser chicoteados por elas.

Escreveu... como Mademoiselle Lambercier experimentava em nós o afeto de uma mãe, também gostava de exercitar sua autoridade, ocasiões em que ela apreciava quando nos castigava. Durante muito tempo estava determinada a nos ameaçar, e cada ameaça de um novo castigo, um começo era terrível para mim. Porém quando o castigo se materializava, eu o achava menos terrível do que tinha imaginado. E a coisa mais curiosa é que com cada castigo minha adoração a ela crescia por ela impor isto para mim. Na dor e até na vergonha da humilhação, eu encontrei um tanto quanto a sensualidade que gerava em mim mais desejos que medo pela experiência de novamente outro castigo.

Leopold Sacher-Masoch e Wanda de Sacher-Masoch

É muito grande o volume de informações sobre esses dois, tanto que o seu nome é que deu origem a famosa "perversão sexual" chamada masoquismo. Como é muito fácil obter o seu livro "A Vênus em Peles" e outros mais onde ele relaciona suas experiências como escravo do sua amante Wanda, vou limitar a somente mencionar isto. Seus livros sempre enfocaram os prazeres eróticos derivados da dominação feminina, onde a mulher é a dona e o homem seu escravo, eles foram best-sellers durante os anos quando foram lançados. A partir destas publicações a prática da dominação feminina começa a ser conhecida e identificada como fenômeno dentro da sexualidade humana, e em sua época, não existia nenhuma senhora, corte ou prostituta que não praticava o jogo com seus amantes sem grandes preconceitos. Por outro lado começando com Freud e Krafft-Ebing até bem perto dos anos sessenta, todos começaram a falar do assunto como perversão, noção, que por sorte, hoje já negada de maneira bem direta pela ciência psiquiátrica, embora deteriorado, ainda subsiste em muitas as pessoas a velha classificação de perversão e "anormalidade" para todos aqueles que querem ou eles que praticam.

Catarina a Grande

Esta imperatriz russa, de origem alemã, era mesmo fã da prática de podolatria (adoração de pés), considerado por seus favoritos e por toda a sua corte principalmente por todas as senhoras da corte. Ela ficava excitada quando era beijada e lambida nos pés, de onde obviamente o amante ocasional partia com os estímulos orais até chegando em sua virilha.

Ela adorava humilhar e sujeitar a seus caprichos os melhores membros de seu exército de guardas, e para aqueles que ela chicoteou para ficar excitada (e excitar eles também) como um jogo prévio para o relacionamento sexual.

Como tantas outras rainhas e senhoras do poder daqueles tempos usavam boa parte do seu tempo indo até as prisões de seus castelos para ficarem excitadas vendo as torturas de seus inimigos e castigos dos amantes infiéis e outros prisioneiros. Ela adorava estar presente nas execuções onde demorava a dar a ordem para o executor enquanto contemplava e escutava com prazer o criminoso com o rosto suplicante que procurava um perdão no último momento.

Mistresses na Guerra civil dos EUA

Durante a Guerra civil norte-americana, nos estados pró-escravidão do sul onde ódio e o abuso para com os negros chegavam a níveis absurdos. Nisto então muitas senhoras do sul que eram donas, Mistresses, de homens escravos, elas praticaram uma infinidade de torturas neles.

Krafft-Ebing

Ele foi o primeiro a fazer uma enciclopédia no final do século de XIX chamado "Aberrações Sexuais". Em um dos capítulos do livro aparece um relado de um paciente qualificado por ele como com propensões sádicas. Esta mulher relata, "...com um excelente jogo de sedução eu faço com que eles se aproximem de mim, às vezes talvez eu aceito um encontro ou jantar com eles. Concordou em um encontro mais tarde em minha casa, então, eu me levanto e digo um adeus friamente, como quem manda embora um cachorro.
Todos vem a mim. Assim que eu abro a porta ordeno para que eles se deitem no chão, na minha frente. Eu pego um chicote e ordeno que eles fiquem nus enquanto eu os chicoteio com todas as minhas forças. Alguns chegam a tal êxtase que beijam meus sapatos sendo uma mistura de dor e prazer. Invariavelmente chega o momento, naquele mistura com uma excitação inrestringível, que eles solicitam me possuir. E para nenhum deles eu permito pelo menos me tocar. Se eles se tornarem muito insistentes, eu ameaço denunciar-lhes ou gritar. Então eles mudam suas tática e se ajoelham e me imploram. É então quando eu sinto um calor que me invade e chego até ao orgasmo. Então recobro o chicote e bato neles como cachorros. Quando eu os encontro na rua novamente, com freqüência com pedidos de me ver novamente, eu normalmente esbofeteio-os e em alguns caso eu permito novas visitas. Em muitas cidades da Europa eu possuo legiões de escravos que trato como cachorros e o até tratamentos piores. A paixão que eu desperto neles talvez, mantêm a esperança de algum dia obter de mim outros favores além daqueles que eu ofereço, a minha qualificada arte no uso do chicote e do desprezo."

Ilsa (Ilse) Koch

No campo de concentração de Dachau, foi construído uma galeria para permitir que as amantes dos homens da SS e seus amigos íntimos pudessem contemplar os moribundos, cheios de vermes e hostilizados pelos cachorros. Ela brilhou na frente de seus amigos por sua arte no manejo do um chicote longo e no chicotear de prisioneiros que eram chicoteados com um cinto em seus genitais.
Uma das passagens preferidas por essa mulher poderosa era a que aparece em Juliette, "...que quando essas mulheres se acostumaram a ficar excitadas exercitando sua crueldade nos homens, devido uma delicadeza extrema de suas fibras e a sensibilidade prodigiosa de seus órgãos elas fizeram o seu sadismo com muito mais crueldade do que poderia fazer o mais cruel dos homens". E este também, "...o seqüestro da liberdade dos homens para mim é um bom momento, eu gosto de manter meus vítimas machos em cativeiro porque eu sei que eles sofrem e que aquela idéia pérfida me inflama e excita, pareceria imensamente feliz em manter muitos homens naquele estado cruel".

Construiu uma arena de equitação verdadeira com homens-cavalo que ela e suas amigas montavam, mas fora a formação de estábulos e estábulos autênticos porém, os homens-cavalos eram usados como bestas por Ilsa fazer as funções dos cavalos de tiro para as carruagens ou eram montados em seus ombros ou na região lombar. Esta humilhação e tortura era completada com a colocação de bocados e freios na boca e cabeça do homem-cavalo como também o uso dos chicotes de equitação e das esporas. Também era colocado, em seus "pôneis", um cinto de castidade para o controle dos orgasmos e da ejaculação desta "bestas" prevenindo que eles se masturbassem ou de ter relacionamentos com os outros prisioneiros. Isto era para aumentar a dependência psicológica e o grau de servilidade, humilhação e dor suportável de seus homens-cavalo. Hoje este método, claro que com o consentimento mútuo e dentro de um jogo erótico é conhecido como negação de orgasmo e é um mecanismo muito eficiente de controle da mulher sobre escravo.

Veja o filme, "Ilsa - A Tigresa da Sibéria", baseados nestes eventos históricos e em seu personagem principal.

Caso Profumo

A figura é da história do Bispo George, publicado em maio de 1965. Com o título "Os amantes do chicote" em insinuação para o escândalo de Profumo-Keeler.

Foi um evento que aconteceu quando o governo britânico estava desestabilizado. Figuras importantes do governo foram acusados de se relacionarem com as dominatrizes Keeler e Ruffle-Davies que por sua vez estavam envolvidas com espiões do governo soviético em Londres.
O gráfico diz, ...em orgias selvagens de chicotadas, o aristocrata britânico, se ajoelha na frente de Christine Keeler enquanto Mandy Ruffle-Davies vestida de meia-calças de lycra, suporte para pênis, botas, sapatos stiletos, com chicotes e montando e açoitando seu corpo nu."

A Dominação Feminina na Atualidade

Hoje o assunto Dominação Feminina está presente na moda, no cinema e na vida cotidiana. Vários casais praticam este jogo erótico em sua intimidade.
A importância dos equipamento costuma ser, lingeries, acessórios de couro, botas, stiletos de metal ou luvas prateadas, douradas, longas aveludadas, tops de couro, chicotes, chicotes de montaria mostram a erotização da figura da mulher poderosa e dominante.

Existem as Dominatrizes profissionais, diferenciadas do exercício da prostituição por serem muito mais lucrativos, claro, e mais confortável para a mulher (sem penetração salvo a pedido da própria Dominatrix). O poder ganho por estas jovens Dominatrizes nas últimas décadas é muito claro quando se olha a procura por esse serviços, principalmente no exterior.
Finalmente nós destacamos o fenômeno que até hoje agita o Brasil e que é protagonizado por Suzana Alves, A TIAZINHA que com 20 anos, uma máscara brilhante, um chicote de equitação concorda em fazer o papel de uma Dominatrix, e tirou da Xuxa das preferências de adultos e de adolescentes por um bom tempo.
Uma grande diferença nos dias de hoje é, que se tem como premissa, que a Dominação Feminina é um jogo de erótico feito para estimular os seus participantes a despertar o desejo sexual e que é feito sob o consentimento mútuo daqueles que você consente e com respeito mútuo. Não é incompatível com o carinho, com o amor nem mesmo com os relacionamentos homem-mulher exatamente iguais a qualquer outro que não aprecia essa prática, os ditos casais baunilhas. Finalmente, uma coisa que é consensual até mesmo para o psiquiatra mais sério e mais profissional, é o seguinte : É UMA MERA VARIANTE PARA SE ALCANÇAR A EXCITAÇÃO DENTRO DOS VÁRIOS JOGOS ERÓTICOS QUE PODEM PRATICAR CASAIS ADULTOS E NÃO É ABERRAÇÃO DE FORMA ALGUMA SOFRER "UMA PERVERSÃO" NEM PARA O HOMEM NEM PARA A MULHER QUE APRECIAM ISTO.

 

1