<%@ Language=VBScript %> Experiência - remédios caseiros

 

 

luta pela reabilitação

 

TRATAMENTO ALTERNATIVO

Remédios caseiros funcionam

 

 

Se o natural resolve, por que ir ao químico?

         

            De labirintite muita gente sofre. O autor, antes de ter um AVC,  já se queixava desse tipo de tontura. Depois do acidente, o mal se agravou com crises mais freqüentes e graves, seguidas de náuseas e vômitos. Era horrível, dizia. Dava a impressão de que ia morrer e não morria. Esse era o drama que podia se repetir, concluía. Por conta disso, três vezes teve de ser hospitalizado, indo à dieta zero e ao soro em cerca de uma semana de internamento. Na última crise, há uns cinco anos, já em casa, a reação colateral do medicamento foi pior que a doença. 

 

Chá contra labirintinte

 

            Foi aí que ele se lembrou de um chá que haviam lhe ensinado para o caso. Viera de Fortaleza/CE a receita. Contavam-se milagres da bebida. Uma xícara dela trouxe-lhe a paz que buscava. De lá para cá, faz isso todas as noites antes de dormir. Atua também como ótimo calmante para repousar melhor.

            Nunca mais sentiu tontura, graças a Deus e ao chá, diz ele. Além disso, ainda se livrou de um remédio químico. Não deixa de tomar o chá nem de fazer a dieta indicada. Sente-se tão bem nesse particular, que tem vontade de sair da dieta, mas o medo de uma recaída o faz desistir da idéia.  Mas, às vezes, sai um pouco, sem nada sentir. Pelo menos, voltou a tomar café moderadamente, sem nada sentir. Acreditem! Afinal, que chá é esse?  Eis sua receita, para crentes e descrentes:

 

  • Uma colher de chá de erva-doce

  • Uma colher de chá de alecrim

  • Três cravos da Índia, sem cabeça

 

           Quando deixa, por qualquer motivo, de tomar o chá por uns três dias ou mais, começa a sentir leves tonturas. Volta logo à bebida e tudo some. O controle do mal exige, pois, além de certa dieta, chá todo dia. Tome chá!

            Uma vez, à procura de alecrim para o referido chá num supermercado,  deu de cara com uma senhora de Serra Talhada/PE (a 600 km do Recife) no mesmo caminho dele e com a mesma receita, exceto os três cravos da Índia. A coincidência levou-o a reforçar a crença de que o remédio é bom mesmo. Os três cravos devem funcionar mais como efeito aromatizante, opinião da desconhecida;

 

Café contra derrame

 

            Há uns seis meses, o autor vem tomando o café ou chá sete-ervas contra seqüelas de derrame. Contam maravilhas dessa bebida. Dizem que ela é capaz de devolver ao sequelado condições de normalidade. De melhoria efetiva, ele vem notando apenas que as dores musculares sumiram na prática (o que já é muito), embora pessoas que o têm visto, ultimamente, em períodos espaçados, venham observando progresso em sua locomoção. Só se é porque o processo de cura, sendo muito lento, não dá para o autor perceber. Claro que ele vai insistir nesse remédio caseiro em que tem muita fé. 

 

Chá laxativo

            

             Prisão de ventre violenta o atacava. Oito a dez dias sem evacuar. Horas perdidas no banheiro. Muitos incômodos. Exames, laxantes e dieta não resolviam. Outro chá, de sene, planta de eficiente efeito purgativo, resolveu logo o problema.  Não é necessário tomá-lo todos os dias. A freqüência e a quantidade da bebida, parece, dependem de cada caso.

 

Pata-de-vaca X diabetes

            Diabético não dependente, controlava a doença com dieta e meio antidiabético oral por dia. Sem que alterasse seu ritmo de vida, o nível de glicose aumentou e teve de ingerir um comprimido por dia. 

            Começou a tomar um produto natural baseado na planta pata-de-vaca. Pôde voltar à dosagem anterior de meio comprimido por dia, e a glicose nunca esteve em níveis tão normais. 

 

Alho

 

            Gripava com freqüência. Dizia até que não estava, mas era gripado. A coriza não o deixava. De uns quatro anos para cá, com outro fim, passou a comer todo dia um dente de alho cru misturado à comida.   O nariz ficou seco. De lá para cá não mais teve gripe, exceto em janeiro/2002 e outubro/2002.. No final de julho/2003, ela o alcançou, mas, tratado com alho e outros remédios caseiros,  em uma semana foi embora. É uma boa medida para quem jamais tomou vacinas contra a doença, apesar de ter 67 anos. Nem vai tomar, espera, se Deus quiser -- diz. A gripe chega à casa dele, em geral, pega todos e quer pegá-lo, mas recua como quem encontra um escudo protetor. É o que conta, aliviado. (12/03/04).

 

Erva-cidreira

 

            Gripado em outubro/02, remédios caseiros o curaram em menos de uma semana. Satisfeito, abusou de sorvete, embora ela não estivesse de todo curada. A gripe, então, voltou com todo o gás. Teve de ir a antibiótico para tentar tirar o catarro contido. O remédio não tirou tudo. Aí veio uma tosse noturna, braba e persistente. Passou noites sem dormir, sentado para tossir menos. Teve medo de recorrer a novas drogas ante a possibilidade de intoxicação, pois  já ingeria  muitas. Já no fim de outubro tomou novo chá, de erva-cidreira, feito das folhas tiradas diretamente da planta. Foi o que lhe indicaram para combater o mal. Pois não é que, em poucos dias, para a felicidade sua e silêncio noturno em sua casa, a tosse sumiu mesmo e ele voltou a dormir! 

 

Conclusões

 

           Pode-se dizer que remédios caseiros não merecem fé porque sua eficácia não foi testada cientificamente. Mas não há os que, embora tendo passado por testes científicos, causam efeitos colaterais mais danosos que a doença e, às vezes, até matam?

           Contados os casos descritos a médicos, dizem eles que para algumas dessas coisas a ciência já reconheceu seu efeito terapêutico real, e laboratórios já fazem remédios com base em suas substâncias. Se é assim, por que não costumam receitar o natural mesmo, cuja eficácia já foi testada na prática, ou então  o produto natural nele baseado? Seria mais natural. 


Derrame -  O autor sofreu um AVC  em outubro de 1993, ficando com dificuldade de locomoção. Depois de dois anos de acidente desse tipo, a Medicina, em geral, reconhece a sequela, acaso existente, como marca invencível do mal, indicando para o caso apenas a fisioterapia para manter a recuperação obtida e evitar o agravamento da deficiência. 

Sete ervas - girassol, gergelim, mostarda, manjerioba, nhandiroba, coentro e cardo

 

visitas - estatísticas atualizadas desta página (clique ao lado):   See who's visiting this page.

 

Voltar ao início da página

Revisada em 12/06/2004

1