testes
TESTES



 
 
 
 
 
 
 
 
7º ANO
8º ANO
9º ANO
10º ANO
11º ANO

 
 
 
 
 
 
 
 

7º ANO

TESTE DE HISTÓRIA
7º ANO

1 -     Cidade – estado

     “ Depois da morte de Egeu, Teseu (...), tal como havia planeado, reuniu os habitantes da Ática em volta de um único centro urbano e fez surgir um povo único de uma cidade um conjunto de populações, até então dispersas(...)".
                                                   Plutarco, Vida de Teseu

    1.1 – Completa o texto:

            A parte mais elevada da cidade – estado chamava-se __________________ e nela ficavam situados ______________________________. Havia ainda a ________________
Local destinado ao comércio, convívio e manifestações cívicas e religiosas.

    1.2 – Refere a forma de organização política dos gregos após a sua formação.

2 – Explica os factores da emigração dos Gregos para outras regiões das margens do Mediterrâneo.
3 – Lê os textos:
    “ O cidadão tem a satisfação de poder contribuir para a resolução dos assuntos públicos como membro da assembleia popular, como juiz ou como membro do governo. Em tempo de guerra, ele pega nas suas armas e torna-se num soldado, para defender os seus familiares, a sua casa e as suas culturas.”
                                                                   Tucídides, História da Guerra do Peloponeso

    “ Nós devemos interessar-nos pelos metecos (estrangeiros) porque eles são a nossa principal fonte de rendimento; na verdade, eles alimentam-se a si próprios, não recebem nenhum salário da cidade e ainda pagam taxa de residência.”
                                                              Xenofonte, Económico
    3.1 – Caracteriza cada um dos grupos sociais referenciados no texto.

4 – Lê os textos seguintes:
Doc. A
     “ A nossa constituição não procura imitar as leis dos nosso vizinhos. Não os imitamos, somos antes um exemplo para eles. O seu nome é Democracia.”
                                         Discurso de Péricles – Séc. V a.C.

  Doc. B
     “ Existem, na espécie humana, seres inferiores aos outros, tal como o animal em relação ao homem. A guerra é um meio legítimo de adquirir escravos. Uma família completa compõe-se de homens livres e de escravos.”
                                              Pseudo-Xenofante, Governo dos Atenienses

    4.1 – Explica o funcionamento da democracia ateniense.
    4.2 – Partindo do Doc. B, justifica a afirmação: “A democracia ateniense era imperfeita”
5 – Os Gregos eram politeístas. Refere as características dos deuses gregos.
6 – Descreve os principais aspectos da educação dos jovens atenienses.
7  - Assinala as afirmações verdadeiras com um V e as falsas com um F

    · A “pólis”, formada pela união de várias tribos, era um importante centro político, religioso e militar, com governo próprio e independente do das cidades vizinhas
    · Todas as colónias gregas conservaram os costumes, a língua e os deuses da metrópole, mas eram politicamente independentes da Grécia.
    · A tirania constituíu um rude golpe para o poder da aristocracia e representou um importante passo para a instauração da democracia.
    · Drácon e Sólon foram tiranos.
    · A democracia em Atenas foi instaurada no séc. V a.C. por Sócrates.


TESTE DE HISTÓRIA

1 – Qual era a situação política na Palestina na altura em que Jesus Cristo nasceu?
2 – Lê os documentos:

DOC. A
     Quando Jesus estava em casa comendo, eis que muitos publicanos e pecadores vieram sentar-se à mesa de Jesus e dos seus discípulos. Vendo isto, os Fariseus diziam aos seus discípulos: “Porque é que o vosso mestre come com os publicanos e os pecadores?” Mas ele, que tinha ouvido, replicou: “ Não são as pessoas sadias que precisam de médico, mas os doentes. Ide aprender o significado desta palavra: É a misericórdia que desejo e não o sacrifício. Com efeito, não vim chamar os justos mas os pecadores.”
                               Evangelho de S. Mateus (IX, 10-18)
DOC. B
     Vós despojastes-vos do homem velho com as suas obras e revestistes-vos do novo, o que caminha para o verdadeiro conhecimento renovando-se à imagem do seu criador. Aqui não há grego, nem judeu, nem circunciso, nem incircunciso, nem bárbaro, nem cita, nem escravo, nem livre; não há senão o Cristo que é tudo o que está em todos.
                               Epístola de S. Paulo aos Colossenses (3, 9-12)

    2.1 – Resume o significado de diálogo transcrito no documento A
    2.2 – Resume o significado da citação de S. Paulo transcrita no documento B.
    2.3 – Com base nos documentos A e B, explica a novidade da mensagem cristã.
    2.4 – Quem eram os cristãos?
    2.5 – Indica como estava dividido as tribos Judaicas.
    2.6 – Como se explica a rápida difusão do cristianismo?
    2.7 – O que era o Tora?
    2.8 – Qual o livro sagrado dos cristãos?
    2.9 – Como reagiram as autoridades romanas face ao cristianismo?
    2.10 – Mostra a importância do Édito de Milão para o cristianismo.

3 – Define os seguintes conceitos:

 Evangelhos________________________________________________________

 Messianismo_______________________________________________________

 Monoteísmo________________________________________________________

 Apóstolos__________________________________________________________

4 – Os imperadores Constantino e Teodósio vão tomar medidas fundamentais para o desenvolvimento e a expansão da religião cristã. Indica essas medidas.

 Constantino____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 Teodósio______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

8º ANO

TESTE DE HISTÓRIA
1 – Lê o seguinte texto:
 “ El-Rei [D. Sebastião] lançou-se a eles [os Mouros] furiosamente, combatendo com desesperada ousadia, até que caiu, morto, o cavalo”
                                    Cit. Por Jerónimo Mendonça

    1.1 – Refere as consequências do acontecimento relatado no documento.

2 – Identifica os três principais candidatos ao trono de Portugal após a morte do cardeal D. Henrique.
3 – Explica as razões que conduziram à União Ibérica.
4 – Assinala com V as afirmações verdadeiras e com F as afirmações falsas

    ¨ Os Holandeses e Ingleses defendiam a teoria do “Mare Clausum”
    ¨ No século XVII, a Companhia Holandesa das Índias Orientais foi a principal fornecedora de produtos asiáticos à Europa.
    ¨ O Acto de Navegação dificultou o desenvolvimento da marinha inglesa
    ¨ O ”Mare Clausum” foi substituido pelo “Mare Liberum”.
    ¨ A partir de 1620, sucederam-se as revoltas populares em Portugal contra o domínio filipino.
    ¨ A restauração da nossa independência deu-se  a 1 de Dezembro de 1620

5 - Assinala com V as afirmações verdadeiras e com F as afirmações falsas

    ¨ A economia do Antigo Regime apoiava-se na indústria
    ¨ A agricultura e os tráficos comerciais tinham uma importância fundamental na economia do Antigo Regime.
    ¨ A agricultura ocupava a maior parte da mão de obra e fornecia matérias primas ao artesanato e ao comércio.
    ¨ A agricultura portuguesa tinha como culturas mais importantes: os cereais, vinha e oliveira.
    ¨ A terra, durante o Antigo Regime, estava na posse daqueles que a trabalhavam.
    ¨ O pousio era a técnica usada para melhorar a produção de culturas.
    ¨ O afolhamento consistia numa outra técnica para melhorar a produção das culturas.
    ¨ No século XVII, o Oceano Índico suplantou o Atlântico como eixo fundamental do comércio externo português.

6 – Corrige as afirmações que consideraste falsas.
7 – Diz o que entendes por mercantilismo.
8 – Lê o texto seguinte:

    “ O único meio que há para (...) impedir que o dinheiro saia do reino é introduzir nele as artes [manufacturas]. As grandes felicidades que se seguirão no reino [as] reduzirei a cinco pontos (...):
    1º A introdução das artes evitará em comum o dano que fazem ao Reino o luxo e as modas;
    2º Tirará a ociosidade do Reino;
    3º Fará [o Reino] mais povoado de gentes e frutos(...);
    5º As rendas reais aumentarão.”
                    Duarte Ribeiro de Macedo, Sobre a introdução das artes.

    8.1 – Explica em que consistiu a politica mercantilista portuguesa.

9 – O que foi o tratado de Methuen e em que consistia.
10 – Lê o seguinte texto:

    “No conjunto da sociedade uns dedicam-se ao serviço de Deus, outros a defender o Estado pelas armas, outros a alimentá-lo e a mantê-lo pelo exercício da paz. São as três ordens ou Estados.”

    10.1 – Faz a caracterização da sociedade portuguesa no Antigo Regime.

11 – Diz quais os reis portugueses que simbolizaram o absolutismo.
12 – Completa a frase:
    O monarca absoluto detinha três poderes do Estado: o ________________, o ______________e o _____________________.

TESTE DE HISTÓRIA
1 – Lê o seguinte texto:
     “ Só uma economia, a britânica, estava efectivamente industrializada em 1848; e, consequentemente, dominava o mundo. É provável que, por alturas de 1840, os Estados Unidos e uma parte da Europa Ocidental e Central tivessem franqueado, ou, pelo menos, estivessem no limiar da Revolução Industrial. Era já mais ou menos certo que os Estados Unidos viriam eventualmente a ser considerados – dentro de vinte anos, pensava Richard Cobden, na década de trinta – um sério concorrente da Grã - --- Bretanha e, por alturas de 1840, os alemães apontavam já para o rápido progresso industrial da nação.”
                              E.J.Hobsbawm, A Era das Revoluções, 1789 – 1848

    1.1 – Qual era a economia mais desenvolvida, em meados do século XIX?
    1.2 – Como exercia a Inglaterra a hegemonia sobre as restantes economias do mundo?
    1.3 – Refere os países que se industrializaram, por volta de meados do séc. XIX.
    1.4 – Quais foram os países industrializados que se tornaram sérios concorrentes da Inglaterra, nos finais do séc. XIX.

2 – Que sectores industriais se desenvolveram com a construção dos caminhos-de--ferro
3 – Que modificações trouxe a introdução do comboio na sociedade?
4 – Relaciona o desenvolvimento da indústria química com os progressos da agricultura e da indústria têxtil.
5 – Explica os motivos que levaram ao crescimento urbano no século XIX.
6 – Relaciona o aparecimento do movimento sindical com a situação dos operários na século XIX.
7 – Escolhe a opção certa.
        Rescreve a frase correctamente.

    ¨ O atraso da agricultura portuguesa no século XIX prende-se, entre outros factores, com os minifúndios do Norte/sul do país.
 

    ¨ A indústria portuguesa exportava/importava maquinaria
 

    ¨ O fontismo promoveu o desenvolvimento da cultura/dos transportes.

7 – Diz o que entendes por fontismo.
8 – Comenta a frase:
            “ A industrialização transformou a vida quotidiana”
 

TESTE DE HISTÓRIA
1 – Lê o texto seguinte:

     “O mau exemplo do clero é responsável pela morte espiritual dos crentes. Os padres afastaram-se de Deus e a sua vida decorre no meio do vício. (...) Arrepende-te e volta atrás, igreja pecadora! (...).”
                                         Savarola, Sermões, séc. XV

    1.1 – Identifica o factor da crise da Igreja expresso no texto.

2 – Refere outros factores que contribuíram para o clima de contestação às autoridades religiosas a partir do século XIV.

3 – Diz qual foi o significado da “Questão das Indulgências”.

4 – Explica as condições que favoreceram a difusão da Reforma protestante.

5 – Refere os instrumentos de que se serviu a Igreja Católica para combater a Reforma protestante.

6 – Lê o texto seguinte:

    “ As sentenças do Tribunal do Santo Ofício eram lidas e executadas em cerimónias mais ou menos públicas que ficaram conhecidas pelo nome de “autos-da-fé”. Havia os “autos-    -da-fé” que se realizavam de portas adentro, no palácio da Inquisição ou num convento (...), e havia os que se realizavam na praça pública (...).
Com o tempo e a experiência o “auto-da-fé” acabou por ser um grande e pomposo espectáculo, a que assistiam as autoriades supremas (...).”
                                       António José Saraiva, Inquisição e Cristãos Novos
    7.1 – Descreve a actividade da Inquisição no séc. XVI.

    7.2 – Identifica a instituição encarregada de elaborar a lista de livros considerados perigosos para a fé católica.

8 – Indica as causas que levaram ao fim do império português no oriente.

9 – Lê a cronologia:

A UNIÃO IBÉRICA
ANOS ACONTECIMENTOS

1556 Filipe II sobe ao trono de Espanha
1578 D. Sebastião morre em Alcácer Quibir
1580 Os exércitos de Filipe II invadem Portugal
1581 Filipe II é jurado rei de Portugal

    9.1 – Identifica os principais candidatos ao trono português após a morte do cardeal D. Henrique.
    9.2 – Explica por que razão a nobreza e a alta burguesia apoiava Filipe II ao trono de Portugal?
    9.3  - Que prometeu Filipe II nas cortes de Tomar?

 

9º ANO

TESTE DE HISTÓRIA
9º ANO
1 – Lê o texto seguinte:

     “Após 1923, as transformações acentuaram-se, com a chamada garçonne ou charleston : a saia subiu até 35 cm acima do solo, chegando a descobrir o joelho; a cintura desceu até às ancas; o cabelo foi cortado curto, à garçonne, pondo a descoberto a nuca; o espartilho clássico desapareceu, em proveito do soutien e de um corpete elástico, adelgaçante; na cabeça, passaram a usar-se chapéus em forma de capacete, enterrados até às sobrancelhas, as chamadas cloches; toda a silhueta passou a longilínea, recta, de ancas estreitas e busto chato, claramente masculinizante. Até para dormir as mulheres começaram a usar pijamas. Os exageros desta moda provocaram, aliás, uma reacção feminina e naturalista, definida a partir de 1929-30, em que a saia desceu, o cabelo cresceu um pouco e a cintura voltou ao normal. (...)

    1.1 – Completa o esquema:

A Nova Mulher do Pós – Guerra


 Vestuário
Cabelo
 Papel na sociedade 
 Papel na família
2 – Lê o texto seguinte:

     O cinema
     "A partir dos primeiros anos do século XX o cinema assenta arrais. Populares e burgueses que não desdenham a novidade correm para as salas de cinema. (...) Portugal começava a ir ao animatógrafo. (...).”

    2.1 – Demonstra o papel do cinema na cultura de massas.

3 – Das afirmações que se seguem, assinala as afirmações correctas.

    · No período entre as duas guerras mundiais, os meios de comunicação social pouco ou nada evoluiram, em especial a rádio, o cinema, a publicidade e a música.

    · O desenvolvimento dos mass media e a sua difusão junto de amplas camadas da população conduziu à emergência da cultura de massas.

    · Para além da rádio e do cinema, também a televisão contribuiu para a emergência da cultura de massas nas décadas de 1920 e 1930.

    · Enquanto que, na música, o jazz constituiu o estilo de maior êxito, no cinema assistiu-se à passagem do filme mudo para o filme sonoro.

4 – Relaciona os elementos da coluna da direita com os da esquerda.
 
A – Autor da teoria da relatividade Lemaire
B – Fundador da mecânica quântica  L.Febre, Fernand Braudel
C – Autor da teoria do “big – bang” Pavlov
D – Filósofos existencialistas J.P. Sartre, M. Heidegger
E – Fundador da psicanálise Einstein
F – Historiadores, fundadores da Hist. Nova  Max Planck
5 – “Nas primeiras décadas do século XX, os cientistas passaram a falar de verdades relativas em vez de certezas absolutas”
        5.1 - Comenta a afirmação

6 – Indica as principais correntes da pintura na primeira metade do século XX.
7 – Relaciona os elementos da coluna da direita com os da esquerda.
 
A – Grande vulto da pintura, fundador do cubismo  Almeida Negreiros
B – Principal representante do surrealismo Salvador Dali
C – Pintor português de transição entre o cubismo e abstraccionismo Le Corbusier
D – Pintor e poeta português, adepto do futurismo  Amadeu de Souza Cardoso
E – Representante da literatura futurista/modernista portuguesa colaborador da revista “Orpheu” Picasso
F – Arquitecto funcionalista  Fernando Pessoa
8 – Identifica as causas da crise de 1929.

9 – Explica como se processou a mundialização da crise.

10 – Comenta a frase:
“ A crise de 1929, porque foi uma crise típica das sociedades capitalistas não afectou os países subdesenvolvidos”.

10º ANO

 PROVA GLOBAL DE HISTÓRIA DO 10º ANO

AGRUPAMENTO: 4

ANTES DE RESPONDERES, LÊ ATENTAMENTE AS PERGUNTAS E OS DOCUMENTOS APRESENTADOS

I

Das duas questões apresentadas, responde apenas a uma.

 Doc. A
     "(...) A Pólis é um agrupamento político, económico e militar que tem um templo para a divindade, uma acrópole para a defesa, uma ágora para as trocas e assembleias e, quase sempre, um porto para as relações com o exterior: eis os elementos vitais da cidade (...)."
                                            G. Glotz, Histoire Grecque, vol. I

1 - Identifica os elementos definidores da Pólis
 

 Doc. B

     “(...)Estabeleceu um novo conselho dos Quinhentos e transformou-o em orgão principal do governo, com poderes para submeter medidas à Assembleia e o controlo supremo das funções executiva e administrativa (...) Clístenes ampliou também a autoridade da assembleia (...). Por fim, julga-se que Clístenes tenha criado a instituição do ostracismo (...)”.
                                   Ed. McNall Burns, História da Civilização Ocidental, Vol. 1
 

2 – Explica a organização e o funcionamento da democracia ateniense no séc. V a.C.

II





Das duas questões apresentadas, responde apenas a uma.

 Doc. A

     "(...) É preciso reconhecer que o apogeu das letras latinas não coincide exactamente com a grande construção política do principado. A expansão começou bem antes (...). Augusto deu o seu apoio a uma arte feita de medida e de sóbria elegância. Em arquitectura, bons exemplos são o templo redondo do fórum Boarium e a Casa Quadrada de Nîmes. Mas a obra mais característica do século de Augusto e talvez a obra prima da arte romana, é a Ara Pacis Augustae (...)".
                             Marcel Bordet, Précis d' Histoire Romaine
1- Explica o carácter funcional e a monumentalidade da arte romana
 

Doc. B

    "(...) De todos os cantos da terra e dos mares afluem [a Roma] os produtos de todas as nações e de todos os países, os dos rios e dos lagos, e tudo que pode produzir a indústria dos Gregos e dos Bárbaros (...). Tantos navios de transporte vêm abordar ao cais do Tibre, que Roma é, de alguma maneira, como que o mercado universal do mundo. Os frutos da Índia e da Arábia (...), os tecidos da Babilónia, as joias da Barbaria mais longínqua chegam a Roma em grande quantidade e com muita facilidade (...)".
                             Público Élio Aristides, retórico grego, Elogio de Roma
 

2 – Caracteriza a economia romana.

III

Das três questões apresentadas, responde apenas a duas.
 

 Doc. A

814 - Morte de Carlos Magno
843 - Partilha de Verdun
870/880 - Repartição da Lotaríngia pela Francia Ocidental e pela Germânia
936 - Fundação do Sacro Império Romano - Germânico
987 - Fundação da dinastia capetíngia

1 - Descreve o quadro político no qual se formou a sociedade senhorial e vassálica. Sumaria algumas transformações económicas e sociais decorrentes desse quadro político.

2 - Caracteriza a sociedade trinitária

3 – Mostra de que modo a instituição de concelhos foi um limite à expansão do senhorialismo no centro e sul do país.

IV

Das duas questões apresentadas, responde apenas a uma.
 

1 – Explique as relações cidade - campo no século XIII

 Doc. A
     “(...) Nós (...) fazemos aqui a septima hidade, na quall se levamtou outro mundo e nova geraçom de gentes, porque filhos d’homees de tam baixa condiçom, que nom compre de dizer, per seu boom serviço e trabalho, neste tempo foram feitos cavalleiros, chamando-se logo de novas linhagees e apellidos (...)”.
                                            Fernão Lopes, Crónica de D. João I

2 – Relaciona a Revolução de 1383 – 1385 com as alterações sociais do final do século XIV.

V

Das duas questões apresentadas, responde apenas a uma.
 

Doc. A

     “A organização dos resgates do rico metal amarelo que afluía à Costa da Mina é sem dúvida, até certo ponto, a condição histórica do aparecimento do capitalismo. Sem o ouro africano (...) o mundo ocidental permaneceria ainda vários anos na sua civilização fechada e agrícola."
                              Manuel Nunes Dias, O Capitalismo Monárquico Português
 

1 – Analisa, a partir do documento, as linhas de força do comércio português na costa ocidental africana.

2 - Comenta o papel económico e social do engenho no Brasil.

11º ANO

PROVA GLOBAL DE HISTÓRIA
11º ANO
I

OS DOCUMENTOS APRESENTADOS SÃO IMPORTANTES PARA A ELABORAÇÃO DAS SUAS RESPOSTAS. LEIA-OS ATENTAMENTE

Das duas questões seguintes, responda apenas a uma.

DOC. A:
    “ A Idade Média era vista como um período de trevas e de barbárie literária; insinuava-se, pois que até à época de Petrarca nunca tinha sido possível o renascimento da Antiguidade. Mas omitiram que ao longo da “noite medieval” a língua latina estivera “viva” (...) como língua da Igreja, da ciência e de diplomacia (...)

O homem dispunha agora da possibilidade de “aperfeiçoar devidamente tudo quanto podia ser moldado ou modificado, sendo apenas necessária a vontade humana para o conseguir, através da energia e engenho inventivo (...).
                               In História Universal, vol. III, Ed. Círculo de Leitores, 1989, p.34

1.1 – Caracterize as transformações estruturais que permitiram o desenvolvimento do impulso activo e criador do Homem renascentista.

DOC. B:
    “(...) É preciso ensinar os cristãos que se o Papa conhecesse as exacções dos pregadores de indulgências, ele preferia que a basílica de S. Pedro se reduzisse a cinzas e vê-la edificada com a pele, a carne e os ossos de suas ovelhas.

Por que motivo o Papa, cujas riquezas são hoje mais copiosos que as dos Crassos mais opulentos, não constrói a basílica de S. Pedro com o seu próprio dinheiro em vez de o fazer com os dos fiéis? (...)”
              Martinho Lutero, 95 Teses contra o Tráfico de Indulgências.

1.2 – Relacione os dados do documento com a crise religiosa do século XVI.

II

Das duas questões seguintes, responda apenas a uma.

DOC. A:
    “(...) Aqueles que muito leram ou viajaram sabem bem que não é possível encontrar, neste século [XVII], um país tão rico e com tal movimento comercial (...). Pensa-se que as Províncias Unidas da Holanda possuem uma frota maior que todo o resto da Europa (...). Parece que Amesterdão renasce dos despojos de Lisboa e Antuérpia que, antes, mantinham o maior tráfico com as índias (...)”.
                                        V. Temple, “L’Etat de Provinces-Unies, in Les Memoires de l’ Europe.

1.1 – Explique a dinâmica da economia – mundo holandesa.
 

DOC. B: - Tratado de Methuen
    “(...) Art. 1º - Sua Sagrada Magestade El-Rei de Portugal promete, tanto em seu próprio nome como dos seus sucessores, admitir para sempre daqui em diante no reino de Portugal os panos de lã e mais fábricas de lanifícios de Inglaterra, como era costume até ao tempo que foram proibidos pelas leis, não o bastante qualquer condição em contrário (...)”
                                         In Francisco Correia, História Económica de Portugal, Lisboa, 1929.

1.2 – Analise o documento realçando as consequências do seu conteúdo nas economias portuguesa e inglesa.

III





Das duas questões seguintes, responda apenas a uma.

DOC. A:
    “A França é uma monarquia. O rei representa a nação inteira, e cada particular representa apenas um único indivíduo, em relação ao rei. Por consequência, todo o poder, toda a autoridade reside nas mãos do rei, e apenas deve haver no reino autoridade que ele estabelece. (...) Deus, que vos fez rei, vos dará as luzes necessárias desde que mostreis boas intenções (...)”
                                          Luis XIV, A Arte de Governar, Lx, Iniciativas Editoriais, 1976, p.41

1.1 – Caracterize o absolutismo na França de Luis XIV
 

DOC. B: - A desigualdade da hierarquização social
    “Não podemos viver todos na mesma condição. É necessário que uns comandem e outros obedeçam. Os que comandam têm várias categorias ou graus: os soberanos mandam em todos os do seu reino, transmitindo o seu comando aos grandes, os grandes aos pequenos e estes ao povo. E o povo, que obedece a todos eles, está, por sua vez, dividido em várias categorias.

No conjunto da sociedade, uns dedicam-se especialmente ao serviço de Deus, outros a defender o Estado pelas armas, outros a alimentá-lo e a mantê-lo pelo exercício da paz.”
                     Charles Loyseau, Tratado de Ordens e das Dignidades, 1610-13

1.2 – Caracterize a sociedade de ordens
 
 

IV

Questão de resposta obrigatória

DOC. A: Um estrangeiro analisa a nobreza pombalina
    “ A educação dos nobres ficara extremamente descuidada depois da extinção da antiga dinastia, em 1580. O ministro de D. José I tinha instituído um colégio onde os nobres não progrediam. [...].

O conde de Oeiras fundara o Colégio dos Nobres apenas com intuitos políticos. Neste particular ele usava como os imperadores do Japão, que obrigavam uns tantos membros de cada família nobre a fixar-se na capital como reféns da sua fidelidade. O Ministro desejava Ter debaixo de mão os filhos da nobreza, que tanto perseguira e vexara, para assim melhor segurar os pais.”
                      José Gorani, Portugal, a Corte e o País nos anos de 1765 a 1767

1.1 – Caracterize o absolutismo pombalino.

V





Das duas questões seguintes, responda apenas a uma.
 

DOC. A: - As petições do Terceiro Estado
    “(...)O plano desta obra é simples. Temos três questões a pôr-nos:
    1º O que é o Terceiro Estado? Tudo.
    2º Que tem ele sido até ao presente na ordem política? Nada.
    3º Que pretende ele? Ser alguma coisa.

(...) Ora, isto é ao mesmo tempo, uma iniquidade odiosa para a generosidade dos cidadãos e uma traição para a coisa pública. Quem ousará dizer que o 3º Estado não contém em si tudo o que é preciso para formar uma nação completa? Ele é o homem forte e robusto cujo braço ainda está preso às cadeias. Se se excluisse a ordem privilegiada, a nação não ficaria diminuida, mas aumentada.

Assim, o que é o 3º Estado? Tudo, mas um tudo livre e florescente. Nada pode caminhar sem ele, tudo caminharia infinitamente melhor sem os outros (...).”
                                  E. Sieyès, Qu’est-ce que le Tiers-Etat? In L.Gothier et Alb.Troux, Recueils de Textes d’Histoire

1.1 – Caracterize a situação socioeconómica do Terceiro Estado no período pré-revolucionário francês.

DOC.B:
    “(...) Em 1789, o mundo inteiro foi tão violentamente sacudido que se assistiu, um pouco por toda a parte, à eclosão dum movimento sem precedentes, e a Europa viu o começo duma nova era para o género humano. Aos olhos da História, 1789 fica um ano memorável entre todos. Jamais em nenhuma época desde as cruzadas, se tinha visto uma ideia propagar-se através da Europa inteira com tal prontidão e suscitar tanta simpatia (...).”
                       Testemunhos de um intelectual em Revisão dos acontecimentos históricos e políticos do ano de 1789
 

1.2 – Analise o impacto da Revolução Francesa na Europa da época.

VI

Questão de resposta obrigatória
 

DOC. A:
    “(...) Lastimavam-se todos da continuação da ausência de Sua Majestade e da real família, o que não podia deixar de reduzir este reino ao estado de colónia (...). Entretanto saíram daqui para o Brasil as nossas tropas e o nosso dinheiro e duas partes dos rendimentos públicos, que não tinham proporção com os recursos da Nação, e que estava governada por um chefe estrangeiro, cuja autoridade quase ilimitada da sua Repartição aspirava, talvez, a ser a única em Portugal depois da do soberano. (...) Foram essencialmente culpados em deixar inundar Lisboa e as províncias de trigo e outros cereais estrangeiros que fizeram baixar ao ínfimo os preços nacionais, o que reduziu os lavradores e proprietários à última consternação (...).”
                                Francisco Manuel Trigoso de Aragão Morato, Memórias
 

1.1 – Justifique a revolução de 1820.
 
 

                                                                   Voltar à página inicial
 
 
 
 

1