MESTRE PASTINHA

 

 

História da Capoeira

Capoeira Angola

Mestre Pastinha

Capoeira Regional

Mestre Bimba

Nosso Grupo

Depoimentos

Maculelê, samba de roda, puxada de rede

Músicas

Galeria de Fotos

 


Página Inicial

 

 

 

 

 

Entre em contato

 

 

micapoeira@bol.com.br

graduadocatatau@bol.com.br

 

 

 

Vicente Ferreira Pastinha, nasceu na Bahia no ano da Proclamação da República 1889, - um ano após a Lei Áurea – veio ao mundo numa atmosfera pesada, não por poluição, por preconceitos, por um mercantilismo que não excluía o homem nas suas ambições. Filho de um espanhol, José Señor Pastinha, e de um negra, Raimunda dos Santos, aquele moleque, baixinho, de pernas curtas, seria o maior capoeirista que toda a Bahia conheceu.

 

pastinha.jpg (32108 bytes)

 

" NINGUÉM PODE MOSTRAR TUDO O QUE TEM,  AS ENTREGAS E REVELAÇÕES, TÊM QUE SER FEITAS AOS POUCOS.

  ISSO SERVE NA CAPOEIRA, NA FAMÍLIA E NA VIDA.

  HÁ MOMENTOS QUE NÃO PODEM SER DIVIDIDOS COM NINGUÉM E NESTES MOMENTOS EXISTEM SEGREDOS QUE NÃO PODEM SER CONTADOS A TODAS AS PESSOAS."

MESTRE PASTINHA

10/10/80

Mestre Pastinha: Vicente Ferreira Pastinha nasceu a 5 de abril de 1889, em Salvador. Foi "o primeiro capoeirista popular a analisar a capoeira como filosofia e a se preocupar com os aspectos éticos e educacionais de sua prática"[1]. Pastinha foi uma das figuras mais queridas de toda a Salvador, por sua extrema devoção à capoeira.

Mesmo depois de idoso, jogava capoeira como um jovem exímio, executando sua movimentação com perfeição e agilidade. No prefácio do livro publicado em 1964, intitulado "Capoeira Angola", de autoria de Pastinha, José Benito Colmenero afirma que Pastinha teve como mestre de capoeira um negro angolano chamado Benedito. Mas a maioria dos capoeiristas que o conheceram afirma que seu mestre foi Aberrê (na verdade, houve vários "Aberrês" na Capoeira). De Mestre Pastinha, já disseram ser ele... "o guardião da liberdade de criação, da inocência dos componentes lúdicos, da beleza da coreografia... ... o gênio que desvendou em palavras simples e puras os aspectos místicos da capoeira. Será sempre simbolizado pela ‘Chamada’, com que arrefecemos o calor da disputa entre vontades que se contrapõem. A Mão Amiga estendida para o Alto, lembrando...

...Somos todos Irmãos à luz do MESTRE A Paz entre os Capoeiristas de Boa Vontade."

 

 

[1] MESTRE DECÂNIO, A Herança de Mestre Pastinha, Coleção São Salomão, Salvador, 1996.

 




Berimbau.gif (9370 bytes)

 

 

 

 

 

Atabaque.gif (15994 bytes)

 

 

 

 

 

 

Pandeiro.gif (7801 bytes)

1