A GRANDE PIRAMIDE DE QUEOPS

A GRANDE PIRÂMIDE DE QUÉOPS

Silpinto

piramide3.jpg (5042 bytes)

piramex.jpg (35968 bytes)

pirachin.jpg (28189 bytes)

Pirâmides egípcia*

Pirâmide mexicana**

Pirâmide chinesa***

 

    As pirâmides estão cercadas de mistérios. Elas existem no Egito, no México e na China. Mas, são todas diferentes. O dado comum, entre elas, é seu formato de "montanha". Verdadeiras montanhas de pedra. As pirâmides mexicanas e as chinesas são semelhantes, formadas por diversos patamares superpostos, de um maior, na base, e, sucessivamente, pelos demais, cada um menor que o anterior, até o último, no topo, que lhes comunicam uma forma escalonada, os lado adquirindo a forma de um triângulo truncado. As egípcias, porém, têm um formato agudo, cujos lados da sua base quadrada convergem para um ponto acima, de modo que cada lado tem a forma de um triângulo completo.

    Há muita controvérsia sobre quem, quando, como, por quê e para quê foram construídas. Mas, aqui, agora, queremos nos deter numa determinada pirâmide, a Grande Pirâmide de Quéops. Isso porque é sobre ela que pairam as mais espantosas razões de sua existência. Agora, não é nossa intenção fazer História. Vamos procurar apenas abordar o tema enigma. Assim, não esperem de nós nenhuma precisão histórica, senão o que for necessário explicitar.

    A civilização egípcia data de aproximadamente 3.200 anos a. C. e vai até 70 d. C., sendo uma das mais longas que já conhecemos. Várias vezes invadidos e dominados por outros povos, como os hicsos, os persas, os macedônios, dos quais sempre logrou libertar-se, entretanto, gradativamente se deteriorando, perdendo quase tudo de seu grandioso passado, finalmente soçobrando os egípcios ante as investidas e domínio do Império Romano, em 30 a. C., e por 700 anos.

    egito2.jpg (9377 bytes)

    A mancha vermelha no mapa indica a cidade de Gizé,onde estão as 3 principais pirâmides do Egito: a de Quéops, a de Quéfrem e a de Miquerinos, nomes dos faraós que, em 2.700 a 2.600 a.C., teriam ordenado sua construção. Gizé fica próximo do Cairo, a Capital. Dessas três, a de Quéops é a maior. Basicamente, sobre ela pairam as teorias a partir das quais se originam os enigmas, os mistérios, que absorvem nossa atenção. Comecemos pelas suas medidas, conforme Franz Berman (O Enigma das Pirâmides):

- Base da pirâmide: um quadrado de 232,805 m de lado, donde uma superfície de 53.384 m2 (mais de cinco hectares);

- Altura (quando da construção): 148,208m. O quadrado da altura, diz Berman, é exatamente igual à superfície de cada uma das faces triangulares. Essa altura, multiplicada por 10 na potência 9 (i. é, por 1.000.000.000), que dá 148.208.000.000, é igual a distância média da Terra ao Sol. Impressionante, porque essa distância só pode ser calculada no séc. XX. Fosse só isso, poder-se-ia aventar que se trataria de mera coincidência. Mas, há mais coisas que paulatinamente arredam o fator coinciência e nos leva a crer que os egípcios já dominavam um conhecimento matemático e astronômico que somente 4.500 anos depois iríamos dominar.

- Perímetro da base: i. é, 232,805m X 4, é de 931,22m. Ora, dividindo-se esse número por 2 vezes a altura da pirâmide, o resultado é 3,1416, que é, nada mais nada menos, o valor de PI (931,22 : 296,416 = 3,1415982), que é a razão entre a circunferência e o seu raio.

- Unidade de medir empregada na construção: foi o côvado sagrado (= 0,635660m). Multiplicando esse valor por 10 milhões, vem 6.356.600m, ou seja, o valor da longitude do raio do centro da Terra ao Pólo. Donde o côvado sagrado ser igual à décima milonésima parte do raio polar da Terra. Era, portanto, uma unidade com base em uma relação praticamente estável, como hoje temos estabelecido para o metro. Mas, tem mais: o côvado se dividia em 25 polegadas de 25,4264mm. Somando-se as 2 diagonais da base, tem-se 25.800 polegadas. Esse número,   25.800, constitui o valor do Grande Ano zodiacal (tempo que o ponto vernal demora para percorrer o zoodíaco).

- Localização: construída em Gizé, de tal modo que o meridiano que passa pelo seu vértice, divide em partes iguais continentes e oceanos, na Terra. Mais: a pirâmide está situada no centro de gravidade do continente.

    Sobre as medidas da Grande Pirâmide de Quéops há mais relações com a sua situação na Terra, desta com os Astros e com o Universo. Por conseguinte, essa pirâmide não foi construída exclusivamente para servir de túmulo ao faraó Quéops, que lhe empresta o nome. A conclusão é de que, há mais de 4.500 anos, um conhecimento científico, por demais preciso, era conhecido, dominado e empregado.

    Aventa-se inclusive, diz Berman, que seres extraterrestres, ou como refere Erich von Däniken, "deuses astronautas", com conhecimento da esfericidade da Terra e da exata distribuição de continentes e mares, foram os reais construtores. O que explicaria, quem sabe, como naqueles longínquos tempos enormes pedras, pesando toneladas, pudessem ser deslocadas de distâncias inimagináveis, talhadas e superpostas sem auxílio de nenhuma máquina. Hoje, os mais possantes guindastes seriam ineficazes.

    Registre-se que os arqueólogos, em suas constantes escavações, jamais encontraram vestígio algum de restos de ferramentas, máquinas, toros de madeira que pudessem ter servido para rolarem aquelas pedras (2.600.000, na de Quéops, peso total de 31.200.000 toneladas, seg. Erich von Däniken). A propósito, diga-se ainda que eram talhadas com tal perfeição que a superposição de umas sobre as outras é tão exata, sem uso de nenhuma argamassa, que sequer uma folha de papel passa em suas frestas.

    Para finalizar o nosso comentário que, é bom frisar, está muito longe de abranger a tudo o que existe sobre esse enigma, lembremos as recentes experiências que se tem feito com a construção e utilização de protótipos de pirâmides. Fenômenos como energização tanto material quanto espiritual, não apenas de pessoas como de quaisquer outras coisas. Em especial, alimentos que, guardados sob ou no interior de uma pirâmide, não se deterioram tão facilmente, durando longo tempo, sem apodrecer.

Bibliografia: 1) O Enigma das Pirâmides, de Franz Berman, Edição exclusiva DCL, Edipar, S.Paulo/SP, 1995, 157 pp. 2) Imagens: * da Enciclopédia Encarta, **do livro Eram os Deuses Astronautas? (Erich von Däniken) *** do site The Chinese Pyramids - An Extraterrestrial Legacy, por Hartwig Hausdorf, na seguinte URL http://www.alphaomega.se/english/chinesepyr.html

 

1