Algumas Doenças que os Morcegos Podem Transmitir
 

Algumas Doenças que os Morcegos Podem Transmitir

 

 

 

Lembre-se:

Deve-se evitar sempre o contato direto com qualquer tipo de morcego, vivo ou morto

Todos os tipos de morcegos podem transmitir doenças, porém não se deve exterminá-los sumariamente, o que causaria um desequilíbrio no meio ambiente. Os morcegos têm um papel ecológico importante como predadores primários de um número grande de insetos voadores noturnos, inclusive de pragas que causam problemas à agricultura. A transmissão de doenças a seres humanos por morcegos não é freqüente e pode ser evitada.

As principais doenças que os morcegos podem transmitir são a raiva, a histoplasmose e a salmonelose.

RAIVA

A raiva é uma infecção viral do sistema nervoso central. A infecção resulta em uma inflamação do cérebro e, às vezes, da medula espinhal. Ao se manifestarem os sintomas, a doença é quase sempre fatal. 

Mais de 30 mil pessoas por ano morrem por contraírem raiva. A maior porcentagem dessas mortes é devida a contato com cães raivosos. Para haver risco de se contrair raiva é necessário contato da saliva ou do sistema nervoso de um animal raivoso com ferida aberta ou mucosas (olhos, nariz ou boca). O risco de se expor ao vírus sem haver mordida do animal é muito baixo, mas pode acontecer como resultado de contato entre ferida aberta, arranhão ou mucosas e saliva ou tecido nervoso infectados. Pouquíssimos casos da doença em humanos foram atribuídos a inalação de vírus aerossolizado, e em 50% desses casos a exposição ocorreu durante experiências com o vírus em laboratórios de pesquisas. Não existe evidência de transmissão de raiva através de contato com urina ou fezes.

Os morcegos como transmissores da raiva

Como todos os mamíferos, alguns morcegos contraem raiva. Com exceção dos morcegos  hematófagos (morcegos "vampiros"), os morcegos, mesmo raivosos, não costumam morder. Quando mordem, é por autodefesa, quando se tenta pegá-los. Qualquer morcego ou outro animal silvestre que se deixe capturar deve ser suspeito de estar doente, de modo que só um especialista deve pegá-lo, sob condições apropriadas. 

A ameaça de raiva praticamente não existe para as pessoas que vacinam seus animais domésticos, como cachorros e gatos, e evitam lidar com animais que não conhecem.

Quando se consideram os morcegos hematófagos, o risco de transmissão de raiva é maior. Animais de criação, especialmente o gado, na zona rural brasileira sofrem séria ameaça, em função dos ataques de morcegos vampiros (Desmodus rotundus). Também existem casos de ataques a seres humanos, alguns até feitos repetidas vezes sem que a vítima se dê conta, pois tem seu sangue sugado pelo morcego durante o sono.

Ao ter conhecimento da presença de morcegos na região, previna-se iluminando áreas externas às residências; colocando telas em janelas e aberturas; fechando passagens para porões, forros, sótãos ou outros cômodos pouco utilizados, onde morcegos possam se alojar.

Se existem morcegos alojados, isole o cômodo, se possível. Contate o Centro responsável pelo controle de zoonoses da região e solicite vistoria técnica do local e das imediações.

Em casos onde se tem conhecimento ou se suspeita que houve contato de pessoas com morcegos, consulte um médico ou o órgão oficial de controle da raiva.

HISTOPLASMOSE

Histoplasmose é uma doença infecciosa respiratória causada pelo fungo Histoplasma capsulatum. Este fungo  ocorre naturalmente no solo e seu crescimento é favorecido por material orgânico como fezes de pássaros ou morcegos, em condições de umidade e calor. Ao se agitar fezes ressecadas desses animais, partículas contendo esporos do fungo espalham-se no ar como poeira. A infecção ocorre quando as pessoas inalam essas partículas. A doença pode ser muito grave se houve inalação de grande quantidade de esporos. Em cavernas onde se alojam  morcegos, as condições de calor e umidade podem levar a grande proliferação do fungo e a inalação de pó nestas áreas deve ser evitada. Pessoas que precisam limpar fezes de pássaros ou de morcegos devem usar máscaras respiratórias capazes de filtrar partículas microscópicas (de até 2 micra de diâmetro)  , para reduzir o risco de exposição. Recomenda-se o uso de máscaras ou lenços úmidos sobre o nariz e a boca sempre que se entrar em locais onde se alojem pássaros ou morcegos.

Salmonelose

É uma doença infecciosa causada por microorganismos do gênero Salmonella, bactérias entéricas do homem e de animais. Provocam febre e distúrbios intestinais. A infecção ocorre pela ingestão de alimentos ou pelo uso de objetos contaminados. Um fator de contaminação são as fezes de morcegos. Recomenda-se lavar bem as mãos e cuidar da higiene dos alimentos.

Parasitas

Pulgas, ácaros, moscas, etc., são tipos de ectoparasitas encontrados em morcegos. A maior parte desses parasitas são associados estreitamente a espécies de morcegos e não conseguem sobreviver em outros animais. Raramente mordem seres humanos ou animais domésticos. Não se conhecem casos de transmissão de doenças por parasitas de morcegos a seres humanos. Os parasitas que possam permanecer mesmo depois que os morcegos tenham abandonado um local, logo morrem sem a presença de seus hospedeiros.  

Volta para MORCEGOS

1
1