SISTEMA RESPIRATÓRIO

TROCAS GASOSAS
 

O ar atmosférico, que respiramos, é composto basicamente dos seguintes elementos: Nitrogênio, Oxigênio, Gás Carbônico e Água.

Quando o inalamos, conforme o ar vai passando através de nossas vias respiratórias, durante a inspiração, sofre algumas modificações quanto às proporções de seus elementos básicos, pois ocorre uma signifiativa umidificação do ar e este se mistura com um outro ar muito mais rico em dióxido de carbono, que se difunde constantemente do sangue dos capilares pulmonares para o interior dos alvéolos.

No quadro abaixo podemos observar um comparativo entre o ar atmosférico e o ar alveolar, quanto às pressões parciais de cada elemento que o compõe:
 
ELEMENTO AR ATM. (PRESSÃO) AR ATM. (%) AR ALV. (PRESSÃO) AR ALV. (%)
NITROGÊNIO 597,0 mmHg.  78,62 569,0 mmHg.  74,90 
OXIGÊNIO 159,0 mmHg.  20,84 104,0 mmHg.  13,60
GÁS CARBÔNICO   0,3 mmHg.   0,04  40,0 mmHg.   5,30
ÁGUA   3,7 mmHg.   0,50  47,0 mmHg.   6,20
TOTAL 760,0 mmHg. 100,00 760,0 mmHg. 100,00
 

Conforme se pode observar, o oxigênio e o gás carbônico encontram-se, no ar alveolar, com pressões parciais de 104 mmHg. e 40 mmHg., respectivamente.

O sangue venoso bombeado pelo ventrículo direito chega aos pulmões e flui pelos capilares pulmonares com pressões parciais de oxigênio e gás carbônico, respectivamente, de 40 mmHg. e 45 mmHg.

Na medida em que este sangue venoso flui pelos capilares pulmonares o oxigênio, em maior pressão no interior dos alvéolos (104 mmHg.) do que no sangue (40 mmHg.) se difunde do ar alveolar para o sangue. Já o gás carbônio, em maior pressão no sangue venoso (45 mmHg.) do que no ar alveolar (40 mmHg.), difunde-se em sentido contrário.

Desta forma o sangue, após circular pelos capilares pulmonares, retorna ao coração (átrio esquerdo) através das veias pulmonares, com pressões parciais de oxigênio e gás carbônico de, respectivamente, 95 mmHg. e 40 mmHg.

O coração então, através do ventrículo esquerdo, ejeta este sangue para a circulação sistêmica. Através desta o sangue fluirá por uma riquíssima rede de capilares teciduais. Ao passar por tecidos que se encontram com baixa concentração de oxigênio, este se difunde do sangue para os tecidos e depois para as células, que o consomem constantemente. Em troca, estas mesmas células fornecem o gás carbônico que, em maior concentração no interior destas células e nos tecidos do que no sangue, difundem-se em sentido contrário, isto é, das células para os tecidos e destes para o sangue.

O sangue retorna, então, novamente para o coração (átrio direito), pobre em oxigênio e mais rico em gás carbônico. O coração novamente o ejeta à circulação pulmonar e tudo se repete.

TRANSPORTE DOS GASES NO SANGUE:

Quase todo o oxigênio é transportado, no sangue, ligado à hemoglobina, presente em grande quantidade no interior das hemácias.

Já o gás carbônico, apenas 23% é transportado ligado à hemoglobina (carbamino-hemoglobina). Cerca de 7% é transportado livre, dissolvido no plasma e, os 70% restantes, na forma de bicarbonato. Para se transformar em bicarbonato, inicialmente o gás carbônico se difunde para o interior da hemácia. Em seguida reage com água lá presente e, graças a uma enzima chamada anidrase carbônica, forma ácido carbônico. O ácido carbônico rapidamente se dissocia em hidrogênio livre mais íon bicarbonato. Este sai da hemácia ao mesmo tempo em que o íon cloreto entra, e segue transportado no plasma.

 Copyright - 1999 - Milton Carlos Malaghini

 RETORNA
 

[HOME] [NOSSA FISIOLOGIA] [RESUMOS DE AULAS]

 
 
  1