home -> positivo [+] -> mu si ca -> LEtraS -> [ Mozart - Requiem em ré menor, KV 626 ]

Mozart - Requiem em ré menor, KV 626                         - voltar

I. Introitus
Requiem aeternam dona eis, Domine:
Et lux perpetua luceat eis.
Te decet hymnus, Deus, in Sion, et tibi reddetur votum in Jerusalem:
Exaudi orationem meam, ad te omnis caro veniet.
I. Introdução
Dai-lhes, Senhor, o descanso eterno
e sobre eles resplandeça a luz perpétua.
A Vós, Senhor, dirigimos estes hinos em Sião e oferecemos estes votos em Jerusalém.
Ouvi a minha oração, todas as criaturas devem comparecer ante Vós.
II. Kyrie
Kyrie eleison.
Christe eleison.
Kyrie eleison.
II. Kyrie
Senhor, tende piedade de nós.
Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.

III. Sequentia
Dies irae
Dies irae, dies illa
Solvet saeclum in favilla
Teste David cum Sibylla

Quantus tremor est futurus,
Quando judex est venturus,
Cuncta stricte discussurus

III. Sequência
Dies irae
Dia de ira aquele em que o universo será reduzido a cinzas,
segundo as predições de David e Sibila.

Qual não será o terror dos homens
quando o soberano Juiz vier perscrutar
todas as suas acções com rigor!

Tuba mirum
Tuba mirum spargens sonum
Per sepulcra regionum
Coget omnes ante thronum

Mors stupebit et natura
Cum resurget creatura
Judicanti responsura

Liber scriptus proferetur,
In quo totum continetur,
Unde mundus judicetur.

Judex ergo cum sedebit,
Quidquid latet apparebit
Nil inultum remanebit

Quid sum miser tunc dicturus?
Quem patronum rogaturus,
Cum vix justus sit seccurus?

Tuba mirum
O som estridente da trombeta acordará os mortos,
nas profundezas das sepulturas,
reunindo-se todos diante do trono do Senhor.

A morte e a natureza ficarão estupefactas
quando a criatura comparecer
para ser julgada pelo Juiz.

Um livro aparecerá,
onde está escrito tudo
sobre o que há-de versar o julgamento do mundo.

Quando o Juíz se assentar no tribunal,
tudo o que estiver oculto ficará a descoberto
e nenhum crime ficará impune.

Infeliz de mim! Que poderei dizer então?
Que protector procurarei,
quando somente o justo estará tranquilo?!

Rex tremendae
Rex tremendae majestatis,
Qui salvandos salvas gratis,
Salva me, fons pietatis.
Rex tremendae
Ó Rei, cuja majestade é tremenda,
mas que salvais gratuitamente os escolhidos,
salvai-me, ó fonte de piedade!

Recordare
Recordare, Jesu pie,
Quod sum causa tuae viae,
Ne me perdas illa die.

Quaerens me, sedisti lassus
Redemisti Crucem passus
Tantus labor non sit cassus.

Juste judex ultionis,
Donum fac remissionis
Ante diem rationis

Ingemisco tamquam reus
Culpa rubet vultus meus
Supplicanti parce, Deus.

Qui Mariam absolvisti,
Et latronem exaudisti
Mihi quoque spem dedisti

Preces meae non sunt dignae
Sed tu bonus fac benigne,
Ne perenni cremer igne.

Inter oves locum praesta
Et ab haedis me sequestra
Statuens in parte dextra.

Recordare
Recordai-Vos, ó piíssimo Jesus,
de que viestes ao mundo por minha causa:
não me condeneis nesse dia.

Ó Vós, que Vos fatigastes em minha procura
e que para me resgatardes morrestes na Cruz:
não queirais que fiquem infrutíferos tantos esforços.

Ó justo Juiz, que castigais com justiça,
concedei-me o perdão das minhas faltas
antes do dia do julgamento.

Eu choro, como réu;
as minhas culpas envergonham-me.
Ó Deus, que as minhas súplicas me alcancem o perdão.

Ó Vós, que absolveste Maria*
e ouvistes o ladrão,
e me concedestes também a esperança!

Bem sei que as minhas preces não são dignas;
mas Vós, que sois bom, não consintais
que eu arda no fogo eterno.

Colocai-me entre os cordeiros,
à Vossa direita, e separai-me dos pecadores.

Confutatis
Confutatis maledictis
Flammis acribus addictis
Voca me cum benedictis

Oro supplex et acclinis
Cor contritum quasi cinis
Gere curam mei finis.

Confutatis
Livrai-me da confusão e do suplício
dos malditos condenados
e introduzi-me junto dos benditos do Vosso Pai.

Prostrado ante Vós, suplicante,
com o coração esmagado, como reduzido a cinzas, Vos imploro, ó Senhor,
que tenhais piedade de mim no momento da morte.

Lacrimosa
Lacrimosa dies illa
Qua resurget ex favilla
Judicandus homo reus.

Huic ergo parce, Deus
Pie Jesu Domine
Dona eis requiem, Amen.

Lacrimosa
Dia de lágrimas aquele
em que o homem pecador renasça da sua cinza
para ser julgado!

Tende, pois, piedade dele, ó meu Deus!
Ó piíssimo Jesus, ó Senhor,
concedei-lhe o repouso eterno. Amen.

IV. Offertorium
Domine Jesu Christe
Domine Jesu Christe, Rex gloriae,
Libera animas omnium fidelium
defunctorum de poenis inferni et de profundo lacu:
Libera eas de ore leonis,
Ne absorbeat eas tatarus, ne cadant in obscurum:
Sed signifer sanctus Michael repraesentet eas in lucem sanctam:
Quam olim Abrahae promisiti et semini ejus.
IV. Ofertório
Domine Jesu Christe
Senhor Jesus Cristo, Rei da Glória,
libertai as almas de todos os fiéis
defuntos das penas do inferno e do abismo profundo;
libertai-as da boca do leão,
que não sejam absorvidas nos infernos, que não caiam na escuridão:
mas que o porta-estandarte S. Miguel os introduza na luz santa,
como prometeste em tempos idos a Abraão e à sua descendência.
Hostias
Hostias et preces tibi, Domine, laudis offerimus:
Tu suscipe pro animabus illis, quarum hodie memoriam facimus:
Fac eas, Domine, de morte transire ad vitam.
Quam olim Abrahae promisisti et semini ejus.
Hostias
Sacrifícios e preces Vos oferecemos, Senhor, louvando-Vos:
aceitai-os pelas almas daqueles que hoje Vos lembramos:
façai com que da morte passem à vida.
Como prometeste em tempos idos a Abraão e à sua descendência.
V. Sanctus
Sanctus, Sanctus, Sanctus Dominus, Deus Sabaoth.
Pleni sunt coeli et terra gloria tua.
Hosanna in excelsis.
V. Santo
Santo, Santo, Santo, Senhor Deus dos Exércitos.
Os céus e a terra proclamam a vossa glória.
Hosana nas alturas.
VI. Benedictus
Benedictus, qui venit in nomine Domini
Hosanna in excelsis.
VI. Hosana
Bendito seja O que vem em Nome do Senhor.
Hosana nas alturas.
VII. Agnus Dei
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi: donna eis requiem.
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi: donna eis requiem sempiternam.
VII. Cordeiro de Deus
Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, dai-lhes o descanso.
Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, dai-lhes o repouso eterno.
VIII. Communio
Lux aeterna luceat eis, Domine:
Cum Sanctis tuis in aeternum: quia pius es.
Requiem aeternam dona eis, Domine:
Et lux perpetua luceat eis.
Cum Sanctis tuis in aeternum: quia pius es.
VIII. Comunhão
Sobre eles resplandeça a luz perpétua, Senhor,
para sempre com os Vossos Santos, porque sois piedoso.
Dai-lhes, Senhor, o descanso eterno
e sobre eles resplandeça a luz perpétua.
para sempre com os Vossos Santos, porque sois piedoso.

Fonte: http://www.terravista.pt/PortoSanto/1090/musica/mozart/req_texto.html