A fase Sammy Hagar

 

próxima

 

 

 

 

anterior

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Historico
Sammy Hagar solo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A fase Sammy Hagar começou por volta de Agosto de 1985. O Van Halen continuava sem um vocalista definido. Eddie então tinha levado o seu automóvel na oficina de Cláudio Zampoli , quando este casualmente citou o nome de Sammy Hagar. Um sininho tocou na cabeca de Eddie: 'Por que não?' pensou ele. E dalí mesmo ligou para Sammy. Ironicamente, Hagar tambem já havia ouvido rumores sobre o que estava acontecendo com o Van Halen, e uma vez disse a sua esposa : 'Betsy, acho que esses caras vão me chamar para me juntar a eles...'. Dito e feito. Quando o telefone tocou em sua mansão, era Eddie na linha. Sammy sentiu aquele friozinho no estômago: 'Ei Sam, aqui é o Eddie Van Halen. Tudo jóia? Que tal pintar aqui em casa para rolarmos um som juntos? É que o David nos deixou e daí, você sabe....' Sammy teve que pedir um tempo para pensar. Afinal, estava desfrutando de um grande sucesso em sua carreira solo. O album 'VOA' estava nos primeiros lugares das paradas, e ele não queria jogar tudo para o alto. Pediu conselhos de amigos, e todos lhe disseram: 'Se você tem algo que possa ser chamado de cérebro nessa sua cabeça, nao perca essa chance de modo algum!!!'. Ao pedir a opinião de Ted Nugent, este foi incisivo: 'O QUEH?? Voce foi convidado a se juntar ao Van Halen? Então o que diabos está fazendo aqui, sua besta? Pegue o primeiro avião, alugue um burro se for necessário, mas vá lá, AGORA!!!!'. Dois dias depois, Sammy, Eddie, Alex e Michael estavam reunidos no 5150 (estúdio que Eddie tem em sua casa), quando Eddie mostrou a música que estava compondo, 'Summer Nights'. Quando a JAM comecou, Hagar improvisou a letra na hora, e o resultado, segundo o guitarrista, 'nos deixou de queixos caídos. Em menos de 20 minutos, já nos abraçavamos e dizíamos: 'Lá vamos nos outra vez!!'. No começo do ano, o novo Van Halen fez sua estréia no Farm Aid festival e logo adentraria o estúdio para a gravação do novo álbum. A produção ficou a cargo da própria banda, mais Mick Jones e Don Landee. Ted Templeman não estava disponível, pois se encontrava trabalhando no novo LP solo de David Lee Roth. Mesmo assim, o resultado final, o album '5150' não ficou tão ruim assim, apesar da mixagem ter ficado um pouco esquisita, pelo menos em termos do que estamos acostumados a ouvir nos álbuns do Van Halen. O baixo de Michael Anthony por exemplo, sumiu em meio aos tom-tons de Alex. E não foi apenas o vocalista e produtor que mudaram. Até o empresário foi trocado, entrando Ed Leffer em lugar de Noel Monk. '5150' entrou direto no primeiro lugar do Top Tem americano. Afinal, desde 1983 o Van Halen não gravava nada, e seus fãs estavam ávidos por notícias da banda. E, pelo jeito, gostaram do novo formato, uma vez que nos concertos era muito comum ver jovens estendendo faixas com dizerem do tipo : 'No Daves Allowed', 'Dave Sucks', 'Dave Who?', e outras coisas. Quem não gostou muito disso foi a Geffen, antiga gravadora de Sammy Hagar. Afinal, 'VOA' estava vendendo muito bem e o contrato de Hagar ainda previa mais três álbuns, um ao vivo, um de estúdio e uma coletânea. Por essas e outras, a Geffen não iria deixar seu ganha-pão partir sem espernear um bocado. Lenny Waronker, prevendo problemas judiciais complicados e dispendiosos, tentou fazer Eddie e Cia desistirem da idéia: 'Tem tanta gente por aí que nao é conhecida, vocês podem até, quem sabe, lançar um novo talento no mercado. Esquecam Sammy, procurem outro cara para os vocais. De preferência alguém que tenha cabelos loiros e saiba dar tesouras voadoras...'. Mas o Van Halen fez pé firme. Afinal de contas, Sammy é loiro (oxigenado) e também sabe dar tesouras voadoras, alem de ser guitarrista também. Finalmente, após muitas negociações, ficou tudo resolvido: Hagar ficou devendo um álbum solo a Geffen, que também abiscoitou uma percentagem das vendas de '5150'. Sammy Hagar gravou quatro álbuns de muito sucesso com o Van Halen, trazendo um lado mais sóbrio e mais musical do que a era David, mostrando que sua entrada na banda foi muito bem sucedida. Depois disso, mais uma preocupação para os fãs: Sammy diz que foi demitido pela banda, apesar de Eddie ter dado declarações de que a saída foi amigável. Rumores dizem que foi por causa da coletânea Best of volume 1, onde David Lee Roth foi chamado para gravar duas músicas inéditas, sem o conhecimento de Sammy, o que pode ter sido o estopim para a separação. Após a saída do Van Halen, Sammy continuou gravando álbuns solo e excursionando com sua banda, com a participação especial de Michael Anthony no baixo. Em 2004, após um reencontro de Sammy Hagar com o baterista Alex, Sammy retorna a excursionar com o Van Halen, na turnê denominada 'Reunion', além de gravar três músicas inéditas com a banda, que foram incluídas na coletânea Best of Both Worlds. Porém Sammy insiste em afirmar que apenas seria uma reunião, sem compromissos mais sérios com a banda, o que realmente aconteceu, pois o relacionamento entre ele e Eddie já estava muito desgastado, chegando ao final da turnê Reunion com os dois ficando em camarins diferentes e entrando ao palco por vias diferentes, para evitar brigas e desentendimentos. No último show da turnê, é visivel o desentendimento entre Eddie e Sammy no palco, o que fez muitos fãs saírem do show antes mesmo deste terminar.

 

 

 

 

 

 

voltar
ao
menu inicial

 

 

1 1