Vixen

Texto de Allan Jonnes



A banda Vixen surgiu para quebrar o tabu de que apenas homens faziam hard rock. O quarteto formado por Jan Kuehnemund nos anos 70 tinha outro nome, mas o que importa é que quando apareceram para valer, a banda se chamava Vixen e contava com Janet Gardner (vocals), Pia Koko (bass), Tamara Ivanova (rhythm guitar) e Laurie Hedlund (drums).

Essa formação não duraria muito pois Share Pedersen (bass) e Roxy Petrucci (drums) entrariam na banda. Roxy vinha da mesma banda de que Janet fazia parte, o terrível Madam X (por onde passou também o vocalista Sebastian Bach).

Neste período, Janet já era a responsável pela banda, a autêntica líder.

O Vixen não demorou muito para conseguir gravar seu álbum, que foi lançado pela EMI, surpreendendo a crítica que torcia o nariz para a idéia de uma banda de hard feminina. A idéia não era vista com bons olhos por que a maioria das bandas como aquela (Runaways, Madam X) não haviam dado certo.

O primeiro álbum trazia as músicas “Cryin” e “Edge of Broken Heart”.

O segundo álbum da banda, que levava o nome de “Rev it up”, colocou três singles na parada. Eram as músicas "Bad Reputation", "Love is a Killer" e "How Much Love".

O Vixen também contou com ajuda da MTV antes dela fechar as portas para o hard rock. Seu clipes entravam no top ten e eram muito pedidos pelos telespectadores.

Os anos 90 vieram para arruinar as bandas de hard, e o Vixen não suportou a pressão. A banda permaneceu separada por oito anos.

Em 1998, Janet e Roxy se juntaram novamente, e traziam a guitarrista Gina Stile e a baixista Rana Ross no seu line up.

O álbum lançado através do selo CMC se chamou “Tangerine”, e se não levou as meninas ao topo, ao menos conseguiu refrescar a memória dos fãs.

A banda caiu na estrada e Roxy trouxe sua irmã Maxine Petrucci para tocar baixo, já que Rana havia sido contratada apenas para tocar no álbum de estúdio.