Cabana daVovó Engrácia
A Umbanda por Mãezinha
Toda e qualquer religião, tem por base, nossa fé, nossa concentração, nossa mentalização, pois é através dos nossos sentimentos que vamos desenvolvendo nossa espiritualidade e nossa religiosidade, antes de qualquer coisa, temos que sentir e saber que somos regidos e orientados pela mesma força que nos criou, que nos gerou. Ninguém seja de qualquer religião ou credo foge a lei da criação, que é a força divina que a tudo comanda.
Umbandista - que teu pensamento se concentre numa realização benéfica, procurando o aperfeiçoamento moral que corresponde ao aperfeiçoamento espiritual, fazendo, assim gradativamente a tua evolução.
Nas horas de meditação, não percas uma só lição da escola da vida.
Na escola espiritual é necessário vigiar constantemente a tua alma, pois ela precisa de doutrina, sejas mais prudente, na maneira de agir e falar.
Muita coisa tem sido dita, a respeito de mediunidade e sempre existirá algo a ser dito.
Mediunidade é vida, todo ser humano é médium.
Jesus foi o grande médium que com muita caridade fez e só deixou exemplos de abnegação, respeito, amor e união. Transmitia a fé e a paz, era o meigo Nazareno que usando sua mediunidade transformou água em vinho, multiplicou pães, expulsou obsessores, curou aleijados e ressuscitou mortos; assim quis ele mostrar ao mundo o poder da fé.
Cada um tem sua missão dentro de um setor da vida, divergem de certa forma as religiões, porém convergem todas para um mesmo ponto - O AMOR.
Nos os Umbandistas, temos que desenvolver esta mediunidade, intensificando o sentido de espiritualidade, seja ele de incorporação, vidência, psicografia, etc.
O desenvolvimento da incorporação é em uns às vezes lento, em outros mais rápidos, dependendo exclusivamente do entrosamento entre os anjos de guarda do médium, que é a força que comanda a sua matéria desde a gestação e, a entidade que também e uma força fluídica, este entrosamento é às vezes facilitado e outras não.
Em geral o guia escolhe para trabalhar no comprimento de sua missão um aparelho com o qual tenha alguma afinidade.
A incorporação traz grandes responsabilidade, é preciso muita sinceridade e respeito.
Sabemos que o médium pode ser consciente semiconsciente  ou inconsciente sendo que a inconsciência às vezes só acontece aos poucos e com muito tempo de trabalho.
A consciência do médium, longe de ser um defeito é uma condição, o que é indispensável é a sinceridade.
Do medium depende a beleza e segurança de uma sessão, a firmeza dos trabalhos e a grandeza da nossa Umbanda.

Cydéa Paulo de Carvalho
Ialorixá da Cabana da Vovó Engrácia
Voltar
1