Cursos

Eventos

Publicações

Pós-Graduação

Grupos de Estudo

Membros

Fale Conosco

 

 
 
 

ALEXANDRE CARNEIRO CERQUEIRA LIMA

Kômos e Kômoi: de Hesíodo a Plutarco
 
 
Ciro Flamarion Santana Cardoso
Tempo e História
No limiar do século XXI
Escravidão Antiga e Moderna
Repensando a construção do espaço
Um conto e suas transformações: ficção científica e História
As unidades domésticas no antigo Egito
 
 
Evelyne Azevedo
A arte de Amarna: Permanências e rupturas na arte do período de Akhenaton
 
 
LILIANE CRISTINA COELHO
O Antigo Egito em espaços privados: um estudo de Egiptomania
 
 
LUÍS  EDUARDO  LOBIANCO
Religião e poder na Judéia Romana
A Romanização no Egito: Direito e Religião (séculos I a.C à III d.C.)
 
 
Manuel Rolph De Viveiros Cabeceiras
Representações Culturais e Publicização da Vida Social na Literatura
Latina: a Mulher e o Amor no Corpus Ovidianum
Ovídio: a biografia como evento intelectual estruturado
 
 
MARIA THEREZA DAVID JOÃO
Relações de patronato no Egito Antigo (2134-2040 a.C )
 
 
Moacir Elias SANTOS
O saque de tumbas no tempo dos faraós
 
 
Sônia Regina Rebel de Araújo
Cícero e César: duas Biografias Políticas

Valores Guerreiros: O Triunfo Em Três Textos De Plutarco

 
 

 
Papiro de Rhind

Depositado no British Museum, Londres, a imagem mostra   uma parte do papiro de Rhind (contendo os problemas de   número 56 a 60, relacionados a pirâmides, e o final do 52,  sobre  área de uma figura geométrica).

 
 

O papiro de Rhind ou    de Ahmes mede 5,13 m de   comprimento por 0,32 m de largura,   datado aproximadamente   no ano 1650 a.C. onde encontramos   um texto matemático na   forma de manual prático contendo uma série de tabelas e 84   problemas e as suas soluções, escritos em hierático, da direita   para a esquerda, pelo escriba Ahmes, são cópia de um   manuscrito mais antigo, segundo ele próprio nos informa, de   cerca de 200 anos antes. Alexander Henry Rhind (1833 - 1863), advogado escocês, viajou em 1855 ao Egito por razões de saúde (busca de um clima mais ameno), e então começou a estudar e colecionar objetos da Antigüidade, adquirindo (1858, em Luxor) o referido papiro.     O Museu Britânico comprou-o de seu patrimônio em 1865. O documento, que começa prometendo ao leitor um profundo estudo de todas as coisas, percepção de tudo que existe e conhecimento de todos os segredos obscuros, é uma seqüência de problemas resolvidos de matemática elementar (divisão e multiplicação, frações, equações de primeiro grau, progressões aritmética e geométrica, áreas e volumes), todos resolvidos, envolvendo, na sua maioria, assuntos do dia-a-dia, tais como o preço do pão e da cerveja, distribuição de comida e proporção de gado devida a imposto.[Saiba mais]

 
1