A Literatura.kit.net - O seu amigo na internet!

QUINHETISMO
BARROCO
ARCADISMO
ROMANTISMO
Adicione nosso site aos seus favoritos Clique aqui para nos enviar um email Página inicial Voltar uma página
 
Menu
O que é Literatura?
Curiosidades
Fórum de discursão
Recomendar esse site
Livro de Visitas
Resumos
Escolas Literárias
Quinhetismo
Barroco
Arcadismo
Romantismo 
Realismo
Parnasianismo
Simbolismo
Modernismo 
Livros por Título
Livros por Autor
Biografia
Trabalhos Prontos
e muito mais...
Parceiros
Links



A Literatura Brasileira JUNQUEIRA FREIRE (1832-1855)

Luís José Junqueira Freire nasceu no ano de 1832, em Salvador, Bahia. Estudou Humanidades no Liceu Provincial de sua cidade natal, ingressando posteriormente, aos dezenove anos, na Ordem Beneditina. Aparentemente não apresentava certeza de sua vocação, seguindo esse caminho mais para fugir de uma vida familiar extremamente infeliz. Depois de um ano de sacerdócio, pediu secularização (transformação do sacerdote em leigo), voltando para casa (1854).

Faleceu no ano seguinte em Salvador, vítima de doença cardíaca. Sua única obra de poesias, as "Inspirações do Claustro (1855), tem grande valor de testemunho das experiências interiores passadas pelo autor em sua breve vida: o desgosto na casa dos pais as ilusões sobre a vocação monástica as dúvidas e desesperos nos dois anos em que permaneceu na Ordem.

A obra de Junqueira Freire mereceu um louvor, mas também uma crítica, por parte de Machado de Assis: foi louvada pela forma sincera como retratou todo o drama de um indivíduo preso a uma falsa vocação; crítica ao modo dessa poesia, que caiu no genérico e prosaico, ficando abaixo da síntese conteúdo-forma. Uma prova de sua dificuldade em conciliar intenções e forma é "À Profissão de Frei João das Mercês Ramos", onde expõe o fracasso de sua vocação. Porém, sua obra também apresentou alguns momentos felizes, nos quais lhe foi benéfica a aproximação com fontes populares e outros, nos quais sua concepção anacrônica do verso se ajustou a uma poesia mais racional (de pensamento) que de sensibilidade.

 

 
Unisucesso





Copyright © 2000-2006 - A Literatura Brasileira - Todos os direitos reservados®