Visite o Site

 PROJETOS/ 2007

PROJETO SOCIOLOGIA ATRAVÉS DO CINEMA NO ENSINO MÉDIO

SOCIOLUFFIA

(Aluna: Angela dos Santos Araújo)

"legitimando, a incorporação de uma nova tecnologia de ensino - a TV, o vídeo e o DVD, o cinema - à sala de aula" PCN/2006 pág 32 - CONHECIMENTOS DE SOCIOLOGIA.

APRESENTAÇÃO

O desenvolvimento científico-tecnológico, ao impulsionar o desenvolvimento das forças produtivas na perspectiva do processo de criação de valor, quanto mais avança, mais intensifica a contradição entre as demandas do processo produtivo e os processos de educação da força de trabalho: quanto mais se simplificam as atividades práticas na execução dos processos de trabalho, mais se complexificam as ações relativas ao desenvolvimento de produtos e processos, à sua manutenção e ao seu gerenciamento. Ou seja, o trabalho mais se simplifica enquanto mais se tornam complexas a ciência e a tecnologia; em decorrência, ao se exigir menos conhecimento sobre o trabalho do trabalhador, mais ele se distancia da compreensão e do domínio das tarefas que executa, bem como dos que gerenciam e mantêm os processos e produzem ciência e tecnologia. Ao mesmo tempo, a complexificação da vida social ampliou os espaços de participação do trabalhador em vários sentidos: atividades culturais, associativas, sindicais e partidárias.

Criam-se, em conseqüência, necessidades educativas para os trabalhadores que até então eram reconhecidas como próprias da burguesia; a crescente cientifização da vida social, como força produtiva, passa a exigir do trabalhador cada vez maior apropriação de conhecimentos científicos, tecnológicos e sócio-históricos, uma vez que a simplificação do trabalho contemporâneo é a expressão concreta da complexificação da tecnologia através da operacionalização da ciência.

Os novos conhecimentos e informações e a velocidade com que as novas tecnologias de comunicação permitem disseminá-los são um desafio para o sistema educativo. A educação é uma prioridade que tem sido ressignificada no mundo inteiro e diferentes países têm promovido reformas em seus sistemas educacionais.

No Brasil, as mudanças propostas para a educação básica trazem grandes desafios. No caso da reforma do Ensino Médio, alguns deles são:

A implementação de novas orientações curriculares, baseadas nas Diretrizes e nos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio;

A definição de um padrão de atendimento adequado a uma escola de jovens e jovens adultos;

A reestruturação da rede física para dar conta do novo padrão de atendimento estabelecido pelos sistemas educacionais;

A consolidação de mecanismos de avaliação que reflitam as modificações curriculares;

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A elaboração e a gestão do projeto pedagógico são apresentadas como meio para a formação de professores. O projeto pedagógico é o instrumento através do qual a escola cumpre sua finalidade de educar os jovens, preparando-os para a vida. O projeto abrange uma dimensão pedagógica e uma dimensão administrativa. A dimensão pedagógica trata das competências e dos conhecimentos a serem construídos pelos alunos, assim como das estratégias didáticas a serem utilizadas para favorecer essa construção. A dimensão administrativa apóia-se nas opções pedagógicas para viabilizar sua concretização. A elaboração do projeto pedagógico deve contar com a participação dos professores e a Lei de Diretrizes e Bases é clara quanto a essa incumbência, no artigo 13. O professor tem autonomia para desenvolver seu próprio plano de trabalho e, por isso mesmo, pode e deve colaborar no trabalho coletivo de elaboração da proposta pedagógica da escola em que trabalha. A elaboração do projeto pedagógico é um momento de formação da equipe escolar e de autoformação de cada professor. É um momento em que ocorre a oportunidade de analisar a própria prática e a dos colegas, discutir objetivos e modos de alcançá-los, avaliar resultados, buscando atualização e aprimoramento.

Justificativa

Os projetos curriculares são permanentemente questionados a responder desafios científicos cada vez mais dinâmicos e de legítimas inserções sociais. Eles são, também, objeto de disputa entre interesses diversos tais como os advindos dos controles corporativos relacionados ao exercício de profissões, das forças do mercado, das expectativas dos educadores, etc.

Os currículos, além das dimensões formais de ordenamento de áreas específicas de saberes e das questões pedagógicas próprias derivadas de sua implementação, possuem dimensões políticas mais amplas e complexas.

Não é raro encontrar alunos insatisfeitos com o que a escola lhes oferece e professores, diretores, coordenadores acadêmicos com manifestações de mal-estar com relação ao processo acadêmico sobre o qual são responsáveis. Este sentimento se acresce na medida em que constatam o fato de que as escolas não mais monopolizam a informação, esta cada vez mais difusa e generalizada graças ao enorme avanço que se realiza no campo das tecnologias de informação e comunicação.

Ainda que haja o fenômeno da resistência dos profissionais da educação à mudança em suas práticas pedagógicas, não é este o fator mais decisivo para que as inovações aconteçam na realidade das escolas. Há aspectos sociais, políticos e ideológicos, no interior do conceito de currículo, que podem explicar a possibilidade ou não destas mudanças, que não dependem simplesmente de alterações de conteúdos.

O currículo é uma prática socialmente construída e historicamente formada. Ele envolve o conjunto das experiências planificadas proporcionadas pelo colégio tendo em vista a concretização dos objetivos da aprendizagem. Não é algo estático vinculado somente a conhecimentos que se deseja transmitir. Envolve, também, práticas políticas e administrativas, condições estruturais, materiais e a formação dos educadores.

Quando se propõem inovações educativas como esta de integrar o Ensino Médio e o ensino técnico, é importante considerar as condições, os fatores e as variáveis determinantes de seu êxito ou fracasso. Trata-se de um fenômeno complexo, sem delimitações precisas e que pode ser interpretado sob diferentes pontos de vista.

A despeito disso, pode-se tomar, como básica, a idéia de que inovação educativa pressupõe sempre novos objetivos pedagógicos emanados de investigações com vistas à solução de problemas anteriormente identificados.

Uma inovação educacional não é um bem em si mesma; precisa passar pela prática pedagógica e ser avaliada. Ela também não é unilateralmente determinante de melhorias educacionais, pois é preciso considerar outros aspectos intervenientes como condições culturais, socioeconômicas e ideológicas do sistema social onde se processa a educação e a realidade mesma da prática do educador.

A inovação educacional também pode ser vista como objeto de conflitos e de compromissos e, por isso, não pode ser implementada de forma automática, pressupondo sempre negociações entre os interesses envolvidos. Ela depende, ainda, do modo como os professores e demais envolvidos a compreendem, interpretam e implementam.

Fundamentação Teórica

O Cine_sociologia é um projeto pedagógico que busca desenvolver uma reflexão critica sobre os problemas da sociedade burguesa através do filme. É um projeto de extensão de sociologia e cinema que busca utilizar o filme como recurso pedagógico-crítico. A sociologia é a disciplina da modernidade do capital. Ela surgiu com o capitalismo industrial. A sociologia crítica é a ciência social capaz de apreender as múltiplas determinações do ser social capitalista inscritas na narrativa fílmica.

O Projeto Cine_sociologia busca dialogar com elementos sociológicos sugeridos pelo filme. O filme reflete (e representa) uma totalidade social concreta. Ele compõe um conjunto complexo de sugestões temáticas que podem ser apropriadas para uma reflexão critico - sociológica. Na verdade, é através do social que podemos apreender os nexos significativos da estrutura fílmica. Mesmo um drama psicológico ou um filme de terror possui, em última instância, elementos significativos que refletem (ou representam) determinadas traços da vida social. É através da análise critica do filme que podemos nos apropriar destas sugestões temáticas. Não compete ao filme explicar. O filme apenas sugere. É a teoria sociológica critica (e dialética) que é capaz de, a parir das sugestões do filme, contribuir para o conhecimento social. Portanto, pode ser uma atividade deveras prolífica discutir sociologia a partir do filme (o que interessa ao Projeto Cine_sociologia, mais do que discutir o filme a partir da sociologia).

Acreditamos que a tecnologia é um direito do cidadão contemporâneo, na medida em que possibilita a ele conhecer e utilizar novas ferramentas e novas linguagens, fundamentais para o domínio e a autonomia na convivência e no trabalho com o mundo atual e globalizado.

O Projeto Cine_sociologia não é um projeto de sociologia do cinema, mas sim de sociologia e cinema. Para nós, o filme é apenas um pré-texto para uma reflexão critica sobre a sociedade burguesa em seus múltiplos aspectos. É claro que, ao utilizarmos o filme no processo pedagógico, temos que passar pela instância do meio fílmico, isto é, a forma fílmica, sua dimensão estético-instrumental, mediação ineliminável da Sétima Arte. Entretanto, nossa proposta é ir além, desenvolvendo discussões sociológicas a partir de eixos temáticos sugeridos pelo filme, desvelando, através da análise critico - dialética categorias sociais e elementos reflexivos não necessariamente postos conscientemente pelo diretor ou roteirista do filme. Enfim, a verdadeira obra de arte pode ser superior - no sentido de ir além - do próprio criador, tanto no sentido ontológico (não existe sujeito-objeto idêntico), quanto epistemológico. Todo filme possui uma dimensão estético-formal, mas possui também, em si, uma dimensão político-sociológica, que contém, de forma implícita, elementos essenciais da sociabilidade burguesa. Todo filme é, deste modo, tanto reflexo sociológico, quanto representação ideológica do mundo burguês. É claro que o reflexo sociológico pode estar mistificado, invertido ou obliterado pela representação ideológica.

De modo geral, novas formas midiáticas estão sendo gradativamente introduzidas nos colégios, e não podemos deixar que os alunos de nossa comunidade fiquem à margem desse processo.

Para isso torna-se necessário criar um espaço especial no Colégio para aplicação da produção audiovisual. Uma Sala de exibição de vídeos. Este setor será responsável pelo processo de implantação e acompanhamento do Projeto Cine_sociologia.

: Conteúdo -: Objetivos-

o Compreender os elementos cognitivos, afetivos, sociais e culturais que constituem a identidade própria e a dos outros.

o Compreender a sociedade, sua gênese e transformação, e os múltiplos fatores que nela intervêm como produtos da ação humana; a si mesmo como agente social; e os processos sociais como orientadores da dinâmica dos diferentes grupos de indivíduos.

o Compreender o desenvolvimento da sociedade como processo de ocupação de espaços físicos e as relações da vida humana com a paisagem, em seus desdobramentos político-sociais, culturais, econômicos e humanos.

o Compreender a produção e o papel histórico das instituições sociais, políticas e econômicas, associando-as às práticas dos diferentes grupos e atores sociais, aos princípios que regulam a convivência em sociedade, aos direitos e deveres da cidadania, à justiça e à distribuição dos benefícios econômicos.

o Traduzir os conhecimentos sobre a pessoa, a sociedade, a economia, as práticas sociais e culturais em condutas de indagação, análise, problematização e protagonismo diante de situações novas, problemas ou questões da vida pessoal, social, política, econômica e cultural.

o Entender os princípios das tecnologias associadas ao conhecimento do indivíduo, da sociedade e da cultura, entre as quais as de planejamento, organização, gestão, trabalho de equipe, e associá-las aos problemas que se propõem resolver.

o Entender o impacto das tecnologias associadas às ciências humanas sobre sua vida pessoal, os processos de produção, o desenvolvimento do conhecimento e a vida social.

o Entender a importância das tecnologias contemporâneas de comunicação e informação para planejamento, gestão, organização, fortalecimento do trabalho de equipe.

o Aplicar as tecnologias das ciências humanas e sociais no colégio, no trabalho e em outros contextos relevantes para sua vida.

: Temas:

A Sociologia de Émile Durkheim

: Duração: 2 aulas

Conceitos:

1. Sociologia como Ciência; Os fatos Sociais como objeto da Sociologia; Da divisão Social do Trabalho; O suicídio como objeto sociológico

 

Organização das atividades:

Apresentação pelos alunos estagiários da Sociologia de Durkheim em forma de vídeo. Os conceitos serão sintetizados em um resumo distribuído à turma. Os conceitos acima foram selecionados por estarem mais evidentes no filme. Embora outros conceitos possam ser levantados e explorados à posteriori.

Os alunos após apresentação e leitura do resumo sobre Sociologia e Durkheim serão convidados à assistirem o filme GATTACA, sendo que deverão ficar atentos às seguintes perguntas:

1. A sociedade prevalece sobre o indivíduo, ou seja, os fatos sociais orientam a vida dos indivíduos em sociedade?

2. É a sociedade que organiza, condiciona e controla as ações individuais e então, aprende a seguir normas e regras de ação, que são exteriores e coercitivas?

3. As instituições socializam os indivíduos, fazem com que eles assimilem as regras e normas necessárias à vida em comum?

4. O suicídio anômico, se relaciona com uma situação de desregramento, típica dos períodos de crise, que impede o indivíduo de encontrar uma solução bem definida para os seus problemas, situação que favorece um sucessivo acumular de fracassos e decepções propícias ao suicídio?

Eles deverão responder aos itens anteriores com base no filme assistido. Em que cena eles identificaram o item perguntado e por que eles acham que a cena o responde. Deverão trazer na próxima aula as respostas por escrito. Um aluno_estagiário recolherá as respostas e em breve serão devolvidas em forma de DVD e colocadas no site:

http://br.oocities.com/liceunilo2007/

 

Finalidades

As ações de formação devem apoiar-se em estratégias que partem e consideram a demanda, que estejam centradas nas equipes e que ocorram nos próprios colégios. Desse modo, concretiza-se uma formação permanente coerente com os princípios pedagógicos da reforma: de identidade, diversidade e autonomia dos colégios e das equipes; de contextualização na realidade escolar; de interdisciplinaridade no trabalho em equipe.

 

Construção de um Projeto de Ciências Sociais

A mídia fílmica faz parte da cultura contemporânea e a escola tem um papel fundamental, de valorizar as tecnologias já conhecidas dos alunos e dela se apropria. Corremos o risco sermos fossilizados em vida.

É principalmente através da escola, que antigas e novas gerações têm oportunidade de participar, compreender, decidir e de sentirem-se autônomas em relação às tecnologias que já fazem parte do dia-a-dia. Ao se apropriar destas a escola cumpre seu papel social, seja realizando obras sofisticadas, seja concretizando projetos antes apenas imaginados, seja estabelecendo novas relações com o mundo ou ampliando a sua participação e interação cultural, intelectual, social, profissional e política.

 

Projeto Pedagógico

A proposta pedagógica da análise do filme pressupõe sujeitos de recepção ativos e dispostos a uma experiência crítica. Não é meramente "colar" a ideologia no filme, mas utilizar a obra de arte para desenvolver uma consciência crítica. Deste modo, o Projeto Cine_sociologia é incompatível com a análise dogmático-sectária (algumas vezes, a utilização do filme como mera ilustração de conteúdo dado em sala de aula possui certo viés dogmático).

O Projeto Cine_sociologia se propõe a fazer o caminho inverso da indústria cultural que quer tão-somente entreter o público - o importante é fazê-los sentir e refletir.

Assim, o aluno estará fazendo uso do seu aprendizado, o aprender/fazendo, que contribuirá para o seu pleno desenvolvimento e construção de sua autonomia.

 

Metodologia

O professor no Projeto Cine_sociologia deve atuar como facilitador ou mediador da prática reflexiva, procurando evitar a dispersão que é comum numa análise de filme. O operador deve instigar o estudo prévio dos elementos teórico-analíticos, seu arcabouço teórico-categorial. Análise de filme é difícil, pois além do domínio criativo da teoria sociológica explicativa, exige imaginação sociológica. Não basta a teoria, é preciso, muitas vezes, ir além dela, re-criando-a. O maior perigo da análise do filme é o subjetivismo. Deve-se "cruzar" as interpretações e buscar, no interior da estrutura narrativa, seu sentido imanente. É de fundamental importância a capacitação teórico-analitica do professor na metodologia do Projeto Cine_sociologia. Aliás, sem tal capacitação não existe análise critica. O papel do sujeito-receptor é importante. É ele que apreende os significados imanentes da obra fílmica. Mas tal apreensão critica exige um público qualificado. Um professor operador deve saber utilizar tal meio para educar o público sobre o significado concreta de categorias da dialética social. Uma categoria é uma forma de ser, uma determinação da existência, como diria Marx. Esta é a função pedagógica do Projeto Cine_sociologia. Parafraseando Picasso poderíamos dizer que o filme é uma mentira, mas uma mentira que nos ensina a verdade. Mas para isso precisamos estar abertos à apreender tal verdade sociológica através de uma análise dialética, que se mostra capaz para isso. É interessante o confronto de análises de filme, pois é através deste confronto analítico que a dialética materialista demonstra sua superioridade heurística em relação às demais abordagens sociológica ou psicológica.

Atividades:

Após escolha do filme os alunos terão embasamento teórico-metodológico sobre o tema tratado no vídeo (película fílmica).

Assistirão ao filme e logo após farão a análise fílmica.

Avaliação:

Após a discussão do filme, respostas orais e apresentação de produção textual para ser colocada no site e no DVD.

PLANO DE AULA_2007

Escola: COLÉGIO NILO PEÇANHA

Série: 3º ANO DO ENSINO MÉDIO

Turma: 3014

Disciplina: SOCIOLOGIA

Unidade: DURKHEIM

Tema da aula: SOCIOLOGIA DE DURKHEIM/GATTACA

Aluno-professor: Angela, Antônio Carlos, Roberton, Wallace

Data: 17/05/2007

 

Objetivos:

1) Cognitivo:

" A transmissão de conhecimentos sociológicos se liga à necessidade de ampliar a esfera dos ajustamentos e controles sociais conscientes, na presente fase de transição das sociedades ocidentais para novas técnicas de organização do comportamento humano.

" Trabalhar a linguagem fílmica não apenas como forma de expressão e comunicação, mas como constituidora de significado, conhecimento e valores;

" Adotar através do uso do cinema/DVD/filme estratégia de ensino diversificada, que mobilizem menos a memória e mais o raciocínio e outras competências cognitivas superiores, bem como potencializem a interação entre aluno-professor e aluno-aluno para a permanente negociação dos significados dos conteúdos curriculares, de forma a propiciar formas coletivas de construção do conhecimento;

" Estimular todos os procedimentos e atividades que permitam ao aluno reconstruir ou "reinventar" o conhecimento didaticamente transposto para a sala de aula, entre eles a experimentação, a execução de projetos, o protagonismo em situações sociais via cinema/DVD/filme;

" Organizar os conteúdos de ensino em estudos ou áreas interdisciplinares e projetos que melhor abriguem a visão orgânica do conhecimento e o diálogo permanente entre as diferentes áreas do saber;

" Tratar os conteúdos de ensino de modo contextualizado, aproveitando sempre as relações entre conteúdos e contexto para dar significado ao aprendido, estimular o protagonismo do aluno e estimulá-lo a ter autonomia intelectual;

2) Afetivo:

" Lidar com os sentimentos associados às situações de aprendizagem para facilitar a relação do aluno com o conhecimento.

TEMPO

CONTEÚDO

PROCEDIMENTOS/ INCENTIVOS

RECURSOS

OBSERVAÇÕES

5 min

Apresentação do Conteúdo/Projeto

Oral

Quadro-Negro

15 min

Introdução

Oral-Vídeo/DVD

TV/DVD

50 min

Desenvolvimento

Vídeo/DVD

TV/DVD

15 min

Conclusão

A partir das respostas obtidas dos alunos

5 min

Avaliação

Participação nas respostas

Bibliografia:

http://adorocinema.cidadeinternet.com.br/filmes/gattaca/gattaca.asp

http://br.oocities.com/asouza22/

http://br.oocities.com/liceunilo2007/

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_03_internet.pdf

ANEXO I

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA

As transformações ocorridas na sociedade feudal, com a implantação de técnicas de cultivo aprimoradas e a substituição da mão de obra servil pela assalariada, deram início ao que hoje conhecemos como Capitalismo. Tal mudança não somente afetou o sistema feudal como também o meio social, implicando o desmoronamento da moral e dos valores, até mesmo religiosos. Émile Durkheim analisa a sociedade na Europa durante o surgimento de uma nova economia.

Émile Durkheim (Nasceu em Épinal, 15 de abril de 1858 - Paris, 15 de novembro de 1917, Épinal é uma cidade situada no noroeste da França, capital do departamento de Vosges, na região Lorena. A cidade é atravessada pelo rio Mosela. Épinal é a cidade de nascimento de Émile Durkheim e de Marcel Mauss.) é considerado um dos pais da sociologia moderna. Durkheim foi o fundador da escola francesa de sociologia, posterior a Marx, que combinava a pesquisa empírica com a teoria sociológica. É reconhecido amplamente como um dos melhores teóricos do conceito da coerção social.

Partindo da afirmação de que "os fatos sociais devem ser tratados como coisas", forneceu uma definição do normal e do patológico aplicada a cada sociedade, em que o normal seria aquilo que é ao mesmo tempo obrigatório para o indivíduo e superior a ele, o que significa que a sociedade e a consciência coletiva são entidades morais, antes mesmo de terem uma existência tangível. Essa preponderância da sociedade sobre o indivíduo deve permitir a realização desse, desde que consiga integrar-se a essa estrutura. Para que reine certo consenso nessa sociedade, deve-se favorecer o aparecimento de uma solidariedade entre seus membros. Uma vez que a solidariedade varia segundo o grau de modernidade da sociedade, a norma moral tende a tornar-se norma jurídica, pois é preciso definir, numa sociedade moderna, regras de cooperação e troca de serviços entre os que participam do trabalho coletivo (preponderância progressiva da solidariedade orgânica).

"(...) Aguçava-se, então, a consciência de que o repertório de criar num novo sistema científico e moral que se harmonizasse com a ordem industrial emergente. Aliás, o industrialismo, com sua incontida força de transformação, impunha-se para todos como a marca decisiva da sociedade moderna. Por outro lado, difundia-se a concepção de que a vida coletiva não era apenas uma imagem ampliada da vida dos indivíduos, mas constituía um ser distinto, mais complexo e irredutível às partes que constituem (...)" .

Ele percebia na ciência social uma expressão da consciência racional das sociedades modernas. Desenvolveu um método de análise próprio baseado no Positivismo, em que as premissas são a observação, a indução e a experimentação - método positivo.

Na verdade, porém, há em toda sociedade um grupo determinado de fenômenos com caracteres nítidos, que se distingue daqueles estudados pelas outras ciências da natureza.

Veja-se a maneira pela qual são educadas as crianças. Toda a educação consiste num esforço contínuo para impor a elas maneiras de ver, de sentir e de agir, às quais não chegariam espontaneamente. Como nos testemunha o Autor: "(...) A pressão de todos os instantes que sofre a criança é a própria pressão do meio social tendendo a moldá-la à sua imagem, pressão de que tanto os pais quanto os mestres não são senão representantes e intermediários. (...)".

Fato moral apresenta dois aspectos contraditórios: obrigação e desejo. A moral tem por objetivo o grupo; ela faz a ligação do grupo. Para ele, a sociedade é um aglomerado de personalidades distintas que a compõem; logo, ela é um bem e uma obrigação, pois se apresenta a partir de certos preceitos de caráter obrigatório. Nesse sentido, podemos ver que o indivíduo é o que a sociedade ou o todo deseja que seja, podendo até mesmo ser inadequada à realidade subjetiva.

Na visão de Durkheim, a realidade social apresentará dois aspectos: o subjetivo e o objetivo - exemplifiquemos: cada povo, em determinado tempo, pode ter uma moral vigente que os tribunais utilizem; uma opinião comum, que fortaleça uma moral comum; e um grande número de morais particulares de cada indivíduo que compreenda e veja sob ângulos diferentes, influenciado por educação, hereditariedade etc.

A divisão do trabalho social seria o grande responsável pelo esmaecimento da harmonia ou coesão social, pois, à medida que o trabalho se individualiza, o indivíduo debruça-se sobre suas tarefas, isola-se em sua atividade especial. Ele não mais nota a presença dos colaboradores que trabalham a seu lado, na mesma obra, e não concebe a idéia dessa obra comum. À medida em que há a perda da visão de conjunto, há o esmaecimento das normas que refletem a solidariedade grupal. O enfraquecimento da interação impede o desenvolvimento de um sistema de regras comuns e de um consenso. Nesse momento, há uma ausência relativa de valores, que Durkheim define como Anomia . Por esta razão é que Durkheim tenta reconstruir o social através do trabalho.

Para o Autor, a solidariedade social é um fenômeno social e o Direito é um fato que ajuda a analisar esse fenômeno, por ser um símbolo visível. O Direito reflete parte da vida social, e os costumes corrigem os rigores do Direito, pois apresentam um tipo de solidariedade diferente do Direito. Para Durkheim, o Direito reproduz as formas principais da solidariedade social. Ele, ainda, propõe a divisão da ciência em:

a) normas jurídicas repressivas, que procuram atingir o agente em sua honra, ou até mesmo a liberdade, cujo objetivo é consumar vingança ou inibir possíveis imitadores.

b) normas jurídicas restitutivas, que implicam o restabelecimento das relações perturbadas, sob sua forma normal. Ambos correspondem aos dois tipos de solidariedade.

Na solidariedade mecânica, o indivíduo fere a consciência coletiva, e em razão disso a sociedade o penaliza com a finalidade de defender-se; enquanto, a solidariedade orgânica surge com a individualização do trabalho, pois, se cada órgão tem sua autonomia, não gerará aproximação das consciências do grupo.

Os conceitos desenvolvidos por Durkhein apresentam aplicabilidade nas sociedades atuais. Em nações onde as normas jurídicas não são claramente definidas, o Direito se baseia nos costumes já adotados. Por outro lado, o capitalismo trouxe para nossa sociedade a necessidade de adaptação à realidade atual, de modo que o Direito que teve de se diversificar para atender à infinidade de causas existentes.

ANEXO II

Passado em um tempo futuro, Gattaca mostra uma sociedade em que as corporações tornaram-se mais poderosas que o Estado e em que a manipulação genética criou uma nova espécie de preconceito e hierarquia racial, legitimada pela ciência. Aos pais que desejam ter filhos é dada a oportunidade de manipular a interação entre seus DNAs de modo que gerem filhos com a melhor combinação de qualidades genéticas possível. Este procedimento acaba criando duas categorias diferentes de pessoas: os Válidos, frutos desta combinação genética planejada, que são quase super-homens, com raras doenças genéticas; e os Inválidos, frutos de nossa interação sexual usual. Aos Válidos são oferecidos os melhores empregos e as melhores oportunidades enquanto que os Inválidos chegam a ser impedidos de freqüentar determinados lugares.

A história do filme é a de dois irmãos, um concebido da maneira natural e o outro manipulado geneticamente. O Inválido, interpretado por Ethan Hawke, tem várias doenças genéticas e, ao ter seu DNA examinado quando nasce, já tem uma data prevista para sua morte. Contudo, o garoto sonha em viajar ao espaço - emprego impensável para alguém com seus problemas - e vai buscar todas as maneiras possíveis para superar suas limitações ao mesmo tempo em que tem que esconder de todos que é um Inválido.

Vincent torna-se, então, Jerome Morrow, membro da elite da corporação aeroespacial Gattaca.

Comecemos a discussão...

O filme Gattaca, reflete sobre os caminhos a que a engenharia genética pode levar e os impactos que esta tecnologia - e a ciência de um modo geral -- podem ter na sociedade. É um ensaio sobre o que pode ser uma sociedade em que o destino das pessoas esteja pré-determinado cientificamente, em que não haja o mínimo espaço para a ação do indivíduo na construção de seu próprio futuro. Também é uma reflexão sobre como a ciência pode ser usada para legitimar e, no caso, criar uma hierarquia social, principalmente se feita sem crítica e controle da sociedade.

Se todo conhecimento humano é social em sua constituição e nas conseqüências que o produz, só o conhecimento científico da sociedade permite compreender o sentido da explicação do mundo 'natural' que as ciências naturais produzem.

O filme reporta a especialização do trabalho e as formas hierárquicas de convívio social que levaram à diferenciação e à desigualdade social. Estas podem ocorrer em praticamente todos os níveis da realidade social. Já ao nível dos fundamentos da sociedade há diferenciações de papéis a partir de condições biológicas (sexo, idade e biótipo), ecológicas (grupos territoriais) e psicossiais (grupos associados a determinados comportamentos).

Gattaca trata da diferenciação através das condições biológicas (código genético, seleção de embriões com melhor genótipo, etc.)

Analisando Gattaca sob os auspícios durkheimianos, não pretendemos reduzir outras observações, isto é, outros teóricos, mas perceberemos que Durkheim se esforça para tratar os fatos da vida moral a partir do método das ciências positivas sem no entanto seguir o método de ciências positivas como a biologia, a psicologia, a sociologia. Longe de pretender tirar a moral da ciência, seu objetivo é, antes, fazer a ciência da moral. Não trataremos por ora, a questão ética da seleção genética. Agora nosso ponto se encontra na divisão social do trabalho.

A divisão social do trabalho surge quando grupos de produtores realizam atividades específicas em conseqüência do avanço dum certo grau de desenvolvimento das forças produtivas e de organização interna das comunidades. No caso de Gattaca encontramos "tipos biológicos" específico para determinados trabalhos.

À divisão social do trabalho alia-se a tendência para a apropriação, numa primeira fase, dos instrumentos de trabalho e, posteriormente, dos restantes meios de produção. Determinam-se relações sociais entre os indivíduos respeitantes ao uso e posse dos instrumentos, dos materiais e até dos bens produzidos. A questão passa pela capacidade intelectual de determinados indivíduos "válidos ao sistema de Gattaca".

A formação de grupos de pessoas com diferentes posições no processo produtivo é assegurada por formas de propriedade que acabam por conduzir à divisão da sociedade em classes sociais e por permitir a uma parte da sociedade explorar a outra.

A divisão do trabalho na sociedade é característica de todas as sociedades conhecidas. Ela é produto peculiar da sociedade capitalista onde divide a sociedade entre ocupações, cada qual apropriada a certo ramo de produção. A divisão pormenorizada do trabalho destrói ocupações consideradas neste sentido, e torna o trabalhador inapto a acompanhar qualquer processo completo de produção.

Em Gattaca quem não for genotipicamente superior não entra em determinadas profissões consideradas "superiores".

Enquanto a divisão social do trabalho subdivide a sociedade, a divisão parcelada do trabalho subdivide o homem, e enquanto a subdivisão da sociedade pode fortalecer o indivíduo e a espécie, a subdivisão do indivíduo, quando efetuada com menosprezo das capacidades e necessidades humanas, é um crime contra a pessoa e contra a humanidade. Nesse aspecto podemos questionar até que ponto a seleção genética seria ética. A ciência pode dispor da seleção de indivíduos em uma sociedade? Pode atribuir, estabelecer, determinar as qualificações perante a análise do DNA humano?

A divisão do trabalho, onde cada elemento do grupo tem uma função específica, para Durkheim, a possibilidade de coesão na sociedade moderna se dá, principalmente, através da divisão do trabalho, quando a consciência comum perde seu lugar para a consciência individual exaltando, assim, as diversidades humanas e o individualismo. Com essa divisão e especialização do trabalho, a sociedade perde o controle das funções dos seus membros; é aí que entra o direito, como regulador das atividades humanas, utilizando-se da criação de leis e órgãos cada vez mais eficazes a fim de evitar que a coesão social seja fragilizada, assegurando, dessa forma, a ordem e o estado de paz na sociedade com uma moral de fato.

Esse é o principal modo de controle (domínio) identificado na sociedade da perspectiva de Durkheim. Esta moral é algo bom, pois assegura o funcionamento do todo social, e obrigatório já que imprime nas consciências individuais comportamentos vitais à existência em sociedade. Sendo assim, as anomias (ausência de solidariedade) que instabilizam temporariamente a sociedade necessitam da criação de uma nova moral, resultante das corporações de ofício e que legitimada por determinado grupo de operários, por exemplo, fortalece a solidariedade comum, pois vai de encontro às particularidades existentes no cenário social. As novas morais que surgem contam com a adesão dos indivíduos, independente de suas particularidades, pois se demonstram adequadas ao desafio de manter a funcionalidade do organismo social.

Trata-se de uma perspectiva autoritária uma vez que impõe condições em prol do bem comum, ou seja, condições que viabilizam a vida em sociedade apesar das individualidades identificadas entre os atores sociais.

Atividades dos Alunos:

Com base nas teorias de Durkheim e no filme GATTACA responda as questões da seguinte forma:

1. A sociedade prevalece sobre o indivíduo, ou seja, os fatos sociais orientam a vida dos indivíduos em sociedade?

PARA RESPONDER VOCÊ PODE ESCOLHER UM TÍTULO DE UMA MÚSICA, FAZER UM POEMA.

2. É a sociedade que organiza, condiciona e controla as ações individuais e então, aprende a seguir normas e regras de ação, que são exteriores e coercitivas?

PARA RESPONDER VOCÊ PODE CITAR INSTITUIÇÕES QUE VOCÊ CONHECE FAZENDO UMA LISTA. Exemplo: Escola: estabelece horários, controla alunos e professores em um ambiente onde as regras são estabelecidas, às vezes, em comum acordo. (Lembre-se dos outros tipos de instituições que você encontra em sua cidade!)

3. As instituições socializam os indivíduos, fazem com que eles assimilem as regras e normas necessárias à vida em comum?

VOCÊ PODE RESPONDER CITANDO PROFISSÕES. APROVEITE E FALE SOBRE A SUA, OU QUAL ATIVIDADE VOCÊ GOSTARIA DE EXERCER E POR QUÊ.

4. O suicídio anômico, se relaciona com uma situação de desregramento, típica dos períodos de crise, que impede o indivíduo de encontrar uma solução bem definida para os seus problemas, situação que favorece um sucessivo acumular de fracassos e decepções propícias ao suicídio?

AGORA NÃO TEM JEITO! NO FILME ACONTECE UM SUICÍDIO. ESCREVA POR QUÊ O SUJEITO SE MATOU.

Os alunos deverão trazer na próxima aula as respostas por escrito. Um aluno_estagiário recolherá as respostas e em breve serão devolvidas em forma de DVD e colocadas no site: http://br.oocities.com/liceunilo2007/

Não se esqueçam do nome e do número da turma!

SE VOCÊS PERMITITEM COLOCAREMOS AS FOTOS TIRADAS TAMBÉM.

QUANDO DEVOLVERMOS OS TRABALHOS LEVAREMOS AS FOTOS NO DVD PARA VOCÊS VEREM. APROVEITAREMOS E TIRAREMOS MAIS. QUE TAL AS FOTOS DA TURMA NO SITE?

OBS. PRECISAMOS DAS RESPOSTAS PARA PUBLICARMOS O SITE!

Nicterói/2007

 

1