Sir Athur Conan Doyle
 
 


criador do mais famoso detetive do mundo, Sherlock Holmes, e autor de suas sessenta histórias, nasceu em Edimburgo no dia 22 de Maio de 1859. Filho de Charles Doyle, pintor casual de descendência Irlandesa, e Mary Foley Doyle, também de parentesco Irlandês.

Em Outubro de 1876, Conan Doyle ingressou na Universidade de Edimburgo a fim de formar-se em medicina. Foi lá que conheceu o Dr. Joseph Bell, cirurgião do Hospital de Edimburgo e professor na Universidade, cujos surpreendentes métodos de dedução e análise serviram de grande inspiração na futura criação de seu detetive. De maneira similar a Holmes, o Dr. Bell explicava os sintomas de seus pacientes, até mesmo contava-lhes detalhes de suas vidas, antes que eles pronunciassem uma palavra sequer.

Incentivado pelos conselhos de um amigo, que mencionara como suas cartas eram expressivas, Conan Doyle percebeu que algum dinheiro poderia ser efeito fora do campo medicinal. Foi então que ele escreveu sua primeira história, "O Mistério de Sassassa Valley", publicada, anonimamente, por míseros três guinéus no Chamber's Journal, em 1879. O conto revela sua precoce idéia da aparição de uma "besta demoníaca", tema que ele mais tarde explorou na mais famosa história de Sherlock Holmes, "O Cão dos Baskervilles".

Foi nas horas de ócio em seu consultório médico que Doyle começou a esboçar o que mais tarde seria seu detetive. Inspirado em Gaboriau, no detetive Dupin, de Poe, e logicamente, no seu tutor Joseph Bell, Conan Doyle criou a primeira versão do que seria o detetive que conhecemos hoje - um tal de Sherringford Holmes, posteriormente Sherlock Holmes.

Depois de muitas tentativas e frustrações, Doyle conseguiu que sua primeira história estrelando o detetive e seu escudeiro Watson fosse publicada. "Um Estudo em Vermelho" apareceu na Beeton's Christmas Annual, em 1887. A boa aceitação do público levou-o a escrever sua segunda história de Holmes, o "Signo dos Quatro". O detetive começava a chamar a atenção, atraindo aos poucos o que se tornariam mais tarde fiéis leitores.

Nos intervalos das histórias do detetive, Doyle dedicou-se a obras "mais sérias", mais apreciadas pelo escritor, como "A Companhia Branca", "As Façanhas do Brigadeiro Gerard" e "Micah Clarke". Esse último, um grande sucesso. Doyle acabou, assim, abandonando a medicina para seguir definitivamente a carreira literária.

As histórias de Sherlock Holmes tornavam-se mais e mais populares, obrigando Conan Doyle a continuar criando casos para seu detetive. E quanto mais vezes o detetive expunha suas habilidades para o público estupefato, mais as outras obras de Doyle tornavam-se obscurecidas. Em 1891, escreveu à sua mãe: "Tenho pensado em matar Holmes... e livrar-me dele para sempre. Ele mantém minha mente afastada de coisas melhores".

A idéia de acabar com Holmes permanecera com Doyle, e durante sua visita à Suíça, em 1893, conheceu as cataratas Reichenbach, local que escolheu como palco para o encontro fatal entre Holmes e o Professor Moriarty. Pretendia, assim, pôr um fim às histórias de Holmes e dar espaço às suas obras mais clássicas.

Para a grande surpresa de Doyle, a morte de Sherlock Holmes, publicada em 1893 no caso "O Problema Final", chocou milhares de pessoas de todos os cantos do mundo. Muitos marcharam em luto pelas ruas de Londres, em protesto. O público não se conformava e clamava pela volta do detetive.

Assim, em meio a um turbilhão de protestos e insultos, Doyle foi obrigado a ressuscitar seu detetive no caso "A Casa Vazia", em 1903. Era a prova de que a criatura tornara-se mais forte do que o criador. Sherlock Holmes tinha tornado-se imortal.

No final de 1899, o conflito iminente entre a Inglaterra e a África do Sul deu a Doyle, um fervoroso patriota, a possibilidade de auxiliar seu país. Conseguiu a supervisão de um hospital estabelecido na África, onde tomou posto em 1900.

Juntamente com a guerra, veio de todo o mundo um surto de críticas contra a conduta do Império Britânico. Coube a Doyle defender os interesses de sua pátria, no panfleto amplamente traduzido "A Guerra na África do Sul: Suas Causas e Conduta".

Pelos seus esforços na defesa dos interesses de seu país, Conan Doyle recebeu, em 1902, o título de nobreza do Império. Passou, então, a portar o soberbo título Sir antecedendo seu nome.

Em 1912, Doyle introduziu ao mundo da literatura o célebre Professor Challenger, de "O Mundo Perdido", um conto sobre o renascimento da pré-história num lugar remoto da América do Sul.

Em seus últimos anos de vida, Conan Doyle dedicou-se ao estudo aprofundado do espiritismo, assunto sobre o qual escreveu exaustivamente. O espiritismo tornou-se uma religião para ele, e o levou a promover palestras em vários países, como a Austrália e África do Sul. Em 1922, declarou que a famosa foto das fadas de Cottingley era autêntica.

Morreu em 7 de Julho de 1930, debilitado por um ataque cardíaco que o afligira meses atrás.

Bibliografia:
Aventuras Inéditas de Sherlock Holmes, Sir Arthur Conan Doyle, compilado por Peter Haining, L&PM Pocket
The Ultimate Sherlock Holmes Encyclopedia, Jack Tracy, Gramercy Books
The Arthur Conan Doyle Society website (http://www.ash-tree.bc.ca/acdsocy.html)

 

Título: Um Estudo em Vermelho
  Título Original: A Study in Scarlet
 Autor:
Sir Arthur Conan Doyle
  Editora: Melhoramentos
 Tradução: Antonio Carlos Vilela
 Páginas: 120
  ISBN: 85-06-02994-5

 


Título: O Signo dos Quatro
  Título Original: The Sign of the Four
 Autor:
Sir Arthur Conan Doyle
  Editora: Melhoramentos
 Tradução: Antonio Carlos Vilela
 Páginas:
120
  ISBN: 85-06-02997-X
 


Título: O Vale do Terror
  Título Original: The Valley of Fear
 Autor:
Sir Arthur Conan Doyle
  Editora: Melhoramentos
 Tradução: Antonio Carlos Vilela
  Páginas: 120
  ISBN: 
 


Título: O Mistério do Vale Boscombe e Outras Aventuras
  Título Original: The Adventures of Sherlock Holmes
 Autor:
Sir Arthur Conan Doyle
  Editora: Melhoramentos
  Páginas: 125
  ISBN: 85-06-03092-7
  Contos Presentes: Um Escândalo na Boêmia, A Liga dos Cabeças Vermelhas, Um
Caso de Identidade, O Mistério do Vale Boscombe, As Cinco Sementes de Laranja, O Homem do Lábio Torcido. 


Título: O Ritual Musgrave e Outras Aventuras
  Título Original: The Adventures of Sherlock Holmes
 Autor:
Sir Arthur Conan Doyle
  Editora: Melhoramentos
 Tradução: Antonio Carlos Vilela
  Páginas: 120
  ISBN: 85-06-03094-3
  Contos Presentes: O Rosto Amarelo, O Ritual Musgrave, O Mistério da Rua Brook, O Caso do Intérprete Grego, O Tratado Naval, O Problema Final.


Título: O Enigma do Coronel Hayter e Outras Aventuras
  Título Original: The Adventures of Sherlock Holmes
 Autor:
Sir Arthur Conan Doyle
  Editora: Melhoramentos
 Tradução: Antonio Carlos Vilela
  Páginas: 118
  ISBN: 85-06-03093-5
Contos Presentes: O Rosto Amarelo, O Ritual Musgrave, O Mistério da Rua Brook, O Caso do Intérprete Grego, O Tratado Naval, O Problema Final.


Título: O Roubo da Coroa de Berilos e Outras Aventuras
  Título Original: ?
 Autor:
Sir Arthur Conan Doyle
  Editora: Melhoramentos
 Tradução: Antonio Carlos Vilela
  Páginas: ?
  ISBN: ?
Contos Presentes: ?
Avaliação: ?


Título: A Casa Vazia e Outras Aventuras
  Título Original: The Return of Sherlock Holmes
 Autor:
Sir Arthur Conan Doyle
  Editora: Ediouro
 Tradução: Lígia Junqueira
  Páginas: 165
  ISBN: 85-00-13009-1
  Contos Presentes: A Casa Vazia, O Construtor de Norwood, Os Dançarinos, O Ciclista Solitário, A Escola do Priorado, Pedro Negro.

Título: O Vampiro de Sussex e Outras Aventuras
  Título Original: The Case Book of Sherlock Holmes
 Autor:
Sir Arthur Conan Doyle
  Editora: Ediouro
 Tradução: Agenor Soares Moura
  Páginas: 149
  ISBN: 85-00-93013-6
  Contos Presentes: O Vampiro de Sussex, O Cliente Ilustre, O Rosto Lívido, A Pedra Mazarino, "As Três Empenas", Os Três Garridebs.


Título: O cão dos Baskervilles
  Título Original: A Study in Scarlet
  Autor: Sir Arthur Conan Doyle
 Editora: Melhoramentos
  Tradução: Antonio Carlos Vilela
  Páginas: 152
  ISBN: 85-06-02995-3
 


 

 
1