Cura Holística e Mudanças de Modelo:

O SURGIMENTO DA MEDICINA PARA A NOVA ERA



Estamos num extraordinário momento da história humana. A humanidade está literalmente no alvorecer de uma Nova Era. Nos últimos trinta ou quarenta anos a velocidade de aquisição de informações tomou-se tremendamente maior, ultrapassando a de qualquer outra fase da história humana. Graças aos novos sistemas de informação e à grande disponibilidade de livros, a enorme quantidade de conhecimentos que acumulamos através dos séculos tomou-se mais prontamente acessível a todas as pessoas. A ciência evoluiu a tal ponto que computadores e instrumentos semelhantes nos deram a capacidade, não apenas de armazenar e transmitir informações, como também de integrar velhos dados e alcançar novos níveis de compreensão de fenômenos que, embora já fossem conhecidos, não eram completamente entendidos.

Essas mesmas tecnologias de computador nos proporcionaram o instrumental necessário para penetrar em novas áreas do conhecimento e estender nossa visão até domínios literalmente invisíveis. Em nenhuma outra área essa nova visão está se tornando mais importante do que na compreensão das mais profundas funções da mente e do corpo humano. Graças aos novos sistemas de diagnóstico por formação de imagens, tais como o microscópio eletrônico, o tomógrafo computadorizado e o aparelho de exploração por ressonância magnética, os médicos dispõem de novos instrumentos para explorar a anatomia e a fisiologia humanas. O mais importante, talvez, é que esses mesmos sistemas de formação de imagens estão começando a nos revelar novos ratos a respeito do funcionamento do cérebro, a sede da consciência humana. Pela primeira vez na nossa história, estamos prestes a compreender o funcionamento do cérebro humano e o modo como as estruturas neurológicas internas estão relacionadas com a expressão da consciência.

Além do mais, nesta fase da história humana os pensadores de diferentes disciplinas científicas começaram a sintetizar suas descobertas e a descobrir novas relações entre a química, a física e a fisiologia humana básicas.

Ilya Prigogine, agraciado com o prêmio Nobel, e outros pensadores pioneiros descobriram relações matemáticas que controlam o modo pelo qual muitos sistemas se comportam. A aplicação da teoria das estruturas dissipativas de Prigogine a várias áreas da ciência demonstrou a existência de fascinantes semelhanças entre fenômenos tão simples como o comportamento de reações químicas e tão complexos quanto a criação de uma ordem superior na organização neurológica do cérebro. Outros teóricos, entre eles o neurocientista Katl Pribram, também chegaram à conclusão de que descobertas no campo da física de lasers e da holografia podem nos proporcionar novas maneiras de compreender como o cérebro consegue armazenar informaçòes.2 Descobertas realizadas em áreas da física de partículas de alta energia, relativas à subestrutura energética de toda a matéria deram aos cientistas uma melhor compreensão a respeito da unidade subjacente à natureza e ao mundo físico. Como os seres humanos atuam por intermédio de uru corpo físico, a descoberta de que a matéria é uma forma de energia congelada tem importantes implicações para a capacidade de a ciência compreender os detalhes mais complexos relacionados com o papel das energias sutis na fisiologia humana. Enquanto os pensadores modernos examinam todos esses dados científicos que se acumulam rapidamente, muitos cientistas começam a modificar seus pontos de vista a respeito do significado fundamental do homem como ser consciente e de sua posição no universo. listão surgindo novas e radicais idéias de acordo com as quais os seres humanos são considerados a partir de pontos de vistas bastante diferentes daqueles condicionados pelas velhas idéias mecanicistas e reducionistas da física newtoniana. Os teóricos da física quântica e da holografia são apenas os primeiros de uma nova linhagem de cientistas que começaram a investigar alguns dos complexos relacionamentos energéticos entre as pessoas e o seu ambiente. Conforme foi exposto em muitos livros populares publicados na última década, estamos no meio de uma grande mudança de modelo na qual a antiga cosmovisão mecanicista dos pragmatistas newtonianos é substituída pela nova perspectiva de um universo holístico interligado imaginada pelos pensadores einsteinianos. À medida que se desenvolvem novos pontos de vistas a respeito da natureza do mundo que nos rodeia e que começamos a compreender a função humana em termos de complexos modelos energéticos, muitos pesquisadores acabam se dando conta da existência de uma unidade básica de estrutura que nos liga ao universo. Os melhores especialistas em física quântica e em física de partículas estão agora chegando às mesmas conclusões a respeito da unidade subjacente à humanidade e à natureza que aquelas descritas pelos antigos filósofos indianos e chineses em seus escritos sobre as relações sutis do homem com o cosmo. A única diferença de abordagem entre o ponto de vista antigo e moderno é que os velhos mestres orientais e védicos chegaram às suas intromissões através da meditação e da exploração psíquica do universo, ao passo que os cientistas modernos chegaram às suas conclusões por uma via mais mecanicista, eletrônica e empírica. Quer sejam alcançadas através de jornadas internas de meditação ou de pesquisas externas, realizadas com a ajuda de instrumentos, as percepções finais dos cientistas modernos e dos filósofos antigos apresentam notáveis semelhanças entre si.

O modelo holográfico do universo nos proporciona uma nova base para a compreensão das interconexões energéticas invisíveis entre todas as coisas. Esse relacionamento fundamental entre os seres humanos e seu ambiente sempre foi algo percebido intuitivamente pelos antigos mestres orientais. Somente agora foi desenvolvida uma base científica teórica para essa profunda percepção interna. A visão einsteiniana da matéria como energia em forma de partículas nos mostra que somos todos constituídos pelos mesmos blocos de construção subatômicos. No nível subatômico, cada um de nós é um agregado complexo e singularmente organizado das mesmas partículas universais de energia. A medida que cientistas e teólogos começarem a considerar o universo a partir dessa nova perspectiva - de acordo com a qual o universo é, sob muitos aspectos, energia em evolução - as duas áreas poderão gradualmente encontrar um denomina comum. De certa maneira, estamos presenciando a primeira tentativa de reintegração entre religião e ciência, pois ambas as áreas estão mais uma vez começando a compreender o mundo a partir de uma visão unificada.

Todos os seres vivos e coisas inorgânicas são moldados a partir da mesma matéria existente em todo o universo físico. Os astrofísicos atualmente presumem que a matéria a partir da qual a Terra e seus habitantes foram formados provem de estrelas de segunda e terceira geração, semelhantes ao nosso próprio Sol. A grande variedade de elementos químicos existentes no nosso planeta foi produzida pela evolução molécular.

A fusão solar do hidrogênio para dar origem ao hélio, o processo alfa triplo de recombinação de hélio para formar o carbono, e assim por diante, forneceram os principais ingredientes para a evolução planetária e o surgimento da vida na Terra. Somos todos constituídos da mesma "matéria estelar", os blocos básicos de construção do universo.

E, quer o material provenha da agregação da poeira cósmica, da transformação dos átomos básicos de hidrogênio ou, até mesmo, da matéria astral, ela consiste basicamente de energia congelada na forma de partículas. Toda matéria é energia e luz em suas milhares de formas e manifestações.

O último ingrediente necessário para o entendimento desses processos cósmico é a compreensão de que a consciência participa de alguma forma de todo esse processo de evolução orgânica e planetária. Embora, para a maioria das pessoas, esse fragmento final do quebra-cabeça seja a parte mais difícil de engolir, esta é a força motivadora mais importante do processo evolutivo. De fato, a própria consciência é uma forma de energia. Ela é a forma mais elevada de energia e está integralmente envolvida com processos vitais. Se considerarmos a consciência como uma qualidade fundamental é uma forma de expressão das energias vitais, estaremos mais perto de compreender como o espírito interage com diversas formas de matéria física e se manifesto através delas. Na verdade, é a viagem do espírito através dos mundos da matéria que proporciona a maior força propulsora do processo evolutivo.

Somente quando começarmos a vislumbrar essa grande verdade acerca da nossa herança espiritual oculta é que poderemos malmente entender os aspectos superiores dos processos vitais dos seres vivos. A química e a física sozinhas não podem fornecer todas as respostas necessárias para a solução do quebra-cabeça representado pela fisiologia humana, como os cientistas newtonianos pragmáticos gostariam de acreditar. Só quando os componentes relativos às dimensões superiores da física e da química forem acrescentados à equação da vida é que poderemos compreender o sistema aberta de energia que constitui o ser humano multidimensional. As realidades do espírita não invalidam as leis da ciência. Elas apenas estendem as leis já existentes de modo a incluir nelas os fenômenos relativos às dimensões superiores da matéria, da mesma forma como físicos einsteinianos incorporaram as antigas descobertas da mecânica newtoniana mas não deixaram de ir muito além delas.

À medida que formos compreendendo não apenas a matéria física inorgânica, mas também o comportamento da matéria viva orgânica, considerada a partir de uma pespectiva energética sutil, estaremos criando os alicerces de uma nova medicina e uma nova psicologia dos seres humanos. Somente agora a sociedade está começando a testemunhar os primeiros vislumbres de compreensão desses princípios por parte da comunidade médica. Por enquanto, apenas um punhado de médicos pioneiros dedicou-se a investigar o relacionamento extremamente importante entre energia, matéria e consciência. Os cientistas e médicos da velha guarda continuam agarrados às suas velhas concepções mecanicistas a respeito das funções físicas e mentais. Eles relutam em aceitar os novos modelos de entendimento sem a apresentação de fatos científicos e de evidências experimentou rigorosamente comprovados. Todavia, chegou finalmente o momento em que estão sendo criadas as tecnologias da Nova Era, as quais irão confirmar as hipóteses defendidas pela nova geração de médicos/terapeutas.

Quando um maior número de médicos, de enfermeiras e de outros profissionais da saúde começarem a se interessar pela "medicina holística" e a se envolver com ela, haverá uma melhor compreensão a respeito do verdadeiro significado de holístico. O termo holístico, utilizado com referência às condições de saúde e bem estar dos seres humanos, implica não apenas um equilíbrio entre os diversos aspectos do corpo e da mente, mas também entre as forças multidimensionais do espírito, as quais, até o momento, foram imperfeitamente compreendidas pela grande maioria das pessoas. Na verdade, é o poder do espírito que movimenta, inspira e insufla vida nesse veículo que conhecemos como corpo físico. Um sistema de medicina que negue ou ignore a sua existência será incompleto, pois exclui o atributo mais importante da existência humana - a dimensão espiritual. À medida que os médicos forem vendo a si mesmos mais como agentes. promotores da cura e menos como clínicos, será dado mais valor ao espírito enquanto fator motivador da saúde.

Ao longo dos textos, tentei descrever os seres humanos como entidades que não são constituídas apenas por nervos, músculos e ossos.

Nós somos seres multidimensionais de energia e luz, cujo corpo físico é apenas um dos componentes de um sistema dinâmico maior. Em outras palavras, os seres humanos são complexos mente/corpo/espírito que existem num equilíbrio dinâmico contínuo com as dimensões energéticas superiores da realidade. Os tecidos que constituem o nosso corpo físico necessitam não só de oxigênio, glicose e nutrientes químicos mas também das energias vibracionais superiores que conferem à estrutura física suas propriedades vitais e de expressão criativa.

Essas energias sutis apresentam uma natureza hierarquizada e atuam a partir dos níveis superiores até se manifestarem no nível do corpo físico. As energias vibracionais superiores representam as estruturas organizacionais da consciência que utilizam o corpo físico como um veículo de expansão no nosso universo do espaço/tempo físico. Cada corpo e personalidade físicos é um prolongamento de uma consciência espiritual superior que procura evoluir através das experiências de aprendizado vividas na escola terrena da vida A propensão do espírito para evoluir em direção a uma qualidade superior de consciência é a força motivadora que está por trás do sistema reencarnacionista. Essa qualidade superior de consciência só pode ser alcançada através de experiências individuais e de muitas vidas no corpo físico. Assim, o espírito usa a forma física como uma ferramenta de ensino e aprendizado. Embora o corpo físico possa ser transitório, o conhecimento e a experiência obtidos durante a fase em que o espírito ocupa a forma física são permanentes.

O mecanismo que controla o fluxo das energias superior para a forma física é constituído principalmente pelo sistema chakra-nàdi e pela interface físico-etérica. A interface fisico-etérica é uma extraordinária ponte de energias sutis na qual está incluído o sistema de meridianos acupunturais. Ela liga a forma orgânica/molecular às energias organizacionais do corpo etérico. O corpo etérico é um campo holográfico de energia ou molde de crescimento que mantém a ordem e determina o padrão estrutural da matriz celular do corpo físico. As energias etéricas proporcionam um guia de onda sobre a qual são organizada a estrutura e a função celular. Elas coordenam sinergicamente as atividades vitais através de mecanismos vibracionais, genéticos e de outros mecanismos moleculares sutís.

Além do mais, as energias de alta freqüência que penetram através dos chakras são distribuídas para os diversos órgãos do corpo pela delgada rede de nádis. Esse input vibracional superior proporciona uma influência nutritiva e organizacional sutil às células do corpo físico, ajudando a manter o equilíbrio e a ordem no nível molecular de expressão. O equilíbrio e a saúde globais do organismo humano dependem de um funcionamento equilibrado e coordenado tanto do corpo físico como dos sistemas de controle homeostático das dimensões superiores. Se houver alguma falha no sistema, em qualquer nível de hierarquia fisioenergética, o colapso físico e a doença podem se manifestar. A saúde, portanto, depende do correm alinhamento, equilíbrio e coordenação das formas e forças energéticas sutis superiores no nível do veículo físico. Quando as perturbações energéticas ocorrem no nível etérico ou em níveis de freqüências superiores da estrutura, as alterações patológicas acabam se manifestando no nível físico-celular.

A partir de uma perspectiva reencamacionista, a doença pode ser considerada uma experiência de aprendizado terrestre. A localização e a natureza de muitas doenças freqüentemente contêm informações simbólicas que, quando corretamente decodificadas, podem ajudar o indivíduo a compreender determinados bloqueios mentais e emocionais dos quais ele talvez não tenha ciência. Esses bloqueios ocasionalmente são de natureza kármica e representam deficiências na qualidade da matriz emocional/mental encarnada, a qual foi exposta às influências negativas ou traumatizantes das vidas passadas. A correção de uma disfunção energética nos níveis de organização emocional, mental e espiritual produzirá uma reestruturação do molde etérico e um melhor funcionamento dos chakras. Assim, o corpo físico será curado a partir de um nível causal mais básico.

A percepção por parte dos físicos de que, no nível quântico, toda matéria é luz congelada em forma de partículas, confirma o conceito de que matérias de diferentes freqüências podem coexistir no mesmo espaço. Esse fenômeno é semelhante à observação de que energias de diferentes freqüências, tais como ondas de rádio e TV, podem coexistir de forma não-destrutiva no mesmo espaço.

No caso da anatomia sutil humana, as estruturas interpenetrantes das diversas freqüências de matéria são os veículos vibracionais físico, etérico, astral e superiores. Essa idéia foi discutida no Capitulo 1, no qual examinamos a semelhança entre as imagens holográficas e a estrutura do corpo etérico.

Outra coisa inerente ao modelo holográfico é a possibilidade dele ser aplicado para se lidar com o universo como se ele fosse um grande padrão dinâmico de interferência de energia em constante processo de alteração - um gigantesco holograma em tempo real. O modelo holográfico nos ensina de que modo os padrões vibracionais de energia universal podem encerrar níveis ocultos de informação estruturada que, quando abordados de forma correta, podem ser alcançados, compreendidos e, até mesmo, manipulados. O corpo humano, quando considerado como uru desses padrões de energia, pode ser entendido como uma ferramenta de aprendizado que encerra dentro de si muitas lições a respeito da verdadeira natureza do sei, da realidade maior do indivíduo e, até mesmo, da estrutura do universo.

Se os seres humanos puderem ser vistos a partir da perspectiva de sua anatomia multidimensional, constituída pelos corpos vibracionais superiores, chakras, nádis e meridianos, então muitas coisas poderão ser compreendidas no campo - atualmente em pleno desenvolvimento - dos métodos alternativos de cura. Somente quando esse quadro maior for plenamente avaliado é que será demonstrada a existência de explicações viáveis para a eficácia de muitos métodos de tratamento aparentemente "não-científicos".

Ter o objetivo discutir em detalhes muitos métodos diferentes de cura que, atualmente, são vistos com grande ceticismo pela comunidade médica convencional. Muitas das explicações darias para os diversos tratamentos vibracionais provavelmente serão encaradas com o mesmo ceticismo dogmático e a mesma intolerância que tem caracterizado o establishment científico no passado. O autor tem esperança de que este livro possa ser lido por um número suficiente de cientistas de vistas largas e, possivelmente, com uma orientação mais espiritual, de modo que seja possível estabelecer uma base para elevar o nível atual do tratamento médico e, assim, alcançar mais sucesso e ter maior número de curas.

Scaneado do livro Medicina Vibracional - Dr. Ricahrd Gerber

 

Volta ao topo

Principal
1