Poesias Etográficas - Soneto 23

 

 

 

 

Amar

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                   Poesias Etográficas

 

Amar é sem nada possuirmos tudo, ver o céu azul mesmo chovendo.
Encontrar um encanto diferente, nas mais simples coisas - num olhar.
É um impulso de almas... Em desespero o universo inteiro querendo.
 Na promessa, na lágrima e no sonho... O nada em tudo - transformar.

Amar é num sorriso! Termos a alma iluminada com tamanha Chama.
É inexplicável - mas o campo fica mais lindo... O vento é mais suave.
O espinho é menos rude... Ás rosas e os pássaros,  tudo nos inflama.
 É impossível descrever o que é amar. Em bilhões - ou numa só frase. 

Amar é deixar o coração na mais sublime angústia nos embalar a vida.
Acreditar piamente nas coisas impossíveis, é tanta fé! Tamanho ardor.
 Todo Universo se transformar simplesmente - em nada frente aos dois. 

Amar! Dar pela simples razão de já sermos inteiro - da pessoa querida.
Viver sonho mais intenso quase loucura só definido pela palavra amor.
Viver desesperadamente o presente, o agora - sem talvez e sem depois
.

 

 

 

 Gostou deste Soneto?
 Envie para quem Você Ama. 

Envie o endereço aos seus amigos (as) ou para seu Amor. Através do seu E-mail ou MSN
http://br.oocities.com/ed_poeta1/ref_son23.htm

Edvaldo Feitosa
( Direitos  autorais  reservados  sob  o  nº 180859 )
* Fundação Biblioteca Nacional *







  
Soneto       24

 Home Page 2

Home Page  1

Soneto         22

E-mail

1