Poesias Etográficas - Soneto 22

                                  

  Você também vai encontrá-lo

 

                

 

 

 

 

 

 

 

                 
              
              Poesias etográfocas

                                   

 

O homem humilde...  Pediu um instante - do meu tempo saturado.
Parecia tranqüilo em estado de graças e,  já me chamou de irmão.
Foi logo perguntado - por que? Eu estava assim... Tão angustiado.
Respondi, como sabes... Estou me preparando para a celebração.

Então fitou bem dentro dos meus olhos... Deixando-me - extasiado.
Parecia um confessor...  Perdoastes?  Alimentastes? O teu irmão?
Comecei achar tudo. Misterioso! Porém,  Ele sempre, ao meu lado.
Disse docemente... Natal é para ser comemorando com o coração.

Carinhosamente... Colocou a mão, sobre meus ombros e - sorrindo.
Disse que Natal é este? Que esquecem a sua origem e a sua razão.
Nada acontecerá se teu coração, não se transformar... Em plena luz.

Parecia, Ele dizer assim, na minha cara!  Que eu estava me iludindo.
Então aquele mendigo, convidou-me para lanchar - ao repartir o Pão.
 O Gesto Realizado - há mais de dois mil anos... Era O Senhor Jesus.

 

 

 Gostou deste Soneto?
 Envie para quem Você Ama. 

Envie o endereço aos seus amigos (as) ou para seu Amor. Pelo MSN  -  ou através do seu E-mail.
http://br.oocities.com/ed_poeta1/ref_son22.htm

Edvaldo Feitosa
( Direitos  autorais  reservados  sob  o  nº 180859 )
* Fundação Biblioteca Nacional *





    Soneto       23

 
Home Page 2

 Home Page 1

Soneto     
21

E-mail

 

Site n° 1

          A pomba levará você à  Página Inicial.

 

    

 

 

 

1