Reminiscência

 


Oh! Ainda recordo a conturbada adolescência, louca e inconseqüente.
A vida a procurar sempre uma inédita aventura extrema – desvairada.
À bússola... Os sonhos puros cheios de esperanças, a orientar - a gente.
Crendo docemente... Além dos nossos sonhos, tudo se resume em nada.


Insistirá alguém, isso é egoísmo de jovens imaturos - numa certa idade.
Mas o tempo que é verbo maior se encarregará de mostrar o caminho.
Pode ser... Mas com certeza, não deixa de ser – uma intensa felicidade.

Sorrir sangrando indiferente, ao mundo inteiro, mesmo sobre espinho.

 

 E o depois? Terrível é o depois, o mundo todo nos parece um hospício.
Quantas inúteis pesquisas para chegar a simples conclusão nada saber.
Ainda precisar, mentir ao mundo... Adulto é sábio, tudo pode elucidar.

 

Necessidade da existência? Apenas tolas trilhas a levar ao precipício?
Sonhos exigem ilusões para cada tempo
, bem difícil, de compreender!

Afinal! O passado é o ontem! O presente é o hoje! O futuro ainda será.

           
 Gostou deste Soneto?
 Envie para quem Você Ama. 

Envie o endereço aos seus amigos (as) ou para seu Amor. Pelo MSN -  ou através do seu E-mail.
http://br.oocities.com/ed_poeta1/ref_son35.htm

 



 

 

Soneto    36

Home Page2

Home Page1


Soneto      34

E-mail
 

   Edvaldo Feitosa
( Direitos  autorais  reservados  sob  o  nº 180859 )
* Fundação Biblioteca Nacional *
 
 

Site n° 1

          A pomba levará você à  Página Inicial.
 


1