A   morte  

                                         

        Temos um medo feroz da morte e, talvez - tenhamos alguma razão.
        São desconhecidos mundos que nos pintam celestial ou pavoroso.
        Universos felizes, ou incertas dúvidas... Atormentam a imaginação.
        Torna o passado uma culpa, futuro um tédio, o presente doloroso.

 

        Mas quem sabe se a morte... Não é a vida absoluta: plena realmente.
        Mistérios infinitos e, nossos conhecimentos, realmente, tão poucos.
        Talvez... Medos infundados que passa a vida atormentando a gente.
       
Sejam apenas equívocos de interpretação... Que nos deixam loucos.

  

        Imaginar a morte mais cruel do que a vida - após sofrimentos tantos.
        Seria possível ainda sofrermos eternamente - o vazio: silencia mudo.
        Deixando apenas, misteriosas interrogações... A essa eterna charada.

          
       
Lindo seria à morte ser absoluta vida plena como disseram os santos.
        Mas ai de nós, nessa indecisão eterna, jamais saberemos se ela é tudo.
        E nem mesmo se no final à morte não venha ser simplesmente o nada.

     

 

 

Gostou deste Soneto?
Envie o endereço aos seus amigos (as) ou para seu  Amor.  Através do seu E-mail ou pelo MSN.     
 
http://br.oocities.com/ed_poeta1/ref_son39.htm

Edvaldo Feitosa
( Direitos autorais reservados)
* Fundação Biblioteca Nacional - nº180859 *





 
E-mail


 Soneto      40

Home  Page 2

Home  Page 1

Soneto        38

Site n° 1

   A pomba levará você à  Página Inicial.
 

1