Capa do livro HISTÓRIA DA PARAÍBA EM QUADRINHOS (Pintura de Emir Ribeiro).


A Capitania Paraibana em seus primeiros tempos(Pintura de Emir Ribeiro).

Acima: Rua das Trincheiras, na capital Paraibana, no início do Século XX (Pintura de Emir Ribeiro).

Acima, às esquerda: Página do primeiro capítulo da  História da  Paraíba  em quadrinhos,  mostrando  uma  das  muitas batalhas travadas (Texto de Emilson Ribeiro e desenhos de Emir Ribeiro).

 


Acima, à esquerda: Emilson Ribeiro exibe o livro História da Paraíba em Quadrinhos, por ocasião do seu lançamento, em 01 de agosto de 2003 (foto de Henrique Magalhães).

 

Acima: Ainda no lançamento da História da Paraíba em quadrinhos, em 01 de agosto de 2003, Emilson e Emir Ribeiro autografam os exemplares (foto de Henrique Magalhães).

Acima: ITABIRA, o fictício chefe indígena Tabajara, que, em seus quadrinhos diários a partir de novembro de 1975, deu início ao projeto História da Paraíba em quadrinhos (desenho de Emir Ribeiro).

Atalhos sobre quadrinhos (alguns com trabalhos internacionais de EMIR RIBEIRO):
.Editora Marca de Fantasia
·Riscos & Rabiscos
·Carlos Relva
·Universo HQ
·Graphiq Brasil
·Revista NETworld
·Casa dos Bonecos
·Joacy Jamys
·CCQ Humor
·Esboços
·Muito Prazer
·David Johnston
·Glass House
·Alceman
·Brazil Comics
·História da Paraiba
·Areia Hostil
·International Hero
·Mulheres e HQ
·Lapadon
·Cards
·Cards Iron Man
·Cards Dr.Strange
·Emir Artes
·Area 51
·Ligazine
·AOL     
·Comic Boards
·HQ Virtual 1
·HQ Virtual 2
·HQ Virtual 3
·Lista Velta
·Lista Velta 2
·Emir Ribeiro
·Cards StarTrek
·Velta Quadrinhos
·Velta 2  
·Livro de bolso da NOVA
·Livro de bolso da VELTA
·Fotolog de Emir Ribeiro

HISTÓRIA  DA  PARAÍBA  EM  QUADRINHOS

Texto originalmente publicado no Suplemento RETA FINAL  - Vestibular 2005, do JORNAL DA PARAÍBA

RECOMENDADOS : História da Paraíba em quadrinhos  - Emilson Ribeiro  e  Emir Ribeiro

A literatura sobre a História paraibana é resumida, com poucas publicações que, em geral, se restringem a esforços pessoais, resultando em bons trabalhos, porém, com dificuldade de publicação e distribuição.

O livro HISTÓRIA DA PARAÍBA EM QUADRINHOS preenche esta lacuna apresentando um diferencial caro à atualidade: trata-se de um livro escrito com a paixão de um poeta, o rigor de um escritor e, tornando ainda mais rico o trabalho, com a pena de um artista.

Escrita pelo pesquisador e professor de História EMILSON PONCE DE LEON RIBEIRO, inicialmente saiu em tiras, a partir de outubro de 1975, com a colaboração de seu filho EMIR LIMA RIBEIRO. Centrado ma história (fictícia) de ITABIRA, chefe da tribo dos tabajaras, a história romanceada prende o leitor, tornando mais prazerosa a descoberta pelos estudantes leitores.

O mais importante e curioso, no entanto, é o rigor histórico com que o Professor Emilson trata o texto. Tratando desde a conquista do território até os dias atuais, sem cair na armadilha falsa e incompetente da atualidade, mas analisando também os fatos da história presente do estado e seu povo, o livro consegue manter a sequência cronológica quando fala sobre a Capitania de Itamaracá, o ataque a Tracunhaém, as expedições de exploração e ocupação do território, a questão com os Potiguaras. A Invasão Holandesa, o pós-guerra, as revoluções de 1817 e 1824, e governo e morte de João Pessoa, os interventores e governantes. Enfim, uma obra de referência para quem deseja conhecer mais sobre a história do nosso estado.
 


OUTRAS  OBRAS  DE  EMILSON  RIBEIRO    Por Aristófanes Vieira Jr.
Velta
RETRATOS DE JAGUARIBE - Definido pelo autor como "um pequeno passeio histórico por JAGUARIBE" - que é um bairro de João Pessoa, capital Paraibana, o livro é uma evocação de um passado recente, desde 1945 até os dias de hoje, com ênfase aos anos 40, 50, 60 e 70 do século XX.

As informações colhidas por Emilson junto a antigos moradores do bairro de Jaguaribe, em arquivos de jornais Paraibanos e fotos antigas de posse de fotógrafos, bem assim das vívidas lembranças do escritor dos seus tempos de mocidade.

Infelizmente, o livro não foi rigorosamente completo pois, muitas pessoas, em vista destes tempos violentos, cheios de maldade e delinquentes, recusaram-se a receber e conversar, e alguns, timidamente, ainda deram parcas informações. Enquanto outros, possuidores de cartões postais e fotografias, se negaram a fornecer cópias, resguardando para como de sua exclusividade o privilégio de contemplar aquelas visões do passado.

Mesmo assim, o livro não perde seu brilho, pois, à leitura de suas páginas, somos transportados para aquela época de paz e tranquilidade, onde imperava a política da amizade e da boa vizinhança. É como voltar no tempo e não mais ter vontade de abandonar aquele saudoso passado. 



CONFISSÕES DE UM PROFESSOR DO ENSINO PÚBLICO
Por Aristófanes Vieira Jr.

Afonso Henrique de Lima Barreto, em seu livro OS BRUZUNDANGAS (1922) fala dos "usos, costumes, as instituições sociais e políticas da república dos Estados Unidos de Bruzundanga"... e o livro CONFISSÕES DE UM PROFESSOR DO ENSINO PÚBLICO, de EMILSON RIBEIRO, narra fatos semelhantes aos daquela "República", pois, em vista de serem países vizinhos, os vícios de um são os mesmos do outro, isto é... Emilson fala neste livro da REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DA PINDORAMA.

A diferença entre as duas obras, distantes uma da outra por 81 anos, é que a República de Pindorama mescla "estória" com "história", e se centra em passagens ocorridas no estado de PARAOPEBA. E é nesse pequeno e curioso estado que o Professor Homero Escolástico, um catedrático aposentado já com seus 90 anos de idade começa contando suas desventuras no campo do ensino em escolas públicas... as quais, se revestem de um certo teor tragicômico. Mas o pior é que parte das pessoas fictícias que lá despontam, realmente existiram... 

O livro é composto, além de um texto bem discorrido, de antigas fotos, reprodução de documentos e alguns desenhos (inclusive a capa), novamente da pena do filho do autor, EMIR RIBEIRO, conhecido internacionalmente por seus trabalhos na área da banda desenhada (quadrinhos) e criador da portentosa e estonteante personagem VELTA (veja matéria mais abaixo).  



VELTA, UMA MOCINHA MÁ

 Texto original de Marconi Lapada  (diagramado e montado por Paulo Draven e adaptado por Emir Ribeiro)

Velta é linda, gostosona, mas é uma mocinha muito má. Adora viver por aí desfilando de biquinis, fios dentais e roupas sensuais, mas... quando os homens vão querer algo mais, ela salta fora deixando os caras literalmente na mão.

Só quem tem o privilégio de apalpar aquelas carnes volumosas é o seu namorado Gilberto Gomes, detetive particular com quem ela divide um escritório instalado na capital mineira. O coitado do Gilberto deve morrer de desejo pois, mesmo sendo uma exibicionista sem vergonha, Velta quer casar virgem.

Diferente da maioria das personagens brasileiras dos quadrinhos, Velta não é vampira. Criada no ano de 1973 por uma garoto de apenas 14 anos, e inspirada pelo sucesso dos heróis brasileiros da década de 60, Velta apareceu em um jornalzinho do Colégio Estadual de Jaguaribe, na cidade de João Pessoa, Paraíba, onde era lida e "homenageada" pela rapaziada colegial e admirada pela mulherada que queria ser como ela.

Não demorou muito para Velta ir bater nos jornais, no tempo em que se acompanhava histórias em quadrinhos todo dia, em uma tira que continuava até a história terminar, em um mês. Isso foi em 1975, em dois jornais da Paraíba, alcançando um sucesso imediato.

Três anos depois foi parar nas bancas, em revistas mensais independentes editadas pelo seu criador Emir Ribeiro. Mais ou menos nessa época, foi notada pelos editores de fanzines, e começou a aparecer em um e outro, batendo ponto em centenas dessas publicações amadoras geralmente impressas em xeróx. Foi aí que Velta ganhou sua fama, chegando a ser titulada como A Musa dos Quadrinhos Nacionais.

Enquanto a gostosona loira de olhos azuis e cabelos compridíssimos estava sassaricando pelos fanzines, a mesma turma invejosa de sempre que criticou pejorativamente o artista Eugênio Colonnesse e outros desenhistas brasileiros, estava quieta. Bastou a loiruda se estabelecer no meio alternativo e até ser bem comentada em revistas de grandes editoras, e começou o "quebra pau" em cima dela e do Emir Ribeiro.
Mesmo assim, seu autor não esmorecia. Passou mais de 30 anos e nenhuma outra personagem conseguiu tirar o posto da loiraça de maior "heroína" brasileira, reconhecida até internacionalmente, como se pode ver em sítios e páginas espalhados pela internet, tanto nacionais quanto estrangeiros. (Leia esta matéria completa, no atalho Mulheres e Quadrinhos ).

               
Acima: Antiga tira de VELTA de 1976, onde ela aparece junto com outro personagem de Emir, O DESCONHECIDO HOMEM DE PRETO.

NOVIDADE: Veja as diversas matérias e muitos desenhos do fotologue do Emir Ribeiro. CLIQUE AQUI para ir ao índice, e AQUI para a 1ª página dos fotologues.

 Mais sobre Velta no Velta Fans Brasil . Clique aqui para comprar as edições de VELTA e os livros acima descritos.   Página sobre MICHÈLLE, A VAMPIRA (clique aqui).
1