Tabela Consumo de materiais por m³ de concreto
As máquinas de buscas mais utilizadas na Web
Página Principal
Coleção de Apostilas e Tutoriais
Imperdível - somente FREEWARE
 
Engenharia - Notícias
Engenharia - Artigos publicados
Utilidades e novidades
Tratamento de erosões - Estabilização de taludes
Todas as etapas construtivas da sua obra discutidas, ilustradas e comentadas.
Visão geral
Contato com o Webmaster Costa



CONSUMO DE MATERIAIS
POR m³ DE CONCRETO

Concreto é um material resultante da mistura íntima e proporcionada de um aglomerante (cimento), agregado miúdo (areia), agregado graúdo
(brita) e água. É o material mais importante da construção civil, onde tem inúmeras aplicações: estruturas, pavimentos, paredes, fundações, barragens,
reservatórios, etc.
Para obtenção de um bom concreto de acordo com sua finalidade, devem ser efetuadas com perfeição as operações básicas de produção do material,
a saber: dosagem, mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. Por isso são estudadas propriedades do concreto fresco que influem nas
propriedades do concreto endurecido.
As operações básicas de produção do concreto são:
Dosagem: Estudo, indicação das proporções e quantificação dos materiais componentes da mistura, afim de obter um concreto com determinadas
características previamente estabelecidas.
Mistura: Dar homogeneidade ao concreto, isto é, fazer com que ele apresente a mesma composição em qualquer ponto de sua massa.
Transporte: Levar o concreto do ponto onde foi preparado ao local onde será aplicado, podendo ser dentro da obra ou para ela, quando misturado em
usina ou fora dela.
Lançamento: Colocação do concreto no local de aplicação, em geral, nas formas.
Adensamento: Compactação da massa de concreto, procurando retirar-se dela o maior volume possível de vazios - Ganho de resistência.
Cura: Conjunto de medidas com o objetivo de evitar a perda de água (evaporação) pelo concreto nos primeiros dias de idade, água essa necessária
para reação com o cimento (hidratação).

A seguir apresentamos a TABELA CONSUMO, com o consumo de materiais para se produzir um m³ de concreto.
Ainda temos a TABELA ARGAMASSAS, com as argamassas mais utilizadas.

TABELA CONSUMO DE MATERIAIS POR M³ DE CONCRETO
Passe o cursor constantemente sobre o traço p/ ver suas principais aplicações
TRAÇO EM
VOLUME
CONSUMO POR M³ DE CONCRETO RESISTÊNCIA A
COMPRESSÃO
(provável) - MPa
TRAÇO EM
MASSA
CIMENTO AREIA BRITA ÁGUA
C : A : B kg Saca 50kg Litro Seca (L) Úmida (L) Nº. 1 (L) Nº. 2 (L) Litros para
areia seca
3 dias 7 dias 28 dias C : A : B
TRAÇO 1 : 1 : 2  - Empregos: Somente em casos muito especiais, exigirão na prática a adoção deste traço de concreto. Nos laboratórios é comum ser usado para a caracterização dos cimentos, pelas curvas clássicas de resistência. Quando inevitável o seu emprego na obra, recomendamos uma atenção toda especial para o problema da cura ou sazonamento e proteção das peças com ele moldadas. 514 10,30 363 363 465 363 363 226 22,8 30,0 40,0 1 : 1,08 : 1,96
TRAÇO 1 : 1,5 : 3 - Nada temos a acrescentar ao que já dissemos quando tratamos do traço anterior (1 : 1 : 2), sendo este concreto também dos de elevado consumo de cimento, recomendamos toda a atenção para a cura e proteção das peças com ele moldadas. 387 7,70 273 409 524 409 409 189 18,8 25,4 35,0 1 : 1,63 : 2,94
TRAÇO 1 : 2 : 2,5 - Empregos: Como para os dois traços anteriores, este traço só deverá ser usado na prática em casos especiais. Chamamos ainda a atenção para a cura e proteção das peças com ele moldadas. 374 7,50 264 528 676 330 330 206 14,8 20,8 29,8 1 : 2,17 : 2,44
TRAÇO 1 : 2 : 3 - Empregos: Este traço inicia a série de concretos utilizáveis nas obras correntes. Recomendamos particularmente o seu emprego em fundações (superficiais ou profundas), pavimentações, reservatórios, marquises, cortinas em sub-solo, muros de sustentação ou, de um modo geral, em todos os serviços em concreto armado, expostos à ação do tempo ou da água. Na pré-fabricação de peças estruturais, pode prestar ao Engenheiro, serviços inestimáveis. 344 6,90 243 486 622 364 364 210 11,7 17,2 25,4 1 : 2,17 : 2,94
TRAÇO 1 : 2,5 : 3 - Empregos: Este traço contém um pouco mais de areia que o traço anterior (1 : 2 : 3), por este motivo tenderá a encher com maior facilidade as fôrmas com "muita armadura". É apropriado para peças de estrutura protegidas da ação do tempo e da água. 319 6,40 225 562 719 337 337 207 10,0 15,0 22,8 1 : 2,71 : 2,94
TRAÇO 1 : 2 : 4 - Empregos: É um dos traços mais citados nos Cadernos de Encargos e Especificações. Há quem o indique para o concreto armado protegido. Recomendamos, porém, sempre a sua substituição pelo traço 1 : 2,5 : 3,5 em volume, o qual dará um concreto mais "macio" gastando menos cimento por m³ de concreto "virado". Caso não seja possível fugir à fórmula 1 : 2 : 4, a "aspereza" poderá ser atenuada por um jogo granulométrico bem conduzido. 297 5,94 210 420 538 420 420 202 9,0 13,7 21,0 1 : 2,17 : 3,92
TRAÇO 1 : 2,5 : 3,5 - Empregos: Excelente para peças com "muita armadura" protegidas da ação do tempo e da água. 293 5,86 207 517 662 362 362 208 8,0 12,3 19,5 1 : 2,71 : 3,42
TRAÇO 1 : 2,5 : 4 - Empregos: Na pré-fabricação de peças de pequeno porte. 276 5,50 195 487 623 390 390 201 7,4 11,4 18,5 1 : 2,71 : 3,92
TRAÇO 1 : 2,5 : 5 - Empregos: É um traço intermediário, o qual para dizermos a verdade muito poucas vezes temos recomendado. Na prática, quando o construtor vai usar a vibração e quer dispender tempo com a granulometria dos concretos vibrados, emprega este traço como ponto de partida, para a moldagem de obras correntes protegidas. 246 4,90 174 435 557 435 435 195 5,8 9,4 15,7 1 : 2,71 : 4,89
TRAÇO 1 : 3 : 5 - Empregos: Quando a correção do inchamento da areia for feita com critério e obedecidos os detalhes que aqui apontamos, essa fórmula levará a um bom concreto, embora não o possamos, por razões de ordem técnica, lembrar como substituto do traço 1 : 2,5 : 3,5 em volume, diremos ser seu emprego feito "por muita gente" com esse objetivo, com mais frequencia do que podemos pensar. A pré-fabricação de peças robustas não armadas tem nesse traço uma solução de resultados certos. 229 4,60 162 486 622 405 405 202 4,0 7,0 12,4 1 : 3,25 : 4,89
TRAÇO 1 : 3 : 6 - Empregos: Sob certas condições técnicas, é este traço muito citado pelos tratadistas para fundações não armadas, blocos em degraus por exemplo. Para nós, no entanto, que sabemos e conhecemos as desvantagens de procurar "ganhar dinheiro" também no concreto de Fundações, julgamos pouco fascinantes essas aplicações. É um traço de concreto relativamente pobre em cimento, o último da escala de utilização que adotamos, sua moldagem exigirá cuidado. Servirá também para a execução de certos serviços preparatórios. 208 4,20 147 441 564 441 441 198 3,0 5,4 10,0 1 : 3,25 : 5,87
TRAÇO 1 : 4 : 8 - Empregos: este traço só deverá ser usado em serviços secundaríssimos tais como leitos e camadas preparatórias dada a sua pobreza em cimento. Não há mais coesão, sendo a segregação (separação dos agregados) sua linha predominante. A rigor, esse traço não conduz mais a concreto na verdadeira acepção da palavra - VERIFIQUE se a betoneira de que dispõe na obra comporta esse traço pois seu rendimento por saca de 50kg de cimento é de 312,5 litros. 161 3,20 114 456 584 456 456 194 Não Não Não 1 : 4,34 : 7,83
DADOS GERAIS AREIA BRITA 1 e 2 CIMENTO SACA DE CIMENTO FATOR DE CONVERSÃO
MASSA ESPECÍFICA REAL 2,62 2,56 3,05 50kg = 35,3 litros 1MPa = 10kgf/cm²
MASSA ESPECÍFICA APARENTE 1,54 1,39 1,42


Tabela com os traços de concreto mais usuais As mais utilizadas argamassas e como produzí-las Veja como utilizar as tabelas.




1