O Visconde de
Vila-Moura - Decadentista
Bento de Oliveira Cardoso e Castro (n. Grilo, Baião 1877 - M. Lisboa, 1935). Pseudónimo derivado do título nobiliárquico: Visconde de Vila-Moura



Escritor cuja obra ficou marcada pelos muitos movimentos que se cruzavam na mudança do século XIX para o XX. Adoptou um realismo com veias muito naturalistas que aliou de forma original com um decadentismo, do qual foi o maior cultor entre nós.

As suas obras pautam-se pela descrição das misérias da vida moderna de uma forma antipositivista, individualista e esética. O
Dicionário Cronológico de Autores Portugueses indica que Vila-Moura tem claras influências do Simbolismo mas permitam-me discordar em absoluto.

Colaborador assíduo da revista
Águia, teve vasta obra publicada a nível ensaístico. Da qual há a destacar as várias obras de camiliana, derivada muito em particular pela convivência com Camilo nos seus últimos anos.

Da sua ficção há a relevar
A Nova Safo, romance sensual que gerou muita polémica entre os líderes de opinião da época mas que aproximou o autor da denominada geração nova. Gradualmente, ao longo de um envelhecer doente, e depois de renegar essa geração nova que, por momentos, por ele se sentiu atraída, Vila-Moura acabou esquecido da crítica, do mundo e meio literário, reflexo certamente de um modo de vida no qual punha em prática as suas concepções desiludidas do homem e da sociedade.

Da sua extensa obra o referido romance
A Nova Safo e muitos dos seus volumes ensaísticos são dignos de ser redescobertos e muitos deles terão uma actualidade extrema por afinidades entre o decadentismo antipositivista de Vila-Moura e a muito falada falta de valores da nossa sociedade.

Em certas obras o autor revela um curioso uso do vocábulo "sistema" que é usado para uma miríade de significados sem aparente coerência (
v. por exemplo Cariátide).
...

Bibliografia


1906 -
A moral na religiäo e na arte


1908 -
A vida mental portugueza: psychologia e arte


1911 - apud João Alves (registo não constante da BN)
Vida Literária e Política


1912 -
Nova Sapho: tragedia extranha: romance de pathologia sensual
[2ª ed. Rio de Janeiro, 1921 - apud. João Alves - registo não constante da BN]


1913 -
org. com bento de Oliveira Lobo -
Camillo inedito
Doentes da Bellesa
[2ª ed. Rio de Janeiro, 1927]


1914 -
Bohemios


1915 -
António Nobre: seu génio e sua obra [2ª Ed. Rio de Janeiro, 1923]


1916 -
com CARNEIRO, António, 1872-1930 -
Grandes de Portugal


1917 -
Fialho d'Almeida [a BN, para além desta edição,  indica uma edição idêntica de 1916 mas esta deve ser uma entrada truncada - a biibliografia apresentada por João Alves foi-lhe dada pelo próprio Vila-Moura e indica a data de 1917]

As cinzas de Camillo: (notas e documentos) [a BN apresenta uma 2ª ed. de 1925]

Fanny Owen e Camilo
[a BN dá apenas a indicação de uma reedição de 1992]


1918 -
Os últimos: romance


1921 -
Obstinados [Rio de Janeiro]


1924 -
Novela Mensal

Janeiro
Pão vermelho: sombras da grande guerra [apesar de seguir a bibliografia de João Alves neste caso está errada pois esta obra ostenta a data de 1923 - pode contudo apenas ter sido comercializada em 1924]

Fevereiro
Um homem de treze anos

Março
Cristo de Alcácer

Abril
Calvário de um violento

Maio
Almas do mar

Junho
O imaginário

Julho
Irmã das Árvores [registo não constante da BN]

Agosto
Uma Família de Ibsen [registo não constante da BN]

Setembro e Outubro
Luz Fremente

Novembro e Dezembro
"Palma Mater"

1926 -
O poeta da ausência [a BN dá a data de 1925]

Teixeira Lopes: conferência... [a BN dá a data de 1923]

1928 -
Cariátide [a Bn dá a data de 1927 e, noutro registo, 1929, a virtude estará com João Alves]

Entre mortos

1931 -
Raiz em flor
[registo não constante da BN]

O Pinto António Carneiro [registo não constante da BN]

1933 -
O incêndio

Dor errante...

1934 -
Piedade

Novos mitos

O Visconde escreveu perfácios para obras de: Carlos Cochofel, Bernardo Madureira e Maria Cândida Nogueira de Azevedo Pinto.

Tem vária obra publicada em revistas e jornais em especial referentes a camilo.

***

Extremamente útil para uma investigação bem como para um melhor conhecimento de Vila-Moura é a obra:

Alves, João
, O Génio de Vila-Moura - Meditação sobre os Problemas da Literatura Contemporânea, Livraria Tavares Martins, Porto, 1937

NOTA IMPORTANTE - não há indicação desta obra no catálogo on-line da Biblioteca Nacional.
www.bn.pt
This page
© 2002 Hugo Xavier
Home Page de Hugo Freitas Xavier
Google
Dicionário de escritores Portugueses esquecidos
Desenho da capa de
Pão Vermelho, Renascença Portuguesa, Porto, 1923
O desenho repetia-se em todas as edições de obras de Vila-Moura da Renascença.
Capa gentilmente "scannizada" por Luís Coelho
1