Loucos
 

Não descreia do Homem meu amigo.
Mas não creia em todos Certamente.
Extremos quase Sempre são Perigos.
Há Coração de Anjo e o de Serpente,
Se quer uma prova irrefutável a mais.
Analise o passado e verá o presente.
Compare vilanias cruéis de Barrabás.
Veja a Diferença entre - Treva e Luz,
Entre Santidade e Ternura de Jesus.
Barrabás foi o Preferido e, Libertado.
O Santo Inocente Jesus. Crucificado.

Uma Autoridade mandou Prender!
Super Autoridade. Mandou Soltar!
Como é tão difícil... Compreender.
Ingenuidade não saber - Por quê?
Quase Impossível de se Acreditar!
E, o Homem. Apareceu Algemado!
Roubou ou não Roubou... Bilhões?
Ou foi milhões - Mas está Provado?
Por que Homem foi tão Humilhado?
Mas se roubou por que foi liberado
Justiça o Rol de Instâncias e Varas.
Inúmeras brechas? Significa Caras!

Até parecia,  verídica, a linda história!
Enfim, todos são iguais perante a Lei.
E se transformou, numa cena inglória.
Ou das mais tristes que, já presenciei.
Será desfecho hilário? Isso eu não sei!
Não parecia, apenas, ser balela ilusória.
Nem brincadeira - entre Príncipe e, Rei!
Dou a mão, ingenuamente à palmatória.
Tantas coisas eu um dia quase acreditei.


Não roubou é pior a piada de mau gosto.
Se roubou “que país é esse minha gente”
Sim levar uma cusparada, em pleno rosto.
Haja ilusão para continuar sendo o crente!
Como fosso realmente o último por do Sol.
De um Universo de um País - já Sepultado.
Brincadeiras de uns poucos... Debochados!
Ou uma Justiça, balançando, para os lados?
Tristes Atestados, dos sonhos sucumbidos.
Teimam a azucrinar, os meus tolos ouvidos.
Então fico a examinar sonhos teus e, meus.
Vejo ingenuidade, nos sonhos meus e teus.

Ouço longe as ilusões, os últimos gemidos.
Sinto assim internado num grande hospício.
Este decantado, País do futebol e, carnaval!
Não Sabendo mais o que é Bom nem Mau...
Escuto Vozes Esquece e Vem brincar irmão.
E ao meu lado um colega - finge ser Moisés.
E outro jura convicto ser o Justo. Salomão.
E mais um vestido de rei da cabeça aos pés.
Há lágrimas nos seus olhos destes infelizes.
A presenciar tanta vileza somada à covardia.
Ao saber estão enterrando é a democracia...
Então pergunto a esses imaginários “loucos”.
O que fazer Majestades com esta Lei Esquife.
Alguns respondem com gritos - meios roucos.
Homem é mesmo Bandido? Prenda-se o Patife!
Mas se não urgentemente a polícia e os juízes.
Então concluo coitados: são realmente Loucos.

Será?! Os Litigantes - Desta Melancólica Porfia.
Não percebem estão solapando - a Democracia.





  

A vida é uma sinfonia inacabada!


 

Poema        11

 Home Page 2

Home Page 1

Poema        9

E-mail

Gostou deste Poema?
Envie aos seus amigos (as) ou para seu  Amor. 
Através do seu E-mail ou  MSN.

http://br.oocities.com/ed_poeta1/ref_po10.htm

 

1