Se... Não.

 

Se ainda sentes as mesmas saudades.
Lembranças revestidas das quimeras?
Sonhos de dois em eternas ansiedades.
E a tortura das esperanças nas esperas.
Na angústia de um dia haver um adeus!
Para ceifar sonhos, os meus e, os teus.
 

Se a alma como a minha está desolada!
Tuas lágrimas enfim se Transformaram.
E todo o sonho é simplesmente o nada.
Em  rios afluentes: no mar desaguaram.
Em gotas  de saudades imperceptíveis!
Se estão em prantos nossos corações!
E, as vidas - sofreram revezes incríveis.
Urge tentar ressuscitar nossas ilusões.
 

Se os nossos olhos não refletem Mais!
Esperançosas - deleites de eternidade!
Feneceram em sonhos, a beira do cais,

Se nada sobrevive nem a leve saudade.

Se as quimeras feneceram de inanição.
Malditos todos os sonhos  do  coração.

Se... .................................................................

Entendes a profunda amargura deste Se.

Se... Não... ..........................................,,,,,,,,,,,,.

Condicional malditas serão todos os... Se.

  

Edvaldo Feitosa
(Direitos autorais reservados)
* Fundação Biblioteca Nacional - nº 180859 *
 



 

 

  Poema           5

Home Page    2

Home Page     1

Poema             3

E-mail

Gostou desta página?
Envie o endereço aos seus amigos (as) ou para seu  Amor. 
Através do seu E-mail
ou
 MSN.    
   
http://br.oocities.com/ed_poeta1/ref_po4.htm

} 1