Latifúndio!

 

 

 

O Poeta...
Alepht...
Emoldurou...

A Mulher...

Latifúndio!

 Interroguei-me?
Porque sempre...
Sonhei-me posseiro.

Imaginando-me...
Conquistando terras.
Voltando ao campo.
Sonhos renovados.
Ilusões Virgens...
Esperanças...
 Ressuscitadas.

 No fundo da alma.
Encontrei a resposta.
No Eco das Palavras...
Sussurradas pelo Poeta.
Ao comparar - a Mulher.

Ao enigmático Latifúndio.


Analisando a comparação.
E a imensidão da Mulher...
As suas infinitas Ternuras.
As loucuras que desperta...
As cobiças - Provocadas...
Concordei - com o Poeta...
A Mulher é O – Latifúndio...
Que gostaria de Conquistar!


Mas ouvindo a consciência...
Segredando - ao meu ouvido.
Revelando Mistérios do Mapa.
Da terra a séculos prometida...
Parece-me ouvir, o não escrito.
Toma posse com muito Carinho.
Da terra já descrita no antanho.
Como envolvida por leite e mel...
Latifúndio criado por e para Amar.
Mas lembra-te repete a consciência.
Este adorável paraíso ou Latifúndio.
Foi criado para aliviar eterna Solidão.
Dos pobres homens perdidos na Terra.

E, o Senhor Deus, nos entregou de graça.
Para que cultivemos... O sublime tesouro.
Com o Amor mais intensamente - extenso.
Compreendendo... No adorável, Latifúndio.
Existem todas as raras belezas da natureza.
Como as Rosas, Oceanos, as Estrelas, o Céu.
Portanto Latifúndio Mulher é incomensurável.

Repentinamente. Emocionado - compreendi...
Feliz o Poeta ao descrevê-la com uma Palavra.
Simplesmente metáfora da palavra Latifúndio.
Hoje mesmo vou me filiar ao MST, mas outro.
MCDML... movimento carente de Mulher Linda.

 

 

                 Gostou deste Poema?
Envie aos seus amigos (as) ou para seu  Amor. 
Através do seu E-mail ou  MSN.

       http://br.oocities.com/ed_poeta1/ref_po56.htm

Edvaldo Feitosa - 2002.
( Direitos autorais reservados)
* Fundação Biblioteca Nacional - nº180859 *

 




Poema           57

Home Page      2

Home Page     1

Poema          55

E-mail

 


 

 

1