Poesias Etograficas - Soneto 19

 

 

                                                     

  És...  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poesias Etográficas

 

         És como um raio de Sol - de um sonho lindo... Que virou saudade!
         Lua cheia e serenatas cantadas nas janelas das mulheres amadas.
         Esperança que a alma sonha - a vida inteira... Em qualquer idade.
         Oceano cristalino, das minhas ilusões perdidas, e... Desesperadas.

  

        És meu céu azul, a embalar a minha quimera - simplesmente linda.
        És o mar revolto em maré alta - uma beleza que encanta e... Mata.
        Beijo nunca prometido... Sonhou a minha ilusão - infinita e infinda.
        Destroços dos meus mais lindos sonhos naufragados... Na cascata.

  

        Furacão e brisa, dilacerando docemente corações, és vida e morte.
        És marca passo e adrenalina! O colesterol bom e mau, do coração.
        Enfim a mulher Linda, razão da vida, ilusão, felicidade e desgraça.

  

        És paraíso, céu, inferno, purgatório... Meu fracasso e minha sorte.
        Minha maior conquista o meu fracasso: os restos mortos da ilusão.
        Aquela saudade eterna, a gente diz. Um dia passará e nunca passa.

 

 

 Gostou deste Soneto?
 Envie para quem Você Ama. 

Envie o endereço aos seus amigos (as) ou para seu Amor.  Através do seu E-mail ou MSN.
http://br.oocities.com/ed_poeta1/ref_son19.htm

Edvaldo Feitosa
( Direitos  autorais  reservados  sob  o  nº 180859 )
* Fundação Biblioteca Nacional *






 

  Soneto         20  

Home Page   2

Home Page   1

Soneto         18

   E-mail

 

1