Poesias Etográficas - Soneto 21

                                                                                                                                                               

 

                                                                              Vida

 

                                                                                  

 

           Vida indecifrável... Vacilas - como um ébrio, numa noite escura.
           Esperando nem ele mesmo sabe o quê... Sem nenhuma razão.
           Conténs nos teus sonhos esmaecidos, mas repletos de ternura.
            Todos os equívocos... Dúvidas e esperanças - da interrogação.
  

           Bela ilusão é o amor? E as saudades... O amor - dizem, é tudo.
           Acreditas, enfim? Em todas palavras - sussurradas. Tudo nada!
           Às vezes, não passas de um dolorido e, profundo - grito mudo! 
          
És como um saci sem braços - tentando subir íngreme escada. 

         Como a vida é fértil em ilusões! Seria, talvez ingênua e crente?
          Promete, infinitos sonhos fictícios... Lindos e, impressionantes.
                      Leva a acreditar estar em nossas mãos - o sonho de felicidade.            

           Vida ilusória, como podes encenar essa comédia a tanta gente.
           Teatro mambembe com poucos artistas - bilhões de figurantes.
            Quimeras e... Ilusões tentando inutilmente - camuflar a verdade.
 

   
Gostou deste Soneto?
Envie o endereço aos seus amigos (as) ou para seu  Amor.  Através do seu E-mail ou pelo MSN.  
     
        
 http://br.oocities.com/ed_poeta1/ref_son21.htm

Edvaldo Feitosa
( Direitos autorais reservados)
* Fundação Biblioteca Nacional - nº180859 *







   Soneto        22

  Home  Page  2

Home Page   1

Soneto         20

E-mail

Site n° 1

          A pomba levará você à  Página Inicial.

 


 

1