Recordações

 

 

As doces lembranças de quando estavas, nos meus braços suplicando.
Com aquela ternura que... Jamais - imaginei nem podia acreditar ter fim.
Oh! Como a ilusão nos parece eterna quando crentes estamos amando.
Aquela eternidade é agora... Aapenas essa saudade, que restou em mim.

  

Sabes o tanto que pode doer numa ilusão, a recusar - aceitar despedida?
Oxalá possa meu amor... Haver minorado os fracassos - do teu coração.
Grande mistério! É talvez - a ilusão adoça a essência, do melhor da vida.
O mais íntimo, o mais profundo - mais puro e, sagrado: à própria ilusão.

  

Como imaginar que às doces ilusões... Virão a ser, amargas lembranças.
Impossível quando vivemos - momentos deliciosos de um grande amor.
Seria um absurdo e uma tal realidade... Uma absurda paradoxal reflexão!

  

Ainda bem que a vida se renova a cada instante - de sublimes esperanças.
Ela sabe que à ilusão é o melhor e o único analgésico - para qualquer dor.
E são os sonhos... As únicas e eternas esperanças, sem contra-indicação.

 

  Soneto        34

Home Page  2

Home Page  1

Soneto        32

E-mail
      

Gostou deste Poema?
Envie o aos seus amigos (as) ou para seu  Amor. 
Através do seu E-mail ou pelo MSN.  

   http://br.oocities.com/ed_poeta1/ref_son33.htm



 

 

Edvaldo Feitosa
( Direitos autorais reservados)
* Fundação Biblioteca Nacional - nº180859 *

Site n° 1

          A pomba levará você à  Página Inicial.
 

  

 

 

1