Poesias Etográficas - Soneto 5

                                                                                          

 

 

 

                                                   

 

 

 

 

 

 

Vã Sabedoria

 

 

 


Consultei todos os compêndios de filosofia... Na maior - sofreguidão.
Esperava encontrar à sabedoria, do tal homem perfeito e... Racional.
Anos de pesquisas e tantas horas inutilmente... Consumidas, em vão.
Para suportar tamanha frustração... Chamei a minha tolice - de ideal.

Iludir-se com um ideal é seguir os caminhos, mais sutis, do universo.
Com cautelosa isenção procurar científica... E - respeitosamente isto.
Não encontrei nada revelador no nosso século, neste atual progresso.
Tentei encontrar algum livro escrito por Sócrates ou Jesus - o Cristo.

Aquém os primórdios à civilização dos profetas mais sábios e antigos.
Foi justamente no início onde toda sabedoria realmente, eu encontrei!
 Não cheguei a nenhuma conclusão sábia que eliminasse dúvida minha.

Como? Os dois maiores filósofos! Os mais sinceros... Os mais amigos.
Sócrates no final da sua vida apenas exclamou. Eu só sei que nada sei!
  E Jesus Cristo o Filho de Deus. Mais sábio... Não escreveu  uma linha.  



Edvaldo Feitosa
( Direitos autorais reservados)
* Fundação Biblioteca Nacional - nº180859 *




E-mail

Soneto        6

Home Page 2

Home  Page 1

Soneto        4

Gostou desta página?
Envie endereço aos  amigos (as) ou para seu  Amor. Através do seu E-mail ou pelo MSN.
http://geocities.yahoo.com.br/ed_poeta1/ref_son5.htm

 

Site n° 1

          A pomba levará você à  Página Inicial.

 


       

1 1