Vampiro A Mascara - Ventrue

[História Antiga] [A Gehenna] [A Camarilla] [O Sabá]











Ventrue

Os membros do clã Ventrue têm a reputação de serem honrados, gentis e de gosto impecável. Desde os tempos remotos, os Ventrue têm sido um clã de liderança, reforçando as tradições antigas e procurando moldar os destino dos Membros. Nas noites ancestrais, os Ventrue eram escolhidos entre nobres, príncipes mercantes ou outros controladores do poder. Nos tempos modernos, o clã recruta seus membros de ricas famílias tradicionais, impiedosos executivos emergentes e políticos. Qualquer que seja a origem, os vampiros Ventrue preservam a estabilidade e mantêm a ordem da Camarilla. Outros Membros freqüentemente confundem isso com arrogância ou avareza, mas para o Ventrue, seus papel de pastor é mais uma responsabilidade de que uma honra.
Os Ventrue apóiam a camarilla com todo o coração, sentido que sob a sua liderança uma melhor existência para todos os vampiros pode ser obtida. Na mente dos Ventrue, os outros clãs são imprudentes e impetuosos. Muito preocupados com o conforto imediato, os outros vampiros alegremente dariam um pedaço da eternidade em troca de um pouco de vitæ imediato. Sem os Ventrue, não existiria a Máscara; sem a Máscara, não existiriam vampiros. Portanto, os Ventrue carregam o peso do mundo sobre os seus ombros. Eles carregam o fardo sem desanimar e com apenas um toque de noblesse oblige. Nenhum outro clã seria capaz de liderar as crianças de Caim através das noites da iminente Gehenna – ou assim os Ventrue gostam de dizer. Afinal, sua reputação depende disso.
Os Ventrue se consideram nobres, no sentido clássico da palavra, lutando para manter a posição daqueles abaixo deles. Eles são os reis, cavaleiros e barões das noites modernas. Apesar da luta ter passado dos campos de batalha para as salas de planejamento e das justas para as urnas distritais, o Clã Ventrue continua o duelo.
Jovens Ventrue reúnem e comandam suas tropas de telefones celulares e limusines, enquanto os anciões do clã observam o horizonte em busca de ameaças que avultam como as nuvens de uma tempestade. Muitas propriedades sob o controle da Camarilla são supervisionadas pelos Ventrue e os de Sangue Azul são relutantes em afrouxar o domínio sobre os assuntos que eles tão desesperadamente se esforçam para manter. Reputação e determinação levam um Membro longe dentro do clã Ventrue, mas nada disso importa se o vampiro não for capaz de manter sua influência.
Os outros vampiros freqüentemente laçam farpas sobre os Ventrue, caluniando-os como santimoniais, pomposos ou até mesmo tirânicos – e mesmo assim, é para os de Sangue Azul que os outros vampiros se voltam quando algo sai errado. Os Ventrue cultivam a influencia e – sempre que podem – o controle sobre a mídia, polícia, política, saúde e medicina, crime organizado, indústria, finanças, transporte e até mesmo a Igreja dos mortais. Quando um vampiro precisa de ajuda, os Ventrue normalmente podem fornece-la – por um preço.
Naturalmente, os Ventrue gravitam nos altos níveis da sociedade mortal, onde sua sofisticação lhes serve bem. Apesar de estarem no mesmo círculo social dos Toreador, os Ventrue não esbanjam sua existência com frivolidades e fofocas fúteis. Os Ventrue orgulhosamente desfrutam do privilégio da liderança e calmamente carregam seu fardo. Assim tem sido; e assim sempre deve ser.

Seita: Elegantes, aristocratas e realistas, os Ventrue são os senhores da camarilla. Foi o Clã Ventrue que forneceu a base da camarilla e é o Clã Ventrue que orienta e comanda a camarilla nos tempos sombrios. Até mesmo na era moderna, a maioria dos príncipes é descendentes do Clã Ventrue. Os Ventrue obviamente não aceitariam se fosse de outro jeito.

Fraquezas: O gosto dos Ventrue é exigente ao ponto da exclusividade, e cada sangue Azul só pode se alimentar de um tipo de sangue mortal. Este tipo deve ser escolhido na criação do personagem. Por exemplo, um Ventrue em particular pode se alimentar exclusivamente de sangue de virgens, homens loiros, crianças nuas ou do clero. O personagem não irá se alimentar com nenhum outro tipo de sangue, mesmo que esteja faminto ou sob compulsão. Os Ventrue podem se alimentar normalmente do sangue de outros vampiros.

Organização: Os ventrue de uma certa região se encontram com freqüência, apesar de suas convenções se parecerem mais com palestras ou debates e tenderem mais a resultar em falatórios do que em ações. Obviamente, o discurso ponderado é a única maneira “civilizada” de se resolver um assunto, e Membros impulsivos ou precipitados freqüentemente entram em atrito com a rigidez do clã. Sabe-se de Ventrue jovens e impacientes que levantaram desafios contra a posição e posses de “velhos garotos”, o que é considerado a mais alta das traições e grosserias – a não ser, é claro, que o jovem pretensioso vença.

Linhagem: Dentro do clã, a herança é valorizada e os filhos ou netos dos mais ilustres são tratados com estima (ou inveja) pelo resto do clã. Do lado negro, os Ventrue antitribu do Sabá não têm inimigo mais odiado do que os Membros do seu clã parente. Os Ventrue do Sabá são os cavaleiros negros da seita, pagando pelas falhas de sua linhagem através da sustentação das doutrinas do Sabá. Eles são mais comumente encontrados entre os templários e paladinos do Sabá.

Mote: A liderança dos Amaldiçoados é meu fardo, e não o seu. Você faria bem, contudo, em se perguntar se sua não-vida traz benefícios ou prejuízos às crias de Caim. Eu já tirei minhas conclusões.