WW3: M005: GIUK TRAP
   

World War III

   

Batalhas da WW3:

 

- Simulações.

 

- Gulf Escort.

 

- Agressão no Norte.

 

- Atlântic Shield.

 

- Voltar.

 

- Fernando de Noronha.

 

- TO Falklands.

 


 
 

 

GIUK TRAP.

 

O NAe Charles de Gaulle éra a Nau-capitãnea do Battle Group Francês em operação na batalha travada na Falha GIUK, tendo vienciado momentos dramáticos quando esteve sob suas ondas sucessivas de ataques de bombardeiros inimigos. Três de suas escoltas e o próprio NAe foram destruidas, restando apenas dois navios gravemente avariados.

 

BRIEFING 005________________________________

 

Missão: GIUK TRAP.

Data: 31 de Agosto de 1997

Hora Local: 0500

Localização: Atlântico Norte.

 

Situação Operacional: Confirmando os temores da ONU, a situação de franca hostilidade evolui para o estado de guerra entre a OTAN e os países do Eixo do Mal quando a Rússia covardemente invade a Polônia, Finlândia, Suécia, Noruega e Islândia. Já prevendo a agressão vermelha, as tropas da OTAN baseadas na Alemanha entram em território polonês de forma a bloquear o avanço do inimigo antes que ele se aproxime da fronteira. Diante da violência dos combates em terra e da intensa demanda de suprimentos, o Atlântico torna-se peça chave para o envio de meios dos Estados Unidos para a Europa.  De forma a bloquear a capacidade de projeção inimiga e proteger os comboios de navios cargueiros, a OTAN inicia um plano de 5 pontos, denominado Operação Pentagrama:

1 – Bloqueio da Falha GIUK Objetivando: impedir a passagem de navios de guerra russos, principalmente submarinos, que possam ameaçar os comboios aliados no Atlântico.

2 – Ocupação de Fernando de Noronha: Objetivando controlar a pista de pouso existente na ilha, de onde os aviões brasileiros poderiam ameaçar os comboios aliados no Atlântico.

3 – Ocupação da Cidade de Natal: Objetivando impossibilitar a retomada de Fernando de Noronha, trazendo a guerra para o território brasileiro, de forma a evitar o envolvimento do Brasil em operações fora do Continente Sul Americano, uma vez que países aliados como a Colômbia e a Venezuela já foram invadidos e tiveram seus governos democráticos derrubados por títeres neo-marxistas.

4 – Bloqueio do Atlântico Sul: Objetivando evitar que forças inimigas entrem no Oceano Atlântico vindas do Oceano Índico ou Pacífico e bloqueando a marinha Argentina.

5 – Bloqueio do Mediterrâneo: Objetivando evitar um ataque “pela porta dos fundos”.

Situação Tática: O Kuznetsov encontra-se a frente de uma poderosa força de superfície em direção à Falha GIUK. Suspeita-se que devem haver também submarinos nucleares de ataque. Devido às péssimas condições metereológicas no local o satélite não conseguiu imagens conclusivas, mas fotos evidenciaram a presença de pelo menos dois Kirovs e mais de 10 navios de escolta. Após o bombardeiro da Islândia com mísseis cruise e ocupação por forças aerotransportadas russas, não há mais comunicação com a ilha. As forças da OTAN estarão divididas em duas Forças Tarefas, TF-01 e TF-02, com os NAes George Washigton e Charles de Gaulle a frente de cada uma, respectivamente. A Inglaterra, irá fornecer apoio aéreo, através de um esquadrão de 12 Typhoons e 12 Tornados GR.4. Haverá apoio dos submarinos de ataque localizados em Scapa Flow, além de reforços por parte de um Esquadrão de Gripens que escapou da tragédia Sueca e apoio logístico de aviões de ASW, REVO e AWACS. Esperam-se mudanças bruscas nas condições climáticas.

 

Estado do Mar: 1

Vento: 040º a 05 nós

Visibilidade: 90%

Camada Térmica: ??

Ordens: operação pentagrama, ponta um, operação giuk trap. não permitam que navios inimigos tenham acesso ao atlântico através da falha giuk. afundem o kuznetsov. afundem ou danifiQuem seriamente os kirovs.

 

Forças Envolvidas:

 

COMANDOS ALIADOS:

 

Comando Alfa SNIPER

USS George Washington e Grupo Aéreo, composto por:

14 x F-14D (VF-213 “Black Lions”)

36 x F/A-18F (VFA-102 “Diamondbacks” / VFA-41 “Black Aces” / VFA-14 “Tophatters”)

4 x EA-6B (VAQ-132 “Scorpions”)

4 x E-2C

8 x S-3B (VS-30 “DiamondCutters”)

2 x ES-3A (VQ-6 “Black Ravens”)

3 x SH-60F (HS-15 “Red Lions”)

2 x HH-60H (HS-15 “Red Lions”)

Objetivo Pessoal: O Kuznetsov deve ser afundado

 

Comando Bravo OPERTI

Escolta do GW, composta por:

2 x CG Bunker Hill (USS Bunker Hill e USS Antientan)

1 x CGN Virgínia (USS Virginia)

2 x DDG Arleigh Burke (USS Arleigh Burke e USS John Paul Jones)

1 x DD Spruance (USS Spruance)

2 x FFG OH Perry (USS Underwood e USS Doyle)

Objetivo Pessoal: O George Washington deve receber menos de 50% de dano

 

Comando Charlie WEREWOLF

Escolta submarina do GW, composta por:

1 x Seawolf (USS Connecticut)

2 x 688i (USS Boise e USS Scranton)

Objetivo Pessoal: O George Washington deve receber menos de 50% de dano

 

 

Comando Delta SEA WOLF

Charles DeGaulle e Grupo Aéreo, composto por:

12 x Rafale M  (Flottille 12F - Rafale M)

20 x Super Etendard Mordenisé (Flottille 17F)

2 x E2-C Hawkeye (Flottille 4F)

2 x SA365 Dauphin (Flottille 35F)

Objetivo Pessoal: O Kuznetsov deve ser afundado

 

 

Comando Echo MORIAH

Escolta do CDG, composta por:

2 x Cassard (Cassard e Jean Bart)

2 x La Fayette (La Fayette e Aconit)

1 x George Leygues

Objetivo Pessoal: O Charles DeGaulle  deve receber menos de 50% de dano

 

 

Comando Foxtrot HUMBERTUS

Escolta submarina do CDG, composta por:

2 x Rubis (Casablanca e Saphir)

Objetivo Pessoal: O Charles DeGaulle  deve receber menos de 50% de dano

 

Comando Golf FÁBIO

Grupo Submarino de Ataque, composto por:

1 x 688i (USS Cheyenne)

1 x 688 (USS Dallas)

2 x Trafalgar (HMS Trafalgar e HMS Triumph)

1 x Swfitsure  (HMS Swfitsure)

Objetivo Pessoal: O Kuznetsov deve ser afundado

 

Comando Hotel INTRUDER

Grupo Submarino de Bloqueio, composto por:

1 x 688i (USS San Juan)

2 x Sturgeon (USS Sturgeon e USS Cavalla)

1 x Astute (HMS Astute)

1 x Swiftsure (HMS Sovereign)

Objetivo Pessoal: somente até 25% das força de reforço do Báltico pode atravessar o bloqueio

 

Comando Índio HAWKER

Grupo Aéreo de Ataque, composto por:

12 x Tornados GR.4  (No.15 Squadron)

12 x JAS-39 Grippem (F7 Satenäs - squadron: Gustaf Röd)

Objetivo Pessoal: somente até 25% das força de reforço do Báltico pode atravessar o bloqueio

 

Comando Kilo FELIPE

Grupo Aéreo de Caça, composto por:

12 x EF.2000 Typhoons   (No.29 Squadron)

Objetivo Pessoal: O Kuznetsov deve ser afundado

 

Comando Lima INTRUDER

Grupo Aéreo de Apoio, composto por:

6 x Tristar K.1  No.216 Squadron

6 x Nimrod MR.2/P No.120 Squadron

1 x E-3 Sentry No.8 Squadron

8 x Lançadores Bloodhound Mk2

8 x Lançadores Skyguard

Objetivo Pessoal: O Kuznetsov deve ser afundado

  

  

INIMIGAS:

Frota de superfície composta por pelo menos 10 navios, estando entre eles pelo menos dois Kirovs e o Kuznetsov

 

Pontuação (não cumulativa):

 

A – 10 pontos se nenhum navio russo furar o bloqueio e se o Kuznetsov for afundado e se os Kirovs sofrerem pelo menos 50% de dano. 5 pontos pessoais para cada navio/avião/helicóptero inimigo afundado.

 

B – 5 pontos se nenhum navio russo furar o bloqueio e se o Kuznetsov for afundado e se os Kirovs sofrerem pelo menos 25% de dano. 3 pontos pessoais para cada navio/avião/helicóptero inimigo afundado.

 

C - 3 pontos se nenhum navio russo furar o bloqueio e se o Kuznetsov sofrer ao menos 50% de dano. 2 pontos pessoais para cada navio/avião/helicóptero inimigo afundado.

 

D - 2 pontos se nenhum navio russo furar o bloqueio e se os Kirovs sofrerem pelo menos 50% de dano. 1 ponto pessoal para cada navio/avião/helicóptero inimigo afundado.

 

E - 1 ponto se nenhum navio russo furar o bloqueio. 1 ponto pessoal para cada navio/avião/helicóptero inimigo afundado.

 

F – 0.1 ponto para cada navio/avião/helicóptero inimigo afundado

 

X – 5 Pontos se o objetivo pessoal do Comando for alcançado.

 

MODIFICAÇÃO DA PONTUAÇÃO DA ATLANTIC SHEILD

 

A – 10 pontos se nenhum navio russo furar o bloqueio ou se juntar ao Kuznetsov e pelo menos 15 navios russos sejam afundados. 5 pontos pessoais para cada navio inimigo afundado.

 

B – 5 pontos se nenhum navio russo furar o bloqueio. 3 pontos pessoais para cada navio inimigo afundado.

 

C - 3 pontos se os dois transportes forem afundados . 2 pontos pessoais para cada navio inimigo afundado.

 

D - 2 pontos se somente um transporte for afundado. 1 ponto pessoal para cada navio inimigo afundado.

 

E - 1 ponto se mesmo furando o bloqueio, as perdas russas forem superior a 11 navios. 1 ponto pessoal para cada navio inimigo afundado.

 

F – 0.1 ponto para cada navio inimigo afundado

 

Resumo dos combates_________________________

 

A primeira grande batalha travada entre Blue Seals e Red Team! Cada comandante passou a assumir o comando de não apenas um meio, mas sim de várias unidades ou grupos de escoltas. As dimensões do TO resultariam em um grande esforço para avaliar a situação e prever de onde o ataque inimigo viria e qual a melhor maneira de se posicionar cada unidade.

Com forças inimigas operando desde a Noruega e Islândia, o Reino Unido encontrava-se em perigo, e buscando deter o avanço inimigo, cada Battle Group foi posicionado de forma a bloquear o avanço inimigo, sendo o George Washington deslocado para o sul da Islândia, e o Charles de Gaulle para o noroeste do Reino Unido. As unidades aéreas baseadas em terra agiram de maneira isoladas, enquanto os submarinos (remanescentes da Atlantic Shield) buscaram manter sua linha de bloqueio próximo a costa norueguesa.

Entre outras falhas, as forças da OTAN se mostraram incapazes de coordenar uma ação conjunta de maior porte desde o inicio da operação, buscando localizar e destruir as forças inimigas. Com alguns comandantes agindo de maneira isolada, as forças inimigas obtiveram sucesso em neutralizar os esquadrões de Gripen e EF.2000, abrindo caminho para o bombardeiro contra as bases de Leuchars, Lossiemouth e Brizen Norton, e posteriormente contra o NAe Charles de Gaulle.

Limitados sucessos ocorreram nos ataques com submarinos contra a frota do Kiev, e na defesa do CVN Geoege Washington. Merece destaque também o ataque coordenado com mísseis Tomahawk desde submarinos e escoltas contra as bases aéreas (capturadas pelo inimigo) na Noruega.

Como resultado dos combates, o Battle Group americano retirou-se para o Canadá (buscando poupar importantes meios) após frustrar um ataque similar ao realizado contra o grupo francês.

Apesar de a pontuação final ter apontado uma pequena diferença, não há duvidas de que o que se presenciou foi uma esmagadora vitória das forças Soviéticas.

 

 

Destaques especiais:

 

- Ataque ao NAe CDG.

 

- Crimes de Guerra.

 

- Brotherhood Freedom.

 

- Operação Icosaedro.

 


Fotos e Mapas:

 

Mapa do Atlântico Norte e Mar do Norte mostrando a extensão do Teatro de Operações em que a Operação GIUK TRAP se desenvolveu.

 

Fragata Francesa da Classe Lafayette

 

Cruzador Classe Kirov a serviço da Marinha Russa, contando com eficientes sistemas anti-aéreos, entre outros.

 

Bombardeiro naval Tu.22M empregados no ataque contra os Battle Groups da OTAN.

 

O Comando Costeiro da RAF emprega os Ninrod em missões de patrulha marítima e luta Anti-submarina.

 

Mapa do Reino Unido, destacando bases miiltares inglesas.

 

Caça Su.27K Sea Flanker (Su.33D) embarcado no NAe Admiral Kuznetsov.

 

Grumman F-14 Tomcat: um clássico da aviação naval! Contando com mísseis AGM.56 Phoenix de longo alcance, provaram a eficácia da combinação de seu sistema de controle de fogo AWG.9 aliado a um míssil de longo alcance obtendo sucesso não apenas em defender seu Grupo de Batalha de bombardeiros, mas também de modernos caças como Fulcruns e Flankers.

 

Download do debriefing.

 

 

 

 

_Subir_