WW3: O Papel da Imprensa na Guerra
   

World War III

   

Batalhas da WW3:

 

- Introdução.

 

- Gulf Escort.

 

- Agressão no Norte.

 

- Atlântic Shield.

 

- GIUK TRAP.

 

- Fernando de Noronha.

 

- TO Falklands.

 


Noticias:

 
 

 

Ao vivo e em tempo real do conforto de seu lar!

 

 

Ao vivo direto de Bagdá: imagens da Guerra do Iraque.

 

O papel da mídia nos conflitos atuais:

Já em conflitos passados, os correspondentes de Guerra se aventuravam diante das linhas inimigas, acompanhando as tropas durante as batalhas, a fim de poderem levar até a sociedade cada fato ocorrido nas guerras! Sempre foi assim, porém se antes os repórteres estavam limitados a apenas descrever com palavras os horrores de sangrentas batalhas, hoje, graças a tecnologia tais noticias chegam aos nossos lares quase que em tempo real e praticamente sem censura!

Não restam dúvidas de que a partir da Operação Desert Storm (Conhecida como a Primeira Guerra do Golfo - janeiro de 1991) a imprensa mostrou o quanto havia evoluído, e não apenas relatava diariamente cada batalha, mas mostrava os desdobramentos daquele conflito em toda a região, como por exemplo, a caçada aos mísseis SCUD no norte do Iraque, e a queda destes em solo israelense!

Passados mais de dez anos desde o inicio daquele conflito, já em 2003 correspondentes não se limitaram apenas a ficarem em locais 'seguros', aguardando os pronunciamentos do alto comando, simplesmente acompanharam o avanço blindado americano e transmitiram ao vivo cada instante de seu avanço até Bagdá.

 

A imprensa na WW3:

Em nosso cenário fictício não poderia ser diferente, e a partir da simulação da Guerra das Falklands passamos a ter mais este elemento de realismo, o qual permite que pessoas que não estejam envolvidas nas simulações possam acompanhar em tempo 'real' os principais e mais dramáticos momentos.

Também passaram a serem emitidas 'notas oficiais' por comandantes de ambas as forças, buscando desmentir ou validar noticias veiculadas pela imprensa ou ainda, veicular noticias que interessam a cada equipe.

 

Devemos lembrar que os fatos abaixo relatados são uma obra de ficção, criados com o intuito de conferir maior realismo as nossas simulações, apresentando a importância que a imprensa desempenha na veiculação dos fatos ocorridos em uma batalha, e sua influência sobre a formação da opinião pública.


Em resposta a nota oficial veiculada pela BBC de Londres, as forças Argentinas divulgam novas informações sobre os combates.

Comunicado veiculado pela Reuters as 04:27:30

Debriefing:  FKL D1 Turno  042730

Data: 19 / 03 / 2006

Situação:

NOTA OFICIAL Da Armada Argentina

De: Comandante Nichele  (Red Team Cmdt)

Para: Reuters

Encerradas pouco mais de 4 horas de combate, nossas forças seguem segurando o avanço inglês que estão se afastando do nosso mar territorial, estando a mais de 200 mn das nossas ilhas Malvinas.

 

Nestas poucas horas de combates mostramos aos ingleses como se combate no hemisfério sul. Destruímos 36 caças ingleses. Restam a eles poucos voando. Destruímos 25 helicópteros. Neste mesmo momento um outro punhado de helicópteros ingleses fogem desesperados de nossos caças, como ratos quando descobertos em área aberta. Afundamos 7 navios, entre eles o HMS Invencible e o HMS Shefield. E danificamos, com certeza, outros 19 navios, inclusive o outro porta-aviões, o Hermes. Na última hora nossas sonobóias confirmam que mais dois navios afundaram. Calculamos que os ingleses perderam mais de 5.000 homens e mulheres em nossos ataques.

Tivemos perdas consideráveis em nossas forças aéreas, mas foram menores do que esperávamos de nosso ataque fatal aos ingleses. Perdemos, duas unidades navais de menor importância, tanto que nem estavam em mar aberto. As perdas britânicas foram tão significativas que eles jamais poderão impor o mesmo nível de perdas as nossas forças, muito menores. Menores, mais fracas, menos modernas, mas capazes de impor, aos ingleses, uma derrota que eles não tem desde a queda de Cingapura e o afundamento do Principe of Walles e do Repulse. 

Em terra nossas forças não estão paradas. Estão trabalhando para reforçar as defesas e preparar a sua qualificação. Nossas forças estão com a moral alta e os ingleses, se por ventura, continuarem insistindo nesta insanidade, serão destroçados um por um. O comunicado enviado pela BBC é uma prova que o fleuma britânico está abalado e tenta ser escondido por um comunicado longe da realidade dos combates. 

Para provar que não estamos brincando, estamos divulgando as fotos que nossos "vetores" tiraram. Compreenderão o termo "vetores" quando repararem na foto do Fort Grange.

 

Buscando manter o povo Inglês atualizado sobre os ultimos acontecimentos no Atlântico Sul, o alto comando dos Blue Seals enviam mais um informe oficial sobre as operações de combate em curso.

Nota Oficial do Alto Comando Blue Seals, por volta das 04:21Hrs 17 / 09 / 1997

Debriefing:  FKL D1 Turno  042130

Data: 28 / 02 / 2006

Situação:

NOTA OFICIAL DOS Blue Seals

De: Capitano de Corvetta Intruder  (BSS Cmdt)

Para: BBC de Londres

NOTA OFICIAL DO ALTO COMANDO BLUE SEALS SOBRE AS OPERAÇÔES NO ATLÂNTICO SUL.
 
De: Sala de Imprensa da Frota de Libertação das Falklands Is.
Para: BBC de Londres
Hora Local: 04:21:30
Data: 17 / 09 / 1997
 
    Os combates iniciais se mostraram tão intensos como esperávamos, sendo que apenas as ações da aviação inimiga que podemos classificar como "desesperadas" se mostraram fora de nossos planejamentos, nos levando a nos readaptarmos ao novo e sujo tipo de guerra em que nossa esquadra se viu inserida.
    DIversas foram as baixas aos aviadores argentinos quando da realização de seus ataques "suicidas" contra nossas escoltas contando apenas com bombas, foguetes e quando não apenas com canhões de 20mm e mesmo metralhadoras de 12,7mm, demonstrando a total incapacidade de o inimigo realizar operações de guerra contando com meios adequados.
    Até o presente momento, nossas baixas (tanto em termos de navios, aeronaves e mesmo tropas de infantaria dos Royal Marines e Gurkas) não inviabilizam a manutenção de nossos planos iniciais de tomarmos as ilhas Falklands em poucas horas, tanto que tem sido constantes os exercícios de tiros a bordo dos navios com fuzis e metralhadoras, a fim de que nossos soldados estejam preparados para o combate contra a despreparada defesa inimiga sobre as ilhas.
    Se a Fuerza Aérea Argentina pagou um alto preço (em pilotos e equipamentos) para causar danos e baixas limitadas há alguns de nossos navios durante os breves oito minutos em que durou sua ação, dois de nossos Harrier GrMk.3 se mostraram efetivos ao atacarem com bombas LGB e destruírem dois navios inimigos (identificados como as Type 69 ARA Drummond e ARA Granvile) com um único impacto.
    Também devemos confortar os familiares de nossos nobres combatentes, ao confirmar que baixas causadas pelo covarde ato de um oficial inimigo que ordenou o metralhamento de um escalere com náufragos resultou em poucas baixas (a listagem com os nomes dos combatentes será em breve divulgada).
    No momento nossos esforços se voltaram para o assalto final as ilhas, com o intuito de libertar o quanto antes os cidadão britânicos que lá residem do julgo comunista, restaurando-lhes suas liberdades individuais.
    Nossa inteligência já confirmou que as forças inimigas foram totalmente ou quase, exauridas no combate ocorrido por volta das 02:26 desta madrugada, o que é mais que comprovado pela manobra de retirada do Battle Group inimigo, tendo-se em vista a incapacidade que eles possuem não apenas de organizar ações ofensivas, mas principalmente defensivas, não tendo como repor as baixas sofridas por sua aviação embarcada o que, nitidamente deixa clara a vulnerabilidade de seus dois mais importantes navios de guerra, os ARA Veintecinco de Mayo, e o ARA General Belgrano.
    Só nos restaria aguardar que o povo argentino se rebele contra este governo fantoche, que esta sacrificando seus filhos em uma guerra sem lógica ou condições de vitória, o que abreviaria o conflito e pouparia inúmeras vidas, mas estamos mais que preparados para retomarmos as Falklands Is e novamente vermos o pavilhão de sua majestade hasteado no prédio da administração inglesa em Port Stanley.
 
GOOD SAVE THE QUEEN.

 

Com o sol prestes a nascer no Teatro de Operações do Atlântico Sul, ambas as forças seguem com suas manobras de combate, enquanto a imprensa divulga novos informes sobre a situação

Boletim transmitido no Brasil, por volta das 04:18Hrs 17 / 09 / 1997.

Debriefing:  FKL D1 Turno  041830

Data: 28 / 02 / 2006

Situação: 

 

Ainda com a barba ensebada por algum sanduíche noturno particularmente gordurento, surge nas telas dos telespectadores de todo o Brasil, sintonizados na Vênus Platinada, a imagem do jornalista Roberto Godoy, que inicia mais uma análise dos violentos combates até então ocorridos no Atlântico Sul. Muitos brasileiros, com o sono rapidamente evaporado diante da ameaça de serem os próximos, prestam atenção ao que é dito, identificando-se de maneira incômoda com seus irmãos portenhos e ao mesmo tempo agradecendo pelo Plantão do Jornal da Globo ter interrompido o chatíssimo “Cantando na Chuva”. 

O repórter explica que até o momento, o que se tem visto é uma verdadeira Hiperwar, muito mais intensa do que os combates iniciais no Atlântico Norte, o que até surpreende, diante do material bélico menos desenvolvido tecnologicamente e da limitação de recursos e logística. E infinitamente diferente das rápidas escaramuças em Fernando de Noronha.  

Muito provavelmente, caso a frota liderada pelos Norte Americanos que no momento se concentra no Caribe venha a agredir terras Brasileiras, este conflito nas Falklands ainda ganhará em termo de rapidez do início dos confrontos, mas será eclipsado pela intensidade dos combates.  

Mas nestas primeiras quatro horas de combate, ambos os lados sofreram pesadíssimas baixas em seus meios aéreos. Curiosamente, a maior nêmesis destes não foi a avaiação de caça, mas a artilharia anti-aérea. O SAM Sea Dart se mostrou uma das mais temidas armas do Teatro Operacional, assim como as espetaculares barragens de fogo de canhões de ambos os lados.  

Apesar do esforço empreendido por ambos os lados, além do impacto psicológico pouco mais se conseguiu de prático. Os Argentinos ainda mantêm controle aéreo sobre 90% deste TO. Os Britânicos ainda continuam em condições de recuperar as ilhas.  

Uma das situações muito esperadas não ocorreu até o momento, que foi o combate entre embarcações de superfície. Ambas as escoltas se mostraram muito mais como plataformas de armamento anti-aéreo, do que plataformas de combate anti-navio. Os SSMs até o momento têm sido muito mais úteis como armas de dissuasão do que como armas ofensivas, servindo para manter as belonaves inimigas ao largo.  

Um dos grandes mistérios até agora é onde estão os submarinos inimigos? Nem os poderosos SSN Britânicos ou os silenciosos SSK Argentinos fizeram a sua tão temida aparição. Que segredos se escondem o silêncio destes mortíferos predadores?  

Os AAM SideWinder até agora têm mostrado as limitações que já se esperava diante do clima e do seu curto alcance. Muitos combates aéreos têm se resolvido muito mais a tiro de canhão do que esperando que a cabeça de busca IR do mesmo, lock em seu alvo.   Um dos momentos mais controvertidos até o momento foi quando seguindo ordens do Comandante Lobo , aeronaves Argentinas abriram fogo contra náufragos Britânicos. Da mesma forma, os Ingleses denunciam severos danos a um de seus navios hospital.

Neste exato momento, as frotas parecem querer se distanciar uma da outra, não apenas para “desaparecer”, mas também para tomar fôlego e calcular o próximo movimento. Os Britânicos sabem que outro duro ataque à sua frota pode significar o fim da sua capacidade de reconquistar as ilhas e os Argentinos sabem que uma vez que os soldados de Sua Majestade coloquem os pés nas ilhas, a capitulação é uma questão de tempo.  

 

Após cerca de quatro horas de combates entre as forças inglesas e argentinas, um novo comunicado oficial é liberado pelos Blue Seals.

Nota Oficial do Alto Comando Blue Seals, por volta das 0300Hrs 17 / 09 / 1997.

Debriefing:  FKL D1 Turno  0234

Data: 29 / 12 / 2005

Situação: 

NOTA OFICIAL Dos Blue Seals

De: Ensign Shadow (BSS Cmdt)

Para: BBC de Londres

Da: Sala de imprensa da Frota de Libertação das Falklands

Para: BBC – Londres

Decorridas quase quatro horas desde o início das hostilidades argentinas contra a Força de Libertação das Falklands,  já podemos fazer um balanço inicial dos combates. Apesar das pesadas perdas que sofremos devido ao desesperado ataque suicida da Força Aérea Argentina, as ações de libertação prosseguem. 

  Uma de nossas aeronaves localizou duas naus argentinas, modelo A-69, aparentemente encalhadas em uma pequena enseada nas ilhas. Ao aproximar-se para averiguar, foi atacada com pesado fogo inimigo. Revidando o fogo, a aeronave destruiu os dois navios atacantes. Unidades de artilharia inimiga também posicionadas na ilha também foram destruídas por não se retirarem da zona de exclusão. 

  As forças argentinas estão exauridas. O Battle Group capitaneado pelo 25 de Mayo foge apressado em direção as ilhas. O ataque suicida da FAA custou quase toda sua dotação aérea. A Força Aérea, privada de meios, limita-se a passagens de inquietação. Porém, continuando a demonstrar desrespeito por seus bravos, caças solitários tem sido eventualmente enviados contra nossa frota, sendo imediatamente abatidos.  A tenacidade de nossos pilotos, e a forma como continuam operando, aparentemente tem surpreendido os "consultores" russos que na verdade comandam as forças armadas argentinas.

  Os submarinos argentinos, velhos, lentos e ultrapassados, estão sendo caçados, e em breve o laço de fechará sobre eles. As aeronaves de patrulha anti-submarino do inimigo foram impiedosamente varridas dos céus. Em breve não mais existirão.

  O Alto Comando das Forças de Libertação ainda espera que o bom senso volte a reinar na Argentina, e que o povo alije do poder os monstros que enviam para a morte seus bravos, inutilmente.

  

Em breve, o continente americano ficará livre da ameaça vermelha.

  

Deus Salve a Rainha!

  

BSS_Shadow

 

Em resposta ao comunicado veiculado pela BBC de Londres, o comando das Forças Argentinas emitem seu primeiro comunicado oficial sobre a situação dos combates ora em curso. Tais comunicados demonstram a verdadeira "Guerra de informação" que vem sendo travada entre ambas as forças...

Nota do Comando Argentino veiculado pela CNN em Espanhol as 0234 Hrs de 17 / 09 / 1997.

Debriefing:  FKL D1 Turno  0234

Data: 06 / 07 / 2005

Situação: em meio ao ataque ao BG Britanico

NOTA OFICIAL Do RED TEAM

De: Cmdt Nichele (RT Cmdt)

Para: CNN em Espanhol.

 

"Nos últimos 15 minutos, as forças armadas Argentinas, em uma ação conjunta entre a FAA e a ARA, impuseram pesadas perdas as forças de invasão britânicas. Num ataque coordenado, forças aeronavais seguraram as forças de invasão britânicas enquanto a FAA lançava um ataque fulminante, num clássico movimento de pinças.

 Atacando com decisão e coragem, nossos pilotos impuseram perdas irreparáveis aos britânicos. O novo porta-aviões Invencible virou coral e, em breve, nossos mergulhadores irão resgatar os planos secretos ingleses. O porta-aviões Hermes também foi acertado por uma bomba, diversos tiros e ainda pelo impacto de um de nossos caças que não conseguiu se recuperar de um mergulho corajoso. Até o momento não temos certeza se ele conseguiu ejetar ou não. Um terceiro navio, que considerávamos importante, o porta-container transformado em navio de apoio aos meios aéreos, o Atlantic Conveyor, também foi atingido e hoje é o lar de diversos peixes.

 Além destes, o Intrepid e o Ferless, os principais navios de desembarque-doca inimigo também foram atingidos e afundados. E a lista segue com contratorpedeiros, fragatas, navios de desembarque, navios de transporte, navios varredores afundados e muito outros danificados. Na página oficial do comando de defesa Argentino, o Red Team mantém as fotos dos navios atingidos.

 Mesmo que os porta-aviões, que eram a espinha dorsal da armada inimiga, não tivessem sido atingidos, isso não faria diferença, pois a aviação de caça inimiga foi praticamente extinta. Mesmo que os inimigos usem a capacidade de pouso e decolagem vertical dos aviões Sea Harrier/Harrier sobreviventes, eles seriam abastecidos com menos combustível e não levariam muita carga bélica. Os poucos caças inimigos que ainda voam estão sendo caçados e serão abatidos sem piedade.

 Com uma coragem digna de quem defende sua pátria, nossos aviadores colocaram a missão acima de tudo. Infelizmente muitos não voltarão, os sobreviventes seguirão diversos caminhos, a maioria irá pousar na BAM Malvinas, já que dois Regimentos de nosso Exército trabalharam 24h sem parar, para ampliar a pista.

 A respeito do que falam os ingleses, nem 50% de nossos aviões foram usados enquanto os caças ingleses estão quase todos derrubados. Temos muito recursos para usar na defesa da nossa pátria amada.

 Neste período todo, nossos navios sequer foram atacados. Nossa frota está inteira e mesmo que seja toda ela afundada, ela já cumpriu sua missão e nem assim os ingleses conseguirão impor tantas perdas quanto nós impomos a eles.

 O calor da batalha é intenso e as ações fogem do planejando. Os ingleses atacaram helicópteros nossos, carregados de soldados e estavam indo do 25 de Mayo para as ilhas. Os ingleses, atacando a noite, provavelmente confundiram os tanques suplementares de combustível por mísseis. Todas os caças profanos ingleses, que participaram deste ataque, foram abatidos. Em represália, nossos caças mostraram aos ingleses o que pode acontecer quando se ataca inocentes.

 Lamentamos o ataque ao navio hospital inglês. Em mais uma atitude arrogante e sem explicação, nenhum sinal indicando que se tratava de um navio-hospital foi feito. Nenhuma iluminação sobre os indicativos foi feita. Devemos lembrar que o ataque acontece durante a escura madrugada austral. Realmente não sabíamos que se tratava de um navio-hospital.

 Por outro lado, nenhum dos 1300 keplers foi incomodado e todos os recursos nativos utilizados no momento foram registrados para posterior indenização.

 Quanto a decisão dos ingleses de continuar avançando rumo as NOSSAS ilhas, depois de tantas decisões destemperadas e sob o choque de ver os principais navios afundados, não nos surpreende. Mas isso só irá aumentar a dor de milhares de famílias inglesas. Muitos meios nossos ainda não foram utilizados e esperamos, depois da morte de cerca de 5000 ingleses, que afundaram com seus navios, que o parlamento britânico ou a rainha da Grã-Bretanha, derrubem a primeira-ministra e iniciem o acordo de paz. Não deve ser fácil, perder cerca de dez unidades, entre elas os porta-aviões, e tantas vida.

 Mesmo que o que sobrou da força naval chegue as nossas ilhas, temos muitos soldados, uma defesa bem estabelecida e que vem se preparando a 24h.

 Eles que venham - Estamos preparados!"

 

Cmdt. Nichele

Regimento Gen. Belgrano

Islas Malvinas

 

Com o objetivo de dar ciência ao povo inglês sobre a atual situação nos combates no atlântico sul, o comando dos Blue Seals emitem uma nota oficial detalhando as ações realizadas pelas forças argentinas e seus desastrosos resultados.

Nota Oficial do Alto Comando Blue Seals as 0233Hrs de 17 / 09 / 1997.

Debriefing:  FKL D1 Turno  0233

Data: 02 / 07 / 2005

Situação: em meio ao ataque ao BG Britânico

NOTA OFICIAL DOS Blue Seals

De: Ensign Hwidger (BSS Cmdt)

Para: BBC de Londres

 

"Do: Porta-Voz das Forças de Libertação Britânicas em Operação nas Falklands

Para: Escritório Central da BBC - Londres.

  

Assunto: Desenrolar dos combates na área das Falklands

  

            Nos ultimos minutos, as forças de libertação à caminho das Falklands sofreram um pesado ataque das forças argentinas. Tal ataque envolveu aproximadamente 62 aeronaves argentinas, entre Skyhawks e Daggers, armados com bombas de queda livre. Como o ataque se deu em condições adversas, comuns no Atlântico Sul, o índice de acerto de tais bombas foi inferior à 10%, e as poucas que atingiram nossos navios não causaram danos significativos. Porém, evidenciando a falta de respeito do governo argentino títeres das forças russas, os jovens pilotos argentinos enviados para a morte não tinham a habilidade necessária para comandar suas aeronaves em condições tão difíceis, o que resultou em diversas colisões entre as aeronaves argentinas e navios da frota britânica.

 Desta forma, cumpre-nos o doloroso dever de informar a perda de alguns meios importantes devido à estes acidentes, inclusive a de nossos  porta-aviões e transportes. Em um ato típico dos covardes, e em violação à Convenção de Genebra, dois escaleres com sobreviventes de um de nossos navios foram alvejados por disparos de canhões dos caças argentinos, fato esse já denunciado à ONU. Não bastasse tal infâmia, os pilotos argentinos ainda abriram fogo também contra um de nossos navios-hospital .Os familiares dos bravos que tombaram em combate serão comunicados pelo almirantado, em Londres.

 Da mesma forma, cabe ressaltar que das 62 aeronaves atacantes já foram abatidas mais de 50, sendo que algumas ainda encontram-se sob fogo de nossas escoltas, porém sem oferecerem maiores riscos a nossos meios, pois o alto comando argentino decidiu manter seus pilotos no alcance de fogo de nossos navios quando seus caças já não dispunham de munição ou combustível. Assim, nenhuma das 62 aeronaves argentinas conseguirá retornar à sua base. Prova definitiva do pouco respeito do governo argentino para com seu povo e seus militares. Para atender os anseios de dominação global dos russos, sacrificou toda sua força aérea, incluindo materiais e homens. Cabe agora ao POVO argentino levar à justiça os criminosos que ocupam a Casa Rosada.

 Importa frisar que o grupo de elite da OTAN, os Blue Seals, já foram encarregados pelo comando-supremo das forças do mundo livre e da democracia de trazer os responsáveis pelo crime de guerra contra nossos escaleres e navios-hospitais à justiça. Aqueles que ordenaram e os que perpetraram os crimes de guerra citados serão capturados e levados ao Tribunal Humanitário de Guantânamo. O avanço para a libertação das Falklands continua."

 

Deus Salve a Rainha.

 

Ensign BSS_Shadow

Porta-Voz

 

Em resposta as criticas veiculadas pela imprensa nos ultimos minutos, o comando BSS emite uma nota oficial relatando os ultimos acontecimentos.

Nota Oficial do Alto Comando Blue Seals as 0219Hrs de 17 / 09 / 1997.

Debriefing:  FKL D1 Turno  0219

Data: 03 / 05 / 2005

Situação:

NOTA OFICIAL DOS Blue Seals

De: Lieutenant de Vaiseau Pierre (BSS Cmdt): CNN USA

"Em resposta ao comentario veiculado pela CNN momentos antes nessa mesma madrugada, tenho a informar que algumas imagens foram transmitidas sem a devida revisão do pessoal técnico, o que poderia colocar em risco informações vitais para a missão de libertação das Falklands.

Com o intuito de manter nossos compatriotas e aliados atualizados sobre as operações no Atlântico Sul, divulgaremos algumas imagens e informações após a realização de uma análise pormenorizada que, diferentemente da censura, tem como único objetivo a proteção dos

nossos bravos e competentes marujos, soldados e aviadores. Apresentamos, então, algumas cenas de aeronaves que estão sendo empregadas no confronto.

O SeaKing é o nosso principal meio de transporte entre os navios, realizando tarefas logísticas de toda

Sikorsky SH.3 Sea King, helicóptero de luta Anti-submarina projetado nos Estados Unidos e produzido sob licença na Inglaterra, sendo operado pela Royal Navy.

a sorte. Também é secundariamente empregado na função de busca anti-submarina, complementando outros vetores da frota. Até mesmo porque a pequena e inexpressiva força de submarinos da marinha Argentina não representa uma grande ameaça.

O Gazelle é um helicóptero multi-funcional, podendo realizar tarefas de reconhecimento, transporte leve e ataque.

O Gazelle é um aparelho importante na função de ataque tanto a navios como posições inimigas, equipados com mais de um tipo de mísseis anti-superfície, imunes a contra-medidas. O grande alcance desta aeronave ainda a torna especialmente importante para missões especiais de inteligência

eletrônica.

A aeronave de asa fixa que figura na foto apresentada é o famoso Camberra. Avião de extremo longo alcance e adaptada para reabastecimento em vôo, o que o torna capaz de apoiar os esforços

de libertação das nossas ilhas. Uma das grandes vantagens desses aparelhos é poder voar acima dos caças inimigos, ficando imune a interceptações. Usado em mais de uma versão no atual conflito eles poderão fazer a diferença no resultado final.

 Reitero o pedido de compreensão aos nossos irmãos e irmãs que torcem pelos nossos combatentes e esperam ansiosamente a inexorável vitória britânica.

 

God save the Queen!

 

O nivel de tensão entre ambas as forças cresce com a proximidade do inicio dos primeiros combates. Enquanto isso, no Brasil o temor por uma invasão de seu litoral nordeste começa a se tornar perigosamente real...

Plantão veiculado pela Rede Globo as 0218Hrs de 17 / 09 / 1997.

Debriefing:  FKL D1 Turno 0218

Data: 01 / 05 / 2005

Situação: 

 

Ao mesmo tempo, no Brasil, o Plantão da Globo apresenta uma reportagem com Roberto Godoy, explicando a estratégia de um possível ataque contra o Brasil. A figura obesa preenche a tela. Seu terno surrado apresenta algumas manchas irreconhecíveis de gordura e comida ressequida gruda nos pelos de sua barba. Ofegante e transpirando bastante, o jornalista explica a possível estratégia de um ataque Norte Americano ao Brasil – “Certamente eles iriam procurar dividir o pais ao meio, invadindo na costa do Nordeste, em um ponto onde estrategicamente domina-se todo o Atlântico Central e mais amistoso para as tropas americanas do que a Floresta Amazônica. Inclusive, se dominado o Nordeste e Planalto Central, o pantanal ainda poderia resistir, mas completamente isolada, a Amzônia cairia dentro de poucos meses. Mas no ataque inicial, teríamos primeiro uma chuva de míssies Tomahawks a pontos estratégicos na  costa Norte e Nordeste...”- A televisão passa então a mostrar as imagens dos armamentos descritos pelo dispeneico especialista – “...dando início à denominda Hyper-War. O ataque dos mísseis se iniciaria ao anoitecer do primeiro dia. Na primeria noite, aviões stealth B-2 Spirit, escoltados pelos F-22 Raptor atcariam objetivos estratégicos principais, melhores defendidos e aviões F-117 atacariam alvos secundários. Ao final da madrugada, bombardeiros B-1B Lancer, escoltados por aviões F-15 e F-16 atacariam alvos que tivessem escapados do ataque inicial. Durante todo o dia, aviões F-15E relizariam ataques contra objetivos que ainda representassem alguma ameaça. No mar, os submarinos nucleares de ataque e os Harpoon lançados por aeronaves F/A-18 devastariam a marinha, encurralando nossos submarinos nas fozes dos rios. São Francisco e Amazonas. Os ataques se repetiriam até que fosse possível o desembarque em segurança de milhares de marines. Em resumo, sem o apoio de nossos aliados internacionais, não iríamos durar uma semana e.......” – A imagem mostra Godoy apertando o peito com força, com a face bastante vermelha. Ele vomita ao vivo e a cores, para então a transmissão sair do ar.

 

Com a iminência de combates no atlântico sul, o presidente norte-americano faz um pronunciamento as forças aliadas.

Pronunciamento Oficial do Presidente dos Estados Unidos, veiculado na Europa e América do Norte, as 0218Hrs de 17 / 09 / 1997

Debriefing:  FKL D1 Turno 0218

Data: 01 / 05 / 2005

Situação:

 

Em todos os Estados Unidos e Europa as transmissões de televisão são interrompidas para a apresentação de uma declaração do Presidente dos Estados Unidos da América. Apesar do horário, plena madrugada, o homem de olhar severo e ar obtuso apresenta-se impecável em seu terno, com a faixa presidencial passada a ferro e sem o aspecto de quem acordou àquela hora ou estava sem dormir até tarde. Com seu carcterísticosotaque sulista inicia o discurso, dando boa noite a todos, se desculpando por estar “entrando” nos lares americanos àquela hora do dia, mas agradecendo a atenção e pedindo as orações e a solidariedade do povo americano, para com os ingleses, nação aliada, de um povo irmão – “Há pouco mais de duas horas atrás, quando uma frota britânica se aproximava das Falklands, para lá garantir a liberdade e os direitos dos Kelpers, habitantes locais e súditos da Rainha, forças argentinas vergonhosamente atacaram esta força de libertação. Lamentavelmente temos de informar que as perdas já são altas em ambos os lados, sempre lembrando que a perda de um único jovem já é um preço alto demais a se pagar. E pior....completamente desprezando o valor da vida humana, os títeres argentinos enviaram seus aviões para atacar os ingleses, muito além do ponto de retorno, de forma que muitos jovens estão encontrando a morte por combaterem até que suas aeronaves fiquem  sem combustível. Nenhum preço parece ser alto demais para os inimigos da liberdade e da democracia. Mas os Estados Unidos não assistem a tudo de forma inerte. Neste exato momento, o nosso Departamento de Estado está entregando um ultimato ao Presidente Déspota do Brasil, esclarecendo que se dentro de 90 dias a contar de agora, o Brasil deve se retirar unilateralmente de todas as formas de conflito, desmilitarizar a Amazônia e permitir o acesso irrestrito dos inspetores da ONU e do Governo dos estados Unidos às centrífugas de enriquecimento de urânio para verificar se as mesmas não estão sendo utilizadas para viabilizar a construção de armas de destruição em massa..” – O resto do discurso apresenta um pouco mais de retórica política, valorizando o  modo de vida americano e a defesa da tradição, família e propriedade contra os agressores externos. 

No resto do mundo, a CNN transmite ao vivo a declaração do Presidente americano, após o término desta, o âncora informa que infelizmente não há no momento imagens do local, pois um oficial da Força Tarefa, o Lieutenant de Vaisseau Poseidon proibiu que os jornalistas realizassem qualquer tipo de transmissão, impossibilitando assim a realização de um trabalho profissional livre e isento.

 

As forças de ambos os lados continuam se posicionando, em preparação para a batalha final pelo controle das Ilhas Malvinas / Falklands

Plantão veiculado pela Rede Globo as 020930Hrs de 17 / 09 / 1997.

Debriefing:  FKL D1 Turno 020930

Data: 10 / 04 / 2005

Situação:

 

'O Corujão é subitamente interrompido por informe urgente. Em milhares de sonolentos lares do Brasil, as famílias despertam da letargia e prestam atenção às notícias do covarde ataque britânico às ilhas Malvinas. Muitos se perguntam quando o Brasil continental será atacado. Primeiro os yankees tomam Fernando de Noronha, agora tentam tomar as Malvinas. É palpável a sensação claustrofóbica de cerco que paira sobre o povo. Caco Barcelos aparece no meio de uma rua apagada e silenciosa – “Bom dia a todos os brasileiros. Estamos falando de Puerto Argentino, aqui já passa das duas da manhã e embora toda a cidade esteja às escuras, em Blackout a espera de um ataque inglês, o céu a leste das ilhas se ilumina aos clarões das explosões. As famílias argentinas começam a chorar pelos seus primeiros filhos perdidos. Embora seja plena madrugada, o Exército Argentino prepara neste exato momento sólidas defesas contra o avanço britânico. No aeroporto da capital e pelas demais pistas pela ilha, o tráfego de aeronaves é intenso, quer seja para os preparativos em terra, quer seja no envio de aeronaves para atacar a frota invasora.” 

Então a transmissão é transferida para o convés do 25 de Maio onde o repórter Roberto Cabrinni aparece usando um pesado casaco de frio. O vento é cortante, mas ao fundo apenas um A-4Q é visto, aparentemente sendo abastecido e remuniciado. O jornalista fica alguns instantes olhando para a câmera, antes de começar – “Bom Dia. Embora as perdas sejam pesadas para pouco mais de duas horas de combates, estes já apresentam considerável intensidade. Mas apesar do que é dito por Washington, conforme podemos observar adiante, os SkyHawks da Armada Argentina continuam em sua missão de fustigar as forças agressoras e demonstrar a capacidade e vontade de luta do povo argentino. Apesar de até agora terem sido abatidos 3 A-4 e um Helicóptero da Ala Aérea do 25 de Maio, estimam-se que as perdas inglesas sejam no mínimo três vezes maiores. Segundo alguns militares que trabalham diretamente com o comandante deste Grupo de Batalha, o Capitão de Corveta Marcelo “Fontesul” Nichele , a grande preocupação não são os navios de superfície britânicos, uma vez que cada um destes já está identificado e com sua localização definida. A grande preocupação sem dúvida são os possíveis submarinos nucleares de ataque que a Marinha Britânica pode ter deslocado para o teatro de operações. Já para neutralizar esta ameaça, os Trackers e Neptunes estenderam uma instransponível barreira de sonobóias ao redor do Grupo de Batalha e os silenciosos e mortais submarinos argentinos encontram-se fechando o cerco sob os submarinos inimigos identificados. Em frente à Casa Rosada, a multidão de pessoas em manifestação de apoio ao atual governo é uma das maiores já vistas em toda a história do país portenho”.

Com uma multidão gigantesca ao fundo, em frente a uma iluminada Casa Rosada, Pedro Bial surge na tela, iniciando em tom grave – “Bom Dia a todos. Apesar do momento ser de tristeza pela morte de jovens combatentes deste país irmão e não haver alegria na morte do inimigo, mesmo um que ataque de forma traiçoeira e covarde, após tentar a dominação econômica e procurar a modificação da forma de pensar de todo um continente através de bloqueios, manobras comerciais e outros tantas outras artimanhas obscuras, o povo se reúne em frente à Casa Rosada para saudar o seu Presidente e reforçar com uma corrente de oração o apoio e o voto de confiança que já havia sido pelas urnas através de uma eleição que apesar de legítima e democrática, foi desconsiderada pelo governo dos Estados Unidos. Para cada perda comunicada pelo Departamento de Relações Públicas das Forças, o povo se dá as mãos e inicia uma oração. Quando é anunciada a confirmação de uma perda inglesa, há uma grande onda de aplausos antes da oração pela alma de mais um guerreiro que tomba. E...até o momento, temos ouvidos muitos aplausos....” – Então toda a multidão se agita, podem seu ouvidos aplausos e apitos, bandeiras Argentinas são agitadas, embora na multidão a câmera também focalize algumas bandeiras brasileiras e até mesmo indianas e chinesas. O repórter aperta o ponto eletrônico em direção ao ouvido, em uma tentativa de facilitar ouvir o que lhe é dito, tentando com esta manobra, compensar a ovação emocionada, após alguns instantes com seu sorriso de dentes cacarecos, diz – “E agora, o povo aplaude a confirmação da derrubada de mais uma aeronave britânica por um Mirage III da Força Aérea Argentina...por todo o Planeta, são explícitas as manifestações de apoio à Argentina e de repúdio às ações imperialistas dos países ditos de Primeiro Mundo.”.  

Agora é a vez de Glória Maria aparecer na tela. Apesar do ar solene, ela não pode deixar de sorrir, ao fundo, uma cidade de ares exóticos, ao por do sol. – “ Bom Dia, estamos em Teerã, onde o Aiotolá Kamenei acaba de fazer um rápido pronunciamento, declarando que este deveria ser um momento de paz e união entre os povos. De nada adianta um grande desenvolvimento tecnológico sem a sua contrapartida espiritual. Mas já que o grande satã decidira por atacar o Islã e seus aliados, que estejam preparados para aprender a temer a Deus, pois aqui mesmo na Terra se fará justiça e os demônios sionistas irão arder no fogo da justiça, atingidos por suas próprias armas...” – Neste ponto a imagem mostra os F-14 iranianos decolando e os F-16BR em Brasília. Depois a imagem mostra uma imagem de vista aérea de uma grande frota se deslocando e a jornalista continua – “...Inclusive neste exato momento, forças amigas se deslocam do mundo todo indo em socorro ao Brasil, que já é informalmente chamada de a bola da vez. Entrevistado em um momento de lazer, o Presidente do Brasil disse” – A imagem então mostra o Presidente Lula com uma cerveja na mão, ruborizado e rindo muito, que diz então – “Que venham! Irc, ic, ic...”.'

 

Informe veiculado pela CNN as 020930Hrs de 17 / 09 / 1997.

Debriefing:  FKL D1 Turno 020930

Data: 10 / 04 / 2005

Situação:

 

A CNN mostra ao vivo um jornalista seu a bordo de um Sea King da Royal Navy. A porta lateral corrediça, às costas do repórter, está aberta, mostrando uma noite sem estrelas, mais escura que o normal. O som dos rotores é alto suficiente para fazer o americano berrar para poder se fazer entender, mas para os ouvidos treinados dos militares, fica claro que as hélices estão em passo de vôo pairado. A câmera se aproxima da porta e o mar pode ser diferenciado do negrume do céu apenas pelas suas ondulações, pouco mais de alguns metros abaixo da aeronave. Depois a câmera focaliza algo no horizonte e ao dar um Zoom, mostra que um outro Sea King está passando. Habilmente o câmera evita focalizar a identificação da aeronave. 

Durante a reportagem, o jornalista informa que estão a bordo de um dos helicópteros de guerra submarina, embarcados na frota que se dirige para a libertação das Falklands. Apesar de as hostilidades terem se iniciado há pouco mais de duas horas, a intensidade dos combates surpreendeu até mesmo os comandantes aliados. Estima-se que para as perdas britânicas até o momento, dois Sea Harriers desaparecidos por prováveis condições atmosféricas adversas, um Sea Harrier abatido em combate aéreo e dois helicópteros, um também por condições climáticas e outro em um acidente de pouso, toda a aviação embarcada argentina já deva ter sido neutralizada. Embora aguarde-se um ataque de aeronaves baseadas em terra ao nascer do dia, o que mais preocupa os comandantes aliados no momento, é a ameaça submarina. Desta forma, os Sea King, iguais a este estão descendo seus sonares rebocados e formando uma barreira intransponível aos submarinos inimigos, garantindo assim a segurança da frota. Ao longe pode se observar mais um destes “Rei dos Mares” se dirigindo ao seu local de patrulha. 

Em seguida, o CINCLANFLEET aparece na tela, em uma entrevista coletiva na sala de imprensa do Pentágono, informando que as operações estão correndo dentro do cronograma planejado e que com a atual eliminação da força aérea embarcada argentina e neutralização da ameaça submarina, a frota segue seu avanço inexorável em direção à libertação das ilhas. Espera-se que dentro de 48-72 horas a frota esteja posicionada para o desembarque e que no máximo em 96 horas esteja estabelecida uma cabeça de praia. Caso ainda persista a vontade de lutar do inimigo, espera-se que as ilhas sejam libertadas em no máximo uma semana.

A reportagem termina com o Papa fazendo um apelo pela paz, com um pedido que as forças vermelhas, inimigas da humanidade, reconheçam seus crimes atrozes, deponham às armas e se entreguem à justiça da ONU e dos USA para pagarem pelos seus feitos na terra, de forma a expiarem seus pecados e garantirem a salvação de suas almas eternas."

 

Enquanto forças inglesas e argentinas seguem em combate nas gélidas águas do Atlântico sul pela posse das ilhas Falklands / Malvinas, a imprensa continua em busca de informes sobre o que realmente esta ocorrendo, do lado argentino são liberadas a CNN (em espanhol) imagens do aparato montado para a defesa de sua pátria, em uma evidente demonstração de força; enquanto os ingleses com a típica fleuma dos fieis súditos de sua majestade, optam por emitir uma nota oficial sobre a presente situação.

Reportagem veiculada pela CNN em Espanhol as 0147Hrs de 17 / 09 / 1997.

Debriefing:  FKL D1 Turno 0147

Data: 31 / 01 / 2005

Situação:

 

"Após quase duas horas do inicio dos combates, os militares argentinos não podem negar a sua surpresa em relação à tenacidade e vontade de lutar dos ingleses. Apesar de consideráveis perdas aéreas para os Skyhawks embarcados e para os Mirage embarcados em terra, que contam com o apoio de tanques auxiliares e operações de reabastecimento aéreo suportados por Hércules C-130, mesmo com a Argentina mantendo inquestionável a supremacia aérea sobre a região, a Força Inglesa segue inexorável em direção ao seu fim nas ilhas. Imagens liberadas pelo exército mostram diversas casamatas, trincheiras e outras estruturas de defesa em preparo. Segundo as mesmas fontes militares, os ingleses estão em um curral, formado pelas forças argentinas e estão sendo conduzidos em um corredor diretamente para o matadouro."

 

Informe e nota Oficial veiculados pela BBC de Londres as 0147Hrs de 17 / 09 / 1997.

Debriefing:  FKL D1 Turno 0147

Data: 31 / 01 / 2005

Situação:

NOTA OFICIAL Dos Blue Seals

De: Sala de Imprensa do Almirantado Britânico

Para: BBC de Londres

"Este almirantado informa que a ação  para retomada das Ilhas Falklands, criminosamente invadida pelo governo títere argentino prossegue. Os argentinos sistematicamente tem violado a zona de exclusão aérea, apesar dos alertas do governo britânico. Aeronaves argentinas hostis tem tentado se aproximar de nosso Battle Group, mas tem sido rechaçadas ou abatidas. Nossas perdas até agora são limitadas, a maioria devido ao mal tempo ao sul das Falklands, enquanto os argentinos, comandados por “consultores” russos tem sofrido pesadas perdas, o que demonstra o desrespeito destes “consultores” pela vida dos militares argentinos, enviados para a morte contra uma força muito superior. Até o momento, e embora tenhamos meios posicionados para tal, temos evitado atacar as base argentinas localizadas no continente, dando aos argentinos a possibilidade de ouvirem a voz do bom senso e deixarem imediatamente, sob pena de serem aniquilados, a zona de exclusão total de 200 NM em torno das Falklands."

  Os jornalistas ingleses confirmam que viram os clarões dos canhões de algumas escoltas, o que significa também que aeronaves argentinas podem estar se aproximando perigosamente da frota.

 

Primeiros informes sobre as ações de combate no Atlântico Sul.

TV Argentina em comunicado de urgência as 0118Hrs de 17 / 09 / 1997.

Debriefing:  FKL D1 Turno 0118

Data: 28 / 12 / 2004

Situação:

 

Jornalistas informam que as atividades em Rio Gallegos, San Julia e Rio Grande encontram-se em máxima prontidão e diversas aeronaves de patrulha decolaram para a proteção da costa Argentina, temendo-se um desembarque Inglês no continente. Informes não oficiais dizem que os combates  se iniciaram pouco após a meia noite do dia de hoje, com pesadas perdas  para os ingleses, sendo que apenas um helicóptero argentino teria sido abatido por Sea Harriers. Segundo um alto oficial da Armada Argentina que não quis se identificar, no
momento as forças argentinas mantêm a Força Tarefa Britânica isolada, bloqueando o acesso às ilhas e estão já demonstrando o alto custo que será a tentativa de retomada das ilhas. Quando perguntado sobre as informações de que uma importante belonave inglesa havia sido atingida, o Oficial apenas sorriu e informou que não estava ainda autorizado a confirmar nenhum ataque específico, mas deixou claro que a Armada possui submarinos na região e que eles estão lá para cumprir a sua missão.

 

BBC de Londres em comunicado de urgência as 0118Hrs de 17 / 09 / 1997.

Debriefing: FKL D1 Turno 0118

Data: 28 / 12 / 2004

Situação:

 

Jornalistas informam que as atividades em Rio Gallegos, San Julia e Rio Grande encontram-se em máxima prontidão e diversas aeronaves de patrulha decolaram para a proteção da costa Argentina, temendo-se um desembarque Inglês no continente. Informes não oficiais dizem que os combates  se iniciaram pouco após a meia noite do dia de hoje, com pesadas perdas  para os ingleses, sendo que apenas um helicóptero argentino teria sido abatido por Sea Harriers. Segundo um alto oficial da Armada Argentina que não quis se identificar, no
momento as forças argentinas mantêm a Força Tarefa Britânica isolada, bloqueando o acesso às ilhas e estão já demonstrando o alto custo que será a tentativa de retomada das ilhas. Quando perguntado sobre as informações de que uma importante belonave inglesa havia sido atingida, o Oficial apenas sorriu e informou que não estava ainda autorizado a confirmar nenhum ataque específico, mas deixou claro que a Armada possui submarinos na região e que eles estão lá para cumprir a sua missão.

 

 

Destaques especiais:

 

- Ataque ao NAe CDG.

 

- Crimes de Guerra.

 

- Brotherhood Freedom.

 

- Operação Icosaedro.

 


O papel da Imprensa:

 

- Voltar.

 

 

_Subir_